Igrejas na Europa desafiam a tradição: minimalistas, ousadas e de concreto

Essas catedrais e igrejas europeias foram construídas no estilo brutalista do século 20 e se tornaram objeto das lentes do britânico Jamie McGregor Smith

A igreja Saint-Nicolas d'Hérémence na Suíça foi projetada por Walter Maria Förderer e concluída em 1971.
A igreja Saint-Nicolas d'Hérémence na Suíça foi projetada por Walter Maria Förderer e concluída em 1971. Jamie McGregor Smith via CNN Newsource

Suyin Haynesda CNN

O fotógrafo Jamie McGregor Smith cresceu no Reino Unido, familiarizado com igrejas tradicionais e sua arquitetura histórica. Mas em 2018, quando ele e sua família se mudaram para Viena, Áustria, ele notou catedrais e igrejas em toda a Europa construídas em um estilo brutalista do século 20.

Intrigado, McGregor Smith planejou uma série de viagens de trem pela Europa para descobrir mais sobre esses lugares de culto modernistas. Ao longo de quatro anos, McGregor Smith fotografou quase 200 igrejas em oito países, todas projetadas e construídas nas décadas de 1960 e 1970. “Mesmo que (as igrejas) agora tenham 50 anos, elas ainda têm essa sensação de transportar você para algum espaço atemporal no futuro”, disse McGregor Smith em entrevista à CNN.

O resultado dessa peregrinação fotográfica é um novo livro, “Sacred Modernity: The Holy Embrace of Modernist Architecture,” apresentando 139 fotografias desses edifícios impressionantes – feitos de escultura, engenharia e arquitetura tanto quanto estruturas criadas para um propósito espiritual.

Estes incluem os motivos triangulares de concreto do Templo Mariano di Monte Grisa, em Trieste, Itália, concluído em 1965; os interiores cavernosos e minimalistas da Christi Auferstehung Kirche em Colônia, Alemanha, concluída em 1970, e vistas aéreas da estrutura semelhante a um acordeão da Mehrzweckhalle der Schulschwestern em Graz, Áustria, concluída em 1979.

St. Paulus em Neuss, Alemanha, apresenta um telhado incomum, quase dobrado. Foi projetado por Fritz Schaller e terminou em 1970.
St. Paulus em Neuss, Alemanha, apresenta um telhado incomum, quase dobrado. Foi projetado por Fritz Schaller e terminou em 1970. / Jamie McGregor Smith via CNN Newsource

“As igrejas sempre tentam criar essa realidade alternativa, então quando você entra, aprecia o poder além da experiência cotidiana”, disse McGregor Smith, cujas fotografias do projeto também estão atualmente em exposição na TU Wien (Universidade de Tecnologia de Viena). “Você está quase entrando em uma realidade psicodélica.”

A instituição tradicional da igreja pode não parecer a parceira mais natural para a arquitetura modernista, no entanto, o impacto e o legado da Segunda Guerra Mundial fornecem um importante contexto social e histórico para a sua emergência. No Segundo Concílio do Vaticano, bispos de todo o mundo católico se reuniram na Cidade do Vaticano entre 1962 e 1965 e discutiram maneiras pelas quais a igreja poderia avançar para se adaptar a um mundo cada vez mais em mudança. Um dos temas foi o projeto arquitetônico da igreja.

“Tanto as igrejas católicas quanto as evangélicas queriam olhar para um futuro mais brilhante e otimista”, disse McGregor Smith. “Após o trauma da guerra, havia muitos jovens padres querendo trabalhar com os melhores e mais brilhantes arquitetos modernistas.”

Os resultados dessas colaborações têm algumas semelhanças, conforme McGregor Smith destaca no texto que acompanha suas fotografias. Muitas das igrejas fotografadas são construídas com, ou apresentam fortemente, concreto – tanto um material barato quanto um que os arquitetos estavam usando para experimentar e testar novos designs pioneiros.

“Os arquitetos estão usando a expressividade do concreto onde você pode criar formas e formas que nunca foram possíveis antes. Você pode puxar e empurrar o espaço para dentro e para fora de um quadro e criar uma realidade que nunca foi possível na arquitetura normal ou no design normal”, disse McGregor Smith.

A igreja católica romana do Santuário della Beata Vergine della Consolazione em San Marino, projetada por Giovanni Michelucci e concluída em 1967.
A igreja católica romana do Santuário della Beata Vergine della Consolazione em San Marino, projetada por Giovanni Michelucci e concluída em 1967. / Jamie McGregor Smith via CNN Newsource

“É isso que eu amo em muitos desses edifícios; o quão difíceis e irreais eles parecem. Isso, eu acho, é para levar as pessoas a esquecerem o dia a dia normal e apreciarem uma realidade além do que seus sentidos normalmente podem entregar.”

McGregor Smith se referiu à arquitetura apofática; a ideia de que a linguagem humana e os conceitos não podem capturar totalmente a grandeza de Deus, e assim era a tarefa do arquiteto usar a linguagem visual e o design para descrever o indescritível. O uso do espaço negativo, a brincadeira com luz e sombra e o senso de onisciência então desempenharam papéis importantes no design dessas igrejas.

E McGregor Smith, como fotógrafo, também enfrentou um desafio semelhante ao capturar esses espaços em câmera. “Todos, de certa forma, estão tentando expressar o inexprimível, ou tentando de alguma forma capturar um vislumbre de algo belo e poderoso que palavras normais não podem.”

Ao fotografar as igrejas que compõem o projeto “Sacred Modernity”, McGregor Smith lembrou como elas eram frequentemente silenciosas, sem grandes multidões ou congregações que costumavam ter.

A Igreja de Santa Maria Immacolata de Giovanni Michelucci em Longarone, Itália, foi criada a partir de concreto não tratado.
A Igreja de Santa Maria Immacolata de Giovanni Michelucci em Longarone, Itália, foi criada a partir de concreto não tratado. / Jamie McGregor Smith via CNN Newsource

“Gostei de fotografar a calma vazia desses lugares. Para mim, é uma pena que esses ícones arquitetônicos maravilhosos sejam realmente subvalorizados e desabitados”, disse McGregor Smith, acrescentando que muitas vezes comparecia ao final da missa, sem mais ninguém presente.

“Este período de design foi uma forma de trazer as pessoas de volta à igreja e reformar sua imagem. Agora estamos em uma posição em que essas igrejas estão na maioria das vezes vazias.”

Em uma Europa cada vez mais secularizada, então, as igrejas de “Sacred Modernity” refletem o passado, o presente e o futuro da instituição de uma só vez. Para McGregor Smith, esses espaços apresentam possibilidades de envolver as sociedades de maneiras diferentes – com religião, com design e uns com os outros.

Mas, assim como a própria emergência das igrejas modernistas do pós-guerra, isso requer adaptação. “A religião, por natureza, é consciente da moda. A igreja sempre tem que estar atualizada, caso contrário, os paroquianos a abandonarão.”