Novidade no Rio, Balcão leva comida de rua israelense a Copacabana

Restaurante foi aberto por israelense que se apaixonou pelo Brasil há 12 anos; Chef Rodrigo San'tanna, da Birosca, faz parte da sociedade e comanda a cozinha

Restaurante Balcão, em Copacabana, tem a proposta de servir comida de rua do Oriente Médio
Restaurante Balcão, em Copacabana, tem a proposta de servir comida de rua do Oriente Médio Tomas Rangel

Daniela Caravaggido Viagem & Gastronomia Rio de Janeiro, RJ

Quem andar por Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, especificamente pela rua Francisco Otaviano, encontrará uma novidade em sua esquina com a Raul Pompeia que passa longe de ser apenas gastronômica. O Balcão, restaurante israelense que traz no nome exatamente sua proposta – um balcão simples com cinco banquetas distribuídas em sua extensão -, tem muita história, sonhos e cultura por trás de sua inauguração, que aconteceu em outubro deste ano.

A história

Zion Fadlon encabeça os nomes do novo espaço. Encantado pelo Brasil, o israelense apaixonado por comida de rua do Oriente Médio decidiu que o Rio de Janeiro seria sua casa há 12 anos. Chegou para ficar três meses e está até hoje, com uma esposa argentina e uma filha “carioca da gema”.

Após ficar um ano e meio morando em hostels na cidade, sentiu a carência de algo melhor para quem buscasse o serviço. Assim, resolveu planejar e inaugurar o primeiro “hostel boutique” do Rio em 2012, o Discovery, na Glória.

Ao longo dos anos, depois de muito sucesso com o primeiro empreendimento, começou a desenvolver o sonho de ter seu primeiro restaurante na Cidade Maravilhosa. Queria atrelar comida de qualidade a preço acessível, algo que também sentiu falta em seus anos como residente do Rio. Abriu o Explorer Bar e Restaurante, em Santa Teresa, que também caminha muito bem até hoje.

Ano passado os dois sócios de Zion nos projetos, uma americana e um chileno, resolveram vender suas partes. A vida colocou outros dois em seu caminho: o francês Marin Lesot, ex-banqueiro de investimentos especializado em novas tecnologias, e o chef de cozinha de São Gonçalo Rodrigo Sant’ Anna, com passagens em restaurantes renomados, como Aprazível, e comandante da Birosca, também em Santa Teresa.

Francês Marin Lesot, brasileiro Rodrigo Sant’ Anna e israelense Zion são os sócios do Grupo Gema, que tem o Balcão como um dos empreendimentos / Tomas Rangel

Leia Mais:

 

Mais um sonho

Esse encontro aconteceu bem na época em que o empreendedor queria colocar em prática um outro sonho antigo: abrir um balcão para servir comida de rua israelense. Zion já havia trabalhado em restaurantes em todas as funções em seu país e sabia exatamente como gostaria de aplicar suas vontades.

“Minha paixão de verdade é comida de rua. Sempre que viajo gosto de comer exatamente pelas ruas, e a comida do Oriente Médio, para mim, é a melhor do mundo. Uma comida verdadeira, nada com muita sofisticação, mas que dá muita satisfação, no melhor estilo comfort food“, ressalta.

“Nós três nos juntamos, cada um com sua visão, e decidimos abrir o Balcão. A ideia é atender o estilo de vida carioca, que adora ficar conversando, comendo e bebendo na rua. Queria fazer algo com muita paixão e nós três temos esse perfil”, completa.

Zion e Rodrigo, então, resolveram fazer os testes do cardápio. Com receitas de família e amigos, o israelense era o termômetro para entender se aquela comida o levava de volta a Tel Aviv, sua cidade natal. E o resultado foi surpreendente.

“Começamos a fazer os testes nas nossas cozinhas. Estávamos muito animados com o projeto. Peguei livros de receitas de família e o Rodrigo começou a desenvolver. Eu experimentava e fazia as correções para o sabor ser o mais autêntico possível. Fiquei muito feliz com o resultado. Não imaginava que poderia ser tão próximo do original. Quem for ao balcão encontrará os verdadeiros sabores de Israel. A cada dia que passa trabalhamos para nos aproximar ainda mais do que é encontrado por lá”, enfatiza.

Rodrigo Sant’ Anna, por sua vez, é um chef com mais de 20 anos de experiência. Passou por renomadas cozinhas e tem vasta experiência como chef consultor. Ficou feliz e animado com o projeto. Não era familiarizado com o tipo de cozinha e também comemora o resultado do ousado projeto.

“No dia em que me reuni com o Zion e o Marin, ouvi atentamente, mas não duvidei em nenhum momento do projeto. Parecia que já estava sentindo o potencial da ideia. Está sendo muito incrível fazer tudo isso. O cardápio é resultado de muita pesquisa, laboratório e testes”, ressalta.

Pratos servidos no ‘Balcão’ são inspirados em receitas de amigos e família de Zion Fadlon. Kebab é uma delas / Tomas Rangel

O que o cliente encontrará no Balcão? Cultura e gastronomia

Sem cerimônia e com espírito jovem, a casa ocupa um charmoso espaço na esquina das ruas Francisco Otaviano e Raul Pompeia. Ela busca trazer a experiência de comida de rua do Oriente Médio, representada por especiarias e temperos. O protagonista é o pão pita. Localizado do lado de um hostel israelense, já conquistou a clientela formada grande parte por estrangeiros.

Assim como nos mercados de rua, inspirados também no Mercado Mahane Yehuda, em Jerusalém, a experiência começa literalmente no balcão, onde o cliente escolhe seu pedido e acompanha de perto o preparo da receita.

No menu, receitas no pão pita como o Chapawarma, versão Balcão feita na chapa do tradicional shawarma, preparado com finas tiras de carne temperadas com páprica defumada, acompanhadas de salada de repolho com tomate, cebola, e molho (R$ 16); o clássico Kebab de Origem Romeno, muito parecido com kafta feito com carne bovina assada na grelha, acompanhada de tomate e cebola roxa com sumagre  (R$ 27); o Frango com Quiabo, com sobrecoxa defumada, hummus, salada e picles de quiabo da casa (R$ 18); o Smashzinho, preparado com paleta bovina, picles de pepino da casa, queijo coalho, salada e aioli de alho (R$ 27), entre outras delícias.

Couve-Flor assada inteira, preparada com azeite, tahini e sal, receita de amigos e família de Zion / Tomas Rangel

Na ala dos vegetarianos, o Pita Falafel são os conhecidos bolinhos fritos de grão de bico com especiarias. Eles são servidos com picles de pepino da casa e salada israelense (R$ 25)

Outra opção é o Sabich (R$ 25), sanduíche israelense, com berinjela assada, ovo cozido, repolho roxo, salada israelense, salsa, tahine, hummus e molho amba – originário do Sul da Índia, que se espalhou pela rota dos mercadores do mar ate chegar a culinária Iraquiana e se popularizar.

Chapawarma -tradicional shawarma, preparado com finas tiras de carne temperadas com páprica defumada, acompanhadas de salada de repolho com tomate, cebola, e molho; o clássico Kebab de Origem Romeno /

Para beliscar e pedir em porções, Couve-Flor assada inteira, preparada com azeite, tahini e sal (R$ 28); Batata Bolinha Frita, com raspas de limão siciliano, oregano e sal (R$ 12) e Batata Bolinha em Conserva, com louro, alho, salsa e pimenta de calabresa (R$ 12). O hummus também pode ser pedido separadamente, acompanhado de pão pita, azeite, especiarias e salsa.

Para beber a aposta pode ser na Soda de Romã (R$ 10), bem supersticiosa e tradicional no Oriente Médio, e a Soda de Limão (R$ 10), além de refrigerantes e cerveja.

O hummus do Balcão vem acompanhado de pão pita, azeite, especiarias e salsa / Tomas Rangel

Lá, o cliente poderá fazer uma breve viagem a Israel, inclusive ouvindo músicas típicas do local.

Balcão: Rua Francisco Otaviano, 52 – Copacabana – Rio de Janeiro – RJ / Horário de funcionamento: terça a domingo, das 12h às 21h.