Argentina: caminho entre Salta e Cafayate tem rotas pitorescas, vinícolas e hotéis de charme

Cenários desérticos guardam atrações turísticas naturais que parecem de outro mundo; vinhos também ganham destaque

Daniela Filomenodo Viagem & Gastronomia Salta, Argentina

O norte da Argentina é uma terra de beleza natural incomparável que carrega uma rica história. Mas além das colinas coloridas e dos vilarejos pitorescos de Jujuy, com direito a patrimônio mundial da Unesco, a província de Salta é também daqueles territórios que merecem constar em seu roteiro pelo país.

Marcada por cenários desérticos e por uma terra avermelhada, a região é campo fértil para interessantes vinícolas, que produzem vinhos de altitude e que possuem nomes reconhecidos em todo o país e no mundo, assim como hotéis de charme de poucos quartos e atrações turísticas naturais que parecem de outro planeta.

Para além da capital, que recebe o mesmo nome da província e reúne mais de um milhão de habitantes, é pelas rotas que cruzam este território, mais especificamente a Rota 40 e a Rota 68, que podemos ter um verdadeiro gosto do charme e das paisagens cenográficas que Salta nos reserva.

É pela Rota 68, inclusive, que saímos da capital Salta e chegamos até Cafayate, expoente na produção de vinhos de grandes altitudes. Para além do destino, porém, é o caminho que nos aguarda com paradas surpreendentes.

Assim, mesmo que sua chegada seja pelo Aeroporto Internacional de Salta e você decida ficar alguns dias pela capital da província, como fiz para as gravações do CNN Viagem & Gastronomia, o indicado é alugar um carro ou ter um veículo à disposição para percorrer a região de modo a conhecer suas maravilhas.

E claro: não deixe de experimentar as típicas empanadas salteñas pelo caminho!

Passeios imperdíveis pelas rotas:

Rota 68: de Salta a Cafayate

Daniela Filomeno na pitoresca Rota 68, que liga Salta a Cafayate / CNN Viagem & Gastronomia

A Rota Nacional 68 é, antes de qualquer coisa, uma rota cênica: é repleta de paisagens desérticas de areia vermelha preenchidas por formações geológicas impressionantes e por comunidades indígenas.

Ela liga Salta a Cafayate e se estende por cerca de 190 km. Se a fome bater no caminho, vale a parada na Posta de las Cabras, local simples à beira da estrada no km 88 que nos abastece com empanadas, sopas e docinhos diversos.

Antes de chegar ao destino final, também são imperdíveis algumas paradas turísticas pelo percurso. Logo entramos em uma região chamada de Quebrada de Las Conchas, que nos presenteia com uma força da natureza admirável, com paredões rochosos de cores diversas esculpidos com a ajuda do tempo.

Confira paradinhas imperdíveis na Quebrada de las Conchas, na Rota 68:

  • Garganta del Diablo: é uma grande fenda aberta em meio a uma das montanhas da região que revela imponentes paredões rochosos avermelhados. Eles somam dezenas de metros de altura e a formação se abre como um corredor em que podemos andar e admirar todo o entorno;
  • El Anfiteatro: é um dos símbolos da Rota 68 e daquelas paradas obrigatórias, já que é um local único no mundo. O nome “anfiteatro” diz tudo: é uma grandiosa abertura entre as montanhas que causa um curioso efeito acústico. Ao longo de milhões de anos a água foi penetrando nos poros das pedras e fendas, fazendo com que se desgastassem e resultassem neste formato singular com a ajuda dos paredões altíssimos de cores diferentes;
  • Tres Cruces: as vistas panorâmicas de Tres Cruces são daquelas que nos arrancam um sincero “uau”. O local é um mirante que nos permite ter uma visão privilegiada para todo o vale, com direito a montanhas cortadas pelas águas do Rio de Las Conchas.

Já mais próximo de Cafayate, no km 7, vale outra paradinha gastronômica, o Milla 7, que serve comida regional com direito às clássicas empanadas, chorizo de porco caramelizado e locro, típico ensopado de abóbora, feijão e milho, acompanhados de vinho – o restaurante é também rodeado por uma parcela de vinhas em meio a um cenário desértico. Fica no km 7 e abre de segunda-feira a domingo para o almoço, das 12h às 16h.

Rota 40: a mais longa do país

Margeando a Cordilheira dos Andes, a Rota 40 é a mais longa da Argentina, já que liga o norte ao sul do país. Os mais de 5,3 mil km de extensão nos possibilita passar por 11 províncias, incluindo Salta.

  • Quebrada de las Flechas

Por aqui, a aproximadamente 80 km de Cafayate, a estrada atravessa o Vale Calchaquíes e guarda o Monumento Natural de Angastaco, mais conhecido como Quebrada de las Flechas.

A quebrada é formada por rochas gigantes e inclinadas, que se projetam da terra e são “afiadas” pela erosão do vento, trazendo um aspecto de flechas ou lâminas. São paredões e desfiladeiros de até 20 metros de altura, cercados por montanhas pré-históricas com formações com 20 milhões de anos.

A dica é subir até o primeiro mirante antes do vilarejo de Angastaco para entender a dimensão.

  • Museu James Turrell – Bodega Colomé


No Vale Calchaquí, na pequena cidade de Molinos, a Bodega Colomé é uma das pioneiras na arte dos vinhos de altitude que vale a visita. Mas além de toda sua antiga ligação com as uvas, a vinícola também se destaca pela arte.

Isso fica mais claro com o Museu James Turrell, o único do mundo dedicado inteiramente ao trabalho do artista californiano. Donald Hess, dono da Colomé, era também colecionador de arte e apaixonado pelas obras do artista, as quais são verdadeiras instalações que mexem com luz e espaço.

Dentro do museu podemos desvendar mais de mil metros quadrados divididos em nove ambientes. As duas principais obras foram especialmente comissionadas para o museu, em que a mais emblemática, chamada de “Unseen Blue”, é uma espécie de átrio romano com abertura no teto para o céu que mistura jogo luz artificial criando efeitos incríveis.

A visita guiada ao museu sai a partir de 14.100 pesos argentinos, cerca de R$ 195, e é combinada com degustação de rótulos. Também é possível almoçar na vinícola, a qual possui ainda um hotel boutique, a Estancia Colomé, com nove quartos com varandas privativas.

Bônus: Trem para as nuvens

Trem a las Nubes chega a atingir uma altitude de 4.200 metros acima do nível do mar / Wikimedia Commons

O Tren a las Nubes é uma das principais atrações turísticas do norte da Argentina. O nome faz uma referência a sua altitude: ele passa por um dos trajetos mais altos do mundo, a 4.200 metros acima do nível do mar.

O ponto de partida é em San Antonio de los Cobres, a 160 km da capital Salta, e o retorno é no mesmo local. A viagem toda, incluindo ida e volta, dura cerca de duas horas e passa por cenários desérticos.

Após cerca de uma hora depois da partida chega-se no que é o ápice do passeio, o Viaduto La Polvorilla, a mais de 60 metros acima do chão, onde muitos colocam a cabeça para fora do trem e fazem suas fotos e selfies lá de cima.

Os preços para a atração mudam conforme a data e é possível combinar o passeio com ônibus que saem e voltam para Salta.

Vinícolas e vinhos de altitude

  • Bodega El Porvenir (Cafayate)

Daniela Filomeno nas vinhas do vinhedo Alto Los Cuises, da El Porvenir / CNN Viagem & Gastronomia

A El Porvenir é um dos nomes proeminentes de Salta quando falamos em vinhos de altitude, já que aqui as vinhas se encontram a mais de dois mil metros acima do nível do mar.

Em resumo, os solos pobres, os dias quentes e as noites frescas permitem que as uvas sejam bastante concentradas.

A vinícola fica em Cafayate e é possível visitá-la e saber mais da elaboração dos vinhos, assim como fazer degustações, desfrutar de almoços de comida regional e marcar um piquenique nos vinhedos.

Por falar neles, um dos mais especiais da vinícola é chamado de Alto Los Cuises. É um vinhedo único, no pé da cordilheira, com vinhos naturais e que busca traduzir o máximo deste terroir.

Digo que é um dos vinhedos mais diferentes que já vi: fica entre cactos, árvores, palmeiras dos tempos dos espanhóis, em um solo arenoso, fértil e com a incidência solar protegida pela costa a mais de dois mil metros de altitude.

Bodega El Porvenir: Córdoba 32 (CP4427), Cafayate, Salta, Argentina / Tel.: +54 386 842 2007 / Horário de funcionamento: segunda a domingo, das 9h às 13h e das 15h às 18h / Consulte mais informações aqui

  • Bodega Colomé (Molinos)


Na pequena Molinos, a Colomé se destaca como uma joia em meio aos cenários fascinantes dos Andes. Além do Museu James Turrell, que citei acima junto aos passeios pelas redondezas da Rota 40, a vinícola abre suas portas para visitas, degustações e hotel boutique com nove quartos.

Vinícola em produção contínua mais antiga da Argentina, datada de 1831, a Colomé pertencia desde 2001 a Donald Hess e sua mulher, Úrsula. Hoje nas mãos da segunda geração da família, a vinícola continua com os trabalhos em vinhedos de altitude, que chegam a mais de três mil metros acima do nível do mar.

Malbec, Pinot Noir, Sauvignon Blanc, Cabernet Sauvignon, Tannat, Torrontés, Bonarda e Syrah são as castas usadas nos vinhos da casa.

Além de degustação com visita guiada ao museu, é possível fazer outros tipos de degustações assim como aproveitar um almoço com pratos típicos e ingredientes orgânicos da propriedade.

Bodega Colomé: Ruta Prov. 53 Km 20, Molinos 4419, Salta, Argentina / Whatsapp: +54 9 387 5030052 / Cosulte horários e preços aqui

  • Bodega San Pedro de Yacochuya (Cafayate)

A vinícola Yacochuya está a mais de dois mil metros de altitude e pertence a uma família tradicional no cultivo de uvas, a Etchart. Hoje, a bodega é liderada por Marcos Etchart, que comanda os 30 hectares plantados com uvas Malbec, Cabernet Sauvignon, Tannat, Cabernet Franc e Torrontés.

Com a incidência solar e os aspectos desérticos e de altitude da região, as uvas nascem com uma casca grossa e são bastante concentradas, o que ajuda na elaboração de vinhos tintos potentes, com corpo e cor.

O local também tem visitas guiadas gratuitas e oferece ainda degustações a um preço sob consulta, assim como almoços para grupos a partir de 10 pessoas.

Bodega Yacochuya: Ruta Prov. Nº 2 km 6, Cafayate, Salta, Argentina (a 8 km da praça principal de Cafayate) / WhatsApp: +549 387 459 4684 / Horário de funcionamento: segunda a sexta, das 10h às 17h40; sábado, das 10h à 13h; feriados e fins de semana sob consulta.

Onde ficar em Salta e Cafayate

  • House of Jasmines (Salta)

A apenas 4 km do aeroporto de Salta, aos pés da Cordilheira dos Andes, podemos nos hospedar em uma estância de estilo colonial com decoração charmosa e elegante que guarda uma história de 150 anos.

O House of Jasmines é um hotel Relais & Châteaux que nos recebe com apenas 14 suítes, muitas delas em casinhas espalhadas pela propriedade de 100 hectares.

Além do charme salteño por todos os lados, é na cozinha também que nos deliciamos: o restaurante La Table de House of Jasmines tem produtos frescos da horta e coloca à mesa pratos locais com carnes argentinas harmonizadas com vinhos locais. E de quebra é possível aprender a fazer empanadas típicas com o chef Diego Fernandez, que eleva ingredientes andinos a refeições caprichadas.

Para ajudar no clima de descontração e relaxamento, um centro wellness com direito a spa e piscina externa estão à nossa disposição.

House of Jasmines: Ruta Nacional N 51 km 6, La Merced Chica, Salta, Argentina / WhatsApp : + 54 9 2614 90 2339 / Consulte mais informações aqui

  • El Porvenir, Finca El Retiro (Cafayate)

Casa vinícola da El Porvenir tem casa principal e ainda opção de estúdio e suíte / Reprodução/Site El Porvenir

Imagine ficar hospedado em uma casa de família em meio às vinhas e ainda estar rodeado pela beleza natural de um cenário montanhoso. Assim é a hospedagem na Finca El Retiro, da vinícola El Porvenir.

A poucas quadras da praça principal de Cafayate, uma grande casa familiar nos abre as portas para uma vivência íntima e sofisticada. É possível reservar uma moradia inteira, a Casa Vinha, que se espalha por 125 m² com três quartos, dois banheiros, cozinha, sala de estar e sala de jantar.

É só abrir a porta para pisar em um extenso gramado ao lado de um vinhedo com direito ainda a piscina.

Se não quiser uma casinha completa, há ainda a opção de estúdio privado com 75 m² ou ainda a hospedagem em um quarto deluxe dentro da casa principal com 25 m² com vista para as vinhas.

É um charme só e, claro, o local nos remete à interessante história e qualidade da vinícola El Porvenir.

El Porvenir – Finca El Retiro: Belgrano, A4427 Cafayate, Salta, Argentina / Tel.: +54 9 387 218 3071 / Consulte mais informações aqui

  • Finca El Recreo (Cafayate)

No coração do Vale de Calchaquí, em uma das saídas da Rota 40, está o hotel da Finca El Recreo, propriedade de influência do estilo renascentista que data do século 19 e hoje possui 12 quartos com direito a uma piscina ao ar livre rodeada por árvores centenárias.

As vistas são rodeadas pelas vinhas do local, já que a finca também é produtora de vinho, em que podemos ver de perto as uvas e sua produção.

A finca, também conhecida como Finca Quara, foi uma das que marcou a reativação do trabalho vitivinícola nesta parte da Argentina a partir da década de 1990.

Hoje, além de nos hospedar, o local pitoresco recebe também eventos diversos ao longo do ano, como celebrações e festas de casamentos.

Finca El Recreo: Ruta 40 Km 4340, A4427 Cafayate, Salta, Argentina / Tel.: +54 9 3868638163 / Consulte mais informações aqui