Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Startup australiana de alimentos cria almôndegas feitas com DNA de mamute

    O objetivo, segundo a empresa, é chamar a atenção para o potencial da carne cultivada para tornar a alimentação mais ecológica

    Uma startup australiana criou almôndegas cultivadas em laboratório feitas com DNA de mamute
    Uma startup australiana criou almôndegas cultivadas em laboratório feitas com DNA de mamute Divulgação/Vow

    Katie Huntda CNN

    Restos de mamutes lanosos, com pelos e tecidos ainda intactos, são regularmente encontrados sepultados no permafrost do Ártico. Sua descoberta permitiu aos cientistas sequenciar o genoma do mamute e aprender detalhes intrigantes sobre a vida desses gigantes extintos da Era do Gelo.

    Agora, parte dessa informação está sendo usada para cultivar uma espécie de carne de mamute em laboratório.

    A Vow, uma startup australiana de carne cultivada em laboratório, fez o que descreve como uma almôndega de mamute. O objetivo do projeto, segundo a empresa, é chamar a atenção para o potencial da carne cultivada para tornar a alimentação mais ecológica. Na terça-feira, a almôndega se junta à coleção do Rijksmuseum Boerhaave – um museu de ciência e medicina na Holanda.

    “Precisamos começar a repensar como obtemos nossa comida. Minha maior esperança para este projeto é […] que muito mais pessoas em todo o mundo comecem a ouvir sobre carne cultivada”, disse James Ryall, diretor científico da Vow.

    Criando “carne de mamute”

    Em um golpe publicitário maravilhosamente maluco, as almôndegas não são destinadas ao consumo humano. E mesmo chamar a criação de carne de mamute é um pouco exagerado. O alimento é mais como cordeiro feito em laboratório misturado com uma pequena quantidade de DNA de mamute.

    Os cientistas que trabalhavam no projeto não tinham acesso a um estoque congelado de tecido de mamute para basear seus esforços. Em vez disso, eles se concentraram em uma proteína presente em mamíferos chamada mioglobina, que dá textura, cor e sabor à carne, identificando a sequência de DNA da versão do mamute em um banco de dados de genoma disponível ao público.

    Eles preencheram lacunas na gigantesca sequência de DNA da mioglobina usando informações do genoma de um elefante africano. Os cientistas inseriram o gene sintetizado em uma célula muscular de ovelha, que foi então cultivada em laboratório.

    A equipe conseguiu produzir cerca de 400 gramas de carne de mamute.

    “Do ponto de vista genômico, é apenas um gene entre todos os outros genes de ovelha que é gigantesco”, disse Ernst Wolvetang, professor e líder sênior do grupo no Instituto Australiano de Bioengenharia e Nanotecnologia da Universidade de Queensland, que fez parte do projeto. “É um gene em 25 mil”.

    James Ryall é o diretor científico da Vow / Divulgação/Vow

    Ryall disse que a mioglobina de mamute mudou a aparência física das células musculares de ovelha. Embora nossos ancestrais da Idade da Pedra caçassem e presumivelmente se banqueteassem com mamute, Ryall e Wolvetang disseram que não provaram as almôndegas.

    “Normalmente, provaríamos nossos produtos e brincaríamos com eles. Mas hesitamos em experimentar imediatamente porque estamos falando de uma proteína que não existe há 5 mil anos. Não tenho ideia de qual pode ser a alergenicidade potencial dessa proteína em particular”, disse Ryall.

    “Essa é uma das razões pelas quais não estamos oferecendo isso como um produto. Não vai ser colocado à venda porque não temos ideia do perfil de segurança desse produto em particular”, acrescentou.

    Carne de laboratório x carne de verdade

    Os defensores esperam que a carne cultivada reduza a necessidade de abater animais para alimentação e ajude a combater a crise climática. O sistema alimentar é responsável por cerca de um terço das emissões globais de gases de efeito estufa, a maioria resultante da pecuária.

    A Vow espera obter em breve a aprovação regulatória em Singapura, o primeiro país a aprovar a carne cultivada, para vender a carne de codorna produzida em laboratório. Nos Estados Unidos, o FDA disse que o frango criado em laboratório é adequado para consumo humano.

    O DNA do mamute foi inserido em células de ovelha, que foram cultivadas em laboratório / Divulgação/Vow

    As carcaças de mamutes, que foram extintos há cerca de 5 mil anos, foram encontradas tão bem preservadas no permafrost que ainda tinham sangue nas veias.

    Love Dalén, professor de genômica evolutiva no Centro de Paleogenética da Universidade de Estocolmo, que sequenciou o DNA de mamute mais antigo do mundo, sabe qual é o sabor da carne de mamute.

    Durante uma viagem de campo ao rio Yana, na Sibéria, em 2012, Dalén disse que experimentou um pequeno pedaço de carne congelada retirada de parte da carcaça de um filhote de mamute. Embora ele tenha dito que não via grande valor científico no projeto das almôndegas, caso fossem colocadas à venda, Dalén disse que com certeza provaria uma.

    “Sem dúvida eu adoraria experimentar isso!” ele disse. “Não pode ter um sabor pior do que carne de mamute de verdade”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original