Símbolo de renovação, ovos também têm muito a dizer sobre o passado

Muitas vezes ofuscadas por esqueletos e ossos, cascas de ovos fossilizadas são fonte de informação sobre o passado e o futuro

Ovos ajudam os paleontólogos e arqueólogos a desvendar informações sobre o passado.
Ovos ajudam os paleontólogos e arqueólogos a desvendar informações sobre o passado. ColorBlind/Digital Vision/Getty Images

Katie Huntda CNN

Ouvir notícia

Os ovos foram depositados em terra por pássaros, répteis, dinossauros e alguns mamíferos excêntricos por mais de 200 milhões de anos. E os humanos têm usado alguns desses ovos como fonte nutritiva de alimento e suas cascas como tigelas, garrafas e joias durante a maior parte de nossa história no planeta.

Embora muitas vezes tenham sido ofuscadas por esqueletos e ossos, as cascas de ovos fossilizadas são uma fascinante fonte de informação, iluminando o comportamento e a dieta de criaturas antigas, detalhando as mudanças no clima e revelando como nossos parentes pré-históricos viviam e se comunicavam.

Nesta Páscoa, veja seis informações surpreendentes que os ovos revelam sobre o passado:

Temperatura corporal de dinossauros

O sangue de dinossauro era frio, como um lagarto, ou quente, como um pássaro? É um tópico que há muito divide os paleontólogos.

Uma análise de cascas de ovos de dinossauro fossilizadas sugere que é o último. Ao observar a ordem dos átomos de oxigênio e carbono nas cascas de ovos fossilizadas, os pesquisadores conseguiram calcular a temperatura interna do corpo de uma mãe de dinossauro. É um processo chamado “paletermometria de isótopos aglomerados”.

“Os ovos, por serem formados dentro dos dinossauros, agem como termômetros antigos”, explica Pincelli Hull, professor assistente do departamento de geologia e geofísica da Universidade de Yale e coautor do estudo, publicado em 2020.

Hull e seus colegas descobriram que as amostras testadas sugeriam que a temperatura corporal dos dinossauros era mais quente do que o ambiente teria sido.

A pesquisa indica que, ao contrário dos répteis, que dependem do calor do ambiente, os dinossauros eram capazes de gerar calor internamente – mais como pássaros.

Detalhe de um fragmento de ovo de dinossauro mostra os minúsculos orifícios que permitem a respiração através da casca do ovo. / Darla Zelenitsky

Humanos criaram as aves mais perigosas do mundo

Você pode pensar que as galinhas – ou mesmo patos ou perus – foram as primeiras aves a serem domesticadas pelos humanos. No entanto, fragmentos de casca de ovo encontrados em dois sítios pré-históricos em Papua Nova Guiné sugerem que os humanos podem ter criado casuares – muitas vezes descritos como os pássaros mais perigosos do mundo por causa de uma garra semelhante a um punhal que eles têm em cada pé – já há 18 mil anos.

Territorial, agressivo e muitas vezes comparado a um dinossauro na aparência, o pássaro é um surpreendente candidato à domesticação. Mas um estudo de mais de mil fragmentos fossilizados de casca de ovo de Papua Nova Guiné sugeriu que os pássaros foram deliberadamente chocados.

Para chegar às suas conclusões, os pesquisadores primeiro estudaram as cascas de ovos de aves vivas, incluindo perus, emas e avestruzes. O interior das cascas dos ovos muda à medida que os pintinhos em desenvolvimento obtêm cálcio da casca do ovo.

Usando imagens 3D de alta resolução e inspecionando o interior dos ovos, os pesquisadores conseguiram construir um modelo de como eram os ovos durante os diferentes estágios de incubação.

Os cientistas testaram seu modelo em ovos de emas modernas e avestruzes antes de aplicá-lo aos fragmentos fossilizados de casca de ovo encontrados na Nova Guiné. A equipe descobriu que a maioria das cascas de ovos encontradas nos locais estavam todas próximas da maturidade – sugerindo que foram chocadas, não comidas.

Estudo em cascas de ovos fossilizadas revelou que os humanos podem ter chocado e criado casuares há mais de 18 mil anos. / CNN

Alguns dinossauros eram pais carinhosos

O primeiro fóssil de oviráptor – de uma família de dinossauros com bicos de papagaio – foi descoberto na Mongólia na década de 1920, perto de um ninho de ovos que acredita-se pertencer a um rival. Os paleontólogos da época assumiram que o animal havia morrido ao tentar saquear o ninho e chamaram a criatura de “ladrão de ovos.”

Sua restauração só foi restaurada na década de 1990 quando outra descoberta revelou que os ovos eram seus. Descobertas subsequentes – incluindo um oviraptossauro curvado sobre 24 ovos tornados públicos em 2021 – revelaram que esse tipo específico de dinossauro era um pai amoroso.

Pelo menos sete dos 24 ovos preservaram os ossos de embriões parciais encontrados no interior; foi a primeira vez que um fóssil preservou esse nível de detalhe. Esses embriões estavam em um estágio avançado de desenvolvimento, e a proximidade do pai confirmou que esse dinossauro realmente incubava seu ninho como seus primos pássaros modernos.

O layout arrumado dos ninhos de oviraptores também sugeria que eram chocadeiras que pousavam em ovos para chocá-los – até mesmo oviraptores gigantes que pesavam 1,5 mil kg e botavam ovos de meio metro de comprimento, disse Darla Zelenitsky, especialista em ovos de dinossauro e professora associada do departamento de geociências da Universidade de Calgary, no Canadá.

“Esses fósseis também mostram ovos organizados com muita precisão, empilhados em anéis, provavelmente otimizados para sentar nos ovos”, explicou ela.

Os ninhos de oviraptores gigantes de 2 metros de largura tinham uma forma ligeiramente modificada para impedir que fossem esmagados, acrescentou ela.

Ovos de dinossauros – incluindo um com um bebê dinossauro perfeitamente preservado enrolado dentro – mostram cada vez mais que os pássaros herdaram muitas características dos dinossauros. Nem todos os dinossauros, no entanto, eram pais carinhosos.

Os poros na superfície dos ovos permitem a difusão de água, oxigênio e dióxido de carbono, e a orientação, densidade e número de poros nos ovos de animais vivos podem revelar se eles são colocados em ninhos abertos ou subterrâneos. A aplicação desse conhecimento a ovos de dinossauros fossilizados esclareceu seu comportamento de nidificação.

A análise sugere que muitos dinossauros, incluindo enormes saurópodes herbívoros, depositaram seus ovos no subsolo em tocas, mais como répteis.

Uma ilustração de um oviraptossauro bebê enrolado dentro de seu ovo é baseada em um excepcional ovo de dinossauro fossilizado. / Cortesia Darla Zelenitsky

Contas de casca de ovo formaram a primeira rede social

Cascas de ovos de avestruz são encontradas em sítios arqueológicos de escavação em toda a África. Os primeiros humanos usavam os grandes ovos como garrafas de água e, por dezenas de milhares de anos, os humanos antigos pegaram os restos e os transformaram em contas decorativas que ainda são feitas hoje.

Essas contas foram encontradas em toda a África – inclusive em áreas onde os avestruzes nunca viveram – levantando a questão de como eles chegaram lá.

A resposta está escondida na geoquímica dos ovos. Os pesquisadores analisaram as assinaturas de diferentes isótopos ou variantes do elemento estrôncio nas contas – elas variam dependendo de onde os avestruzes se alimentariam antes de botar os ovos.

As formações rochosas mais antigas, incluindo o granito, têm mais estrôncio do que as rochas mais jovens, como o basalto, e isso se reflete na vegetação que cresce ao seu redor.

A geoquímica das contas mostrou que elas viajaram longas distâncias. Eles foram negociados ou trocados no que foi descrito como uma rede social inicial.

Entendendo a extinção

Os ovos são uma grande parte da nossa dieta hoje – algo que também era verdade na Idade da Pedra.

De fato, o apetite dos antigos australianos pelos ovos postos pelo Genyornis de 2 metros de altura pode ter sido uma razão significativa pela qual as aves grandes e que não voam foram extintas há 47 mil anos.

Padrões de queima em fragmentos de casca de ovo do pássaro gigante encontrado em cerca de duzentos locais em toda a Austrália foram criados por humanos descartando casca de ovo ao redor e dentro de fogueiras improvisadas, presumivelmente feitas para cozinhar os ovos.

Assinaturas químicas de isótopos de nitrogênio e carbono em cascas de ovos fossilizadas também podem rastrear mudanças na vegetação, coletando informações sobre mudanças climáticas passadas, que podem revelar mudanças ecológicas que afetariam a sobrevivência dessas espécies ao longo do tempo.

Um estudo de cascas de ovos de emas encontradas em toda a Austrália ao longo de um período de 100 mil anos não mostra uma mudança massiva no clima que os pesquisadores acreditam que poderia ter levado à extinção de Genyornis.

Isso sugere que a extinção dessas aves gigantes foi causada por humanos, não por mudanças ecológicas, disse o estudo.

Clima alterado

Cascas fossilizadas de ovos de pinguim, avestruz e ema revelaram como era o clima na antiga Antártida, África do Sul e Austrália. Coleções de ovos mais recentes estão revelando como a atual crise climática está mudando o mundo natural hoje.

Ao comparar os ovos de pássaros coletados durante a era vitoriana e os ovos modernos mantidos pelo Field Museum e outras instituições, os pesquisadores descobriram que várias espécies de aves na área de Chicago fazem ninho e botam ovos quase um mês antes do que há um século.

Das 72 espécies documentadas nos dados, um terço tem nidificado cada vez mais cedo, descobriu a equipe. As aves que mudaram seus hábitos de nidificação botaram ovos cerca de 25 dias antes, em média.

Padrões semelhantes são vistos em insetos, que muitos pássaros comem, e plantas, sugerindo que as mudanças climáticas já estão alterando os ecossistemas, disseram os autores do estudo.

*Ashley Strickland e Danya Gainor, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN