Um alarme disparou no voo da SpaceX com civis, e o problema era o banheiro

Responsáveis pela missão espacial confirmaram que ocorreram problemas no sistema de gerenciamento de resíduos da SpaceX Crew Dragon

SpaceX realizou um voo para o espaço apenas com civis
SpaceX realizou um voo para o espaço apenas com civis Joel Kowsky/Nasa

Jackie Wattlesda CNN

Ouvir notícia

Enquanto Jared Isaacman e seus três companheiros de tripulação voavam livremente pela órbita da Terra, protegidos do implacável vácuo do espaço por nada além de uma cápsula de fibra de carbono de 4 metros de largura, um alarme disparou.

Os sistemas da espaçonave SpaceX Crew Dragon estavam alertando a tripulação sobre um problema “significativo”, disse Isaacman.

Eles passaram meses estudando os manuais da SpaceX e treinando para responder a emergências no espaço, então eles entraram em ação, trabalhando com os controladores de solo da SpaceX para localizar a causa do erro.

No final das contas, o Crew Dragon não estava em perigo. Mas o banheiro a bordo estava.

Nada no espaço é fácil, incluindo ir ao banheiro. Para um ser humano saudável na Terra, certificar-se de que tudo entre na privada é geralmente uma questão simples de mira. Mas, no espaço, não há sensação de gravidade. Não há garantia de que o que sai irá … para onde deveria. O lixo pode – e vai – em todas as direções possíveis.

Para resolver esse problema, os banheiros espaciais têm ventiladores dentro deles, que são usados ​​para criar sucção. Essencialmente, eles retiram os resíduos do corpo humano e os mantêm armazenados.

E as ventoinhas do “sistema de gerenciamento de resíduos” do Crew Dragon estavam enfrentando problemas mecânicos. Foi isso que disparou o alarme que a tripulação ouviu.

Scott “Kidd” Poteet, um diretor da missão Inspiration4 que ajudou a supervisionar a missão do solo, informou os repórteres sobre o assunto em uma entrevista à CBS.

Poteet e o diretor de gerenciamento da tripulação na missão da SpaceX confirmaram mais tarde que havia “problemas” com o sistema de gerenciamento de resíduos em uma entrevista coletiva, mas não entraram em detalhes, desencadeando uma onda imediata de especulações de que o erro poderia ter criado uma bagunça desastrosa.

Quando questionado diretamente sobre isso na quinta-feira (23), porém, Isaacman disse: “Quero ser 100% claro: não houve nenhum problema na cabine no que se refere a isso”.

Mas Isaacman e seus companheiros de viagem na missão Inspiration4 tiveram que trabalhar com a SpaceX para responder ao problema durante sua permanência de três dias em órbita, durante a qual eles experimentaram vários blecautes de comunicação, destacando a importância do regime de treinamento completo da tripulação.

“Eu diria que provavelmente em torno de 10% do nosso tempo em órbita não tínhamos [comunicação com o solo], e fomos uma equipe muito calma durante isso”, disse ele, acrescentando que “resistência mental e um bom quadro psicológico e uma boa atitude” foram cruciais para a missão.

“O aspecto psicológico é uma área em que você não pode se arriscar porque … obviamente houve circunstâncias que aconteceram lá onde se você tivesse alguém que não tivesse aquela resistência mental e começasse a reagir mal, isso realmente poderia ter afundado toda a missão “, disse Isaacman.

A SpaceX não respondeu aos pedidos de comentários da CNN Business.

A anedota do banheiro também destaca uma verdade fundamental sobre a humanidade e suas ambições extraterrestres – não importa o quanto imaginemos nosso futuro espacial como polido e chamativo, as realidades biológicas permanecem.

Excretas no espaço, uma história

Isaacman era – como vários astronautas antes dele – tímido quando se tratava de discutir a “situação do banheiro”.

“Ninguém realmente quer entrar em detalhes sangrentos”, disse Isaacman. Mas, quando a equipe do Inspiration4 conversou com alguns astronautas da Nasa, eles disseram que “usar o banheiro no espaço é difícil, e vocês têm que ser muito – qual era a palavra? – muito gentis uns com os outros.”

Ele acrescentou que, apesar dos problemas com o banheiro a bordo, ninguém sofreu acidentes ou indignidades.

“Não sei quem os estava treinando, mas fomos capazes de trabalhar isso e fazer [o banheiro] funcionar mesmo com as circunstâncias inicialmente desafiadoras, então não havia nada como, você sabe, fazer na cabine ou algo parecido”, disse ele.

Descobrir como se aliviar com segurança no espaço foi, no entanto, uma questão fundamental colocada no início dos voos espaciais humanos, meio século atrás, e o caminho para as respostas não estava isento de erros.

Durante a missão Apollo 10 de 1969 – aquela que viu Thomas Stafford, John Young e Eugene Cernan circunavegar a Lua – Stafford relatou ao controle da missão no sexto dia da missão que um pedaço de lixo estava flutuando pela cabine, de acordo com documentos governamentais que já foram confidenciais.

“Dê-me um guardanapo, rápido”, Stafford teria dito alguns minutos antes de Cernan ver outro: “Aqui está outra bosta.”

O processo de coleta de fezes na época, um relatório da Nasa revelou mais tarde, envolvia um saco plástico “extremamente básico” que era “colado nas nádegas”.

“O sistema de bolsa fecal era marginalmente funcional e foi descrito como muito ‘desagradável’ pela tripulação”, revelou mais tarde um relatório oficial da Nasa de 2007. “Os sacos não forneciam controle de odor na cápsula pequena, e o cheiro era proeminente”.

Os banheiros no espaço evoluíram desde então, graças aos esforços extenuantes dos cientistas da Nasa, como a jornalista Mary Roach, autora de “Packing for Mars”, disse à NPR em 2010.

“O problema aqui é que você tem um banheiro espacial muito elaborado e precisa testá-lo. Bem, você precisa, sabe, transportá-lo para o Campo de Ellington, embarcar em um simulador de gravidade zero – um avião que faz esses elaborados arcos para cima e para baixo – e então você tem que encontrar algum pobre voluntário do Escritório do Sistema de Gerenciamento de Lixo para testá-lo. E eu não sei sobre você, mas, quero dizer, fazer isso sob demanda em 20 segundos, é exigir muito do seu cólon. Portanto, é muito elaborado e complicado”.

E, Roach escreve em “Packing for Mars”, o treinamento dos astronautas não é brincadeira.

“O simples ato de urinar pode, sem gravidade, se tornar uma emergência médica que exige cateterismo e embaraçosas consultas via rádio com cirurgiões de voo”, escreveu ela. E como a urina se comporta de maneira diferente dentro da bexiga no espaço, pode ser muito difícil dizer quando é necessário ir ao banheiro.

Adaptando-se ao espaço

O corpo humano é evolutivamente projetado para a vida na Terra, com sua gravidade, ar rico em oxigênio e ciclos ecológicos previsíveis.

Ele não foi projetado especificamente para flutuar desorientado na ausência de peso, um fato que fez com que vários astronautas experimentassem uma náusea forte, especialmente durante os primeiros dias em órbita.

“Vomitei 93 minutos em meu primeiro voo”, disse o astronauta da Nasa Steven Smith, veterano em quatro missões do ônibus espacial, a um jornalista. “Essa foi a primeira de 100 vezes em quatro voos. É estranho ir para um trabalho onde você sabe que vai vomitar”,

A Nasa tem um termo formal para a doença – Síndrome de Adaptação Espacial, que um artigo estima que cerca de 80% dos astronautas já sofreram.

Isaacman disse, que durante a missão Inspiration4, ele não sentiu vontade de vomitar. Mas o ajuste à microgravidade pode ser desconfortável.

“É só uma confusão na sua cabeça, como quando você fica pendurado de cabeça para baixo na cama”, disse ele à CNN Business. “Mas você tem que encontrar uma maneira de simplesmente ignorar e trabalhar com isso … Cerca de um dia depois, meio que se equilibra e você esquece”.

Nem todos os seus companheiros de tripulação tiveram a mesma sorte. Hayley Arceneaux, uma sobrevivente do câncer de 29 anos que serviu como oficial médica do Inspiration4, teve que administrar injeções de Phenergan – um anti-histamínico usado para tratar o enjoo para combater a náusea, disse Isaacman.

O fato inescapável é que os humanos estarão lutando contra as doenças enquanto continuarmos a olhar para o espaço e vê-lo como um lugar para o qual devemos ir.

É por isso que muitos jornalistas, incluindo Roach, questionaram nossa tendência de romantizar as viagens espaciais e minimizar a dura realidade e os riscos.

Mas, apesar do desconforto, Isaacman disse que não se arrepende de sua decisão de gastar cerca de US$ 200 milhões em um voo espacial de três dias.

“Espero que este seja um modelo para missões futuras”, disse ele, acrescentando que acredita na missão da SpaceX de eventualmente apoiar colônias inteiras de pessoas que vivem no espaço sideral.

Durante o voo, “eu me senti realmente carregado e energizado com a ideia de que apenas temos que continuar empurrando e indo cada vez mais longe”.

(Este é um texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN