Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pesquisador brasileiro pode ter encontrado novo planeta no Sistema Solar

    Estudo publicado no The Astronomical Journal, assinado por um pesquisador brasileiro e outro japonês, indica a existência de um planeta desconhecido depois de Netuno

    Simulação de possíveis órbitas do planeta hipotético que pode existir nos confins do nosso sistema solar.
    Simulação de possíveis órbitas do planeta hipotético que pode existir nos confins do nosso sistema solar. Patryk Sofia Lykawka

    Fernanda Pinottida CNN

    em São Paulo

    Um estudo publicado no final do ano passado, cujos principais autores são um pesquisador brasileiro e outro japonês, aponta a possibilidade de que haja um novo planeta em nosso Sistema Solar.

    Os dois astrônomos, o brasileiro Patryk Sofia Lykawka, que hoje é professor na Universidade Kindai, no Japão, e Takashi Ito, do Observatório Astronômico Nacional do Japão, dizem que o planeta estaria localizado depois de Netuno, numa região chamada de Cinturão de Kuiper.

    “Prevemos a existência de um planeta similar à Terra e alguns outros objetos transnetúnicos (TNO na sigla em inglês) em órbitas peculiares nos limites do Sistema Solar”, escreveram os cientistas no trabalho publicado na revista The Astronomical Journal.

    Os pesquisadores estudam o Cinturão de Kuiper, uma área localizada a cerca de 30 unidades astronômicas (a unidade astronômica equivale aproximadamente à distância da Terra ao Sol, cerca de 150 milhões de quilômetros ou 8 minutos-luz) depois de Netuno, que abriga rochas geladas e planetas anões, como Plutão, Quaoar, Orcus e Makemake.

    O suposto novo planeta seria de 1,5 a três vezes maior do que a Terra, bem maior que os planetas-anões localizados no Cinturão — mesmo Plutão, que já foi classificado como planeta no passado, tem apenas 18% do tamanho da Terra.

    Antes que a existência de um novo planeta seja confirmada, os cientistas precisam encontrá-lo. Para isso, eles seguem estudando os objetos do Cinturão de Kuiper em busca de perturbações em suas órbitas que indiquem a presença de algum outro planeta maior.

    “Baseados em extensas simulações do Sistema Solar externo, incluindo um hipotético planeta com massas semelhantes ao da Terra (testei também várias órbitas para o planeta), obtive resultados que poderiam explicar as propriedades orbitais das populações do Cinturão de Kuiper distante. Isso sugere um papel vital desempenhado pelo planeta na formação do Cinturão de Kuiper”, explicou Patryk, em entrevista a Unisinos — universidade do Rio Grande do Sul na qual ele se formou em física e em matemática antes de se mudar para o Japão.

    Para prosseguir com a pesquisa, Patryk pretende realizar novas simulações e aprimorar os resultados. “Assim, a massa e a órbita do planeta hipotético poderiam ser ainda mais refinadas”, disse ele.

    *Com informações do Estadão Conteúdo