Guia Salvador: o que visitar, onde comer e onde ficar na capital da Bahia

Primeira capital do país, Salvador é recheada de história, sabores únicos e hospedagens com vistas incríveis para o mar; confira dicas para montar seu roteiro

Daniela Filomenodo Viagem & Gastronomia Salvador, Bahia

É inegável que a Bahia possui um axé próprio. E é na capital do estado, Salvador, que podemos sentir e entender toda essa energia poderosa de perto, a qual nos inebria com seus sabores, seus pontos históricos e suas hospedagens únicas. Primeira capital do país, Salvador é um ambiente inigualável onde literatura, religiosidade e heranças afro-brasileiras andam lado a lado.

O centro histórico é um resumo de tudo isso: com construções coloridas que datam do século 16, a impressão é a de viajarmos no tempo, mas também a de olharmos para um presente inspirador, em que sinos de igrejas barrocas se misturam aos tambores do Olodum.

Figurinha carimbada entre os destinos nacionais mais visados pelos viajantes nacionais, seja para o verão, para o Carnaval ou para feriados prolongados, Salvador é sempre uma boa ideia, tanto é que a cidade é um dos destinos brasileiros mais especiais da 6ª temporada do CNN Viagem & Gastronomia.

Para o programa, fiz um giro histórico por pontos turísticos que contam um pouco mais da nossa história, assim como fugi do óbvio em passeios surpreendentes pela casa de Jorge Amado e na Ilha dos Frades.

História ainda é o que motiva a saborosa gastronomia local, em que, por meio de heranças baianas e influência afro-brasileira, ricos ingredientes são transformados em receitas apetitosas por mãos habilidosas – pense em restaurantes de menu-degustação até barraquinhas na praça que vendem os melhores acarajés que podemos experimentar.

Com tudo isso, deixo abaixo links com matérias sobre o que fazer, onde comer e onde ficar em Salvador para te auxiliar na hora de montar o roteiro. Axé!

O que visitar em Salvador:

Onde comer em Salvador:

Onde ficar em Salvador:

Dicas úteis para sua viagem a Salvador

Daniela Filomeno no jardim da Casa do Rio Vermelho, que foi moradia de Jorge Amado / CNN Viagem & Gastronomia

Como chegar?

Uma das maiores cidades do Nordeste, a principal porta de entrada para Salvador é o Aeroporto Internacional de Salvador, distante cerca de 25 km do Pelourinho, por exemplo, já quase na divisa com a cidade de Lauro de Freitas.

O aeroporto recebe voos diários das principais capitais e cidades brasileiras, a exemplo de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Vitória, João Pessoa, Recife, Fortaleza, Natal, Campinas e Vitória da Conquista. Empresas aéreas internacionais também operam voos no aeroporto, a exemplo da argentina Aerolíneas Argentinas, da portuguesa Tap e da espanhola Air Europa.

Pela via terrestre, a cidade também é servida pelo Terminal Rodoviário de Salvador, distante cerca de 8 km do Pelourinho.

Como se locomover?

Caso esteja hospedado perto do centro histórico, o ideal é percorrer a região a pé, já que muitas das atrações e restaurantes ficam concentradas neste pedaço superturístico e imperdível da cidade.

Para outras locomoções mais distantes, assim como para a saída e a chegada do aeroporto, aplicativos de transporte particular, como Uber, são boa opção na cidade, assim como há oferta de táxis.

Vale lembrar que lanchas e ferryboats são transportes comuns na capital baiana para destinos nas redondezas, a exemplo da Ilha dos Frades, a cerca de meia hora pela via marítima, assim como o Morro de São Paulo e ainda a Ilha de Itaparica.

O Terminal Marítimo Turístico de Salvador, pertinho do Mercado Modelo, tem embarcações que levam turistas e moradores para os três locais acima.

Quando ir?

Salvador fica enérgica entre dezembro e fevereiro, período em que o verão paira no ar, as chuvas são poucas e o agito toma conta da cidade, principalmente em janeiro, pré-carnaval, e em fevereiro, já na época do Carnaval.

É durante estes meses também que ocorrem várias das festas populares de Salvador, começando pela Festa de Santa Bárbara em 4 de dezembro, passando ainda pela festa de Bom Jesus dos Navegantes em 1º de janeiro e pela Lavagem da Igreja do Senhor do Bonfim na quinta-feira depois do Dia de Reis, Dia de Iemanjá, em 2 de fevereiro, e, claro, o Carnaval mais famoso do país, para citar alguns exemplos.

Dias de sol também saem facilmente na baixa temporada, entre setembro, outubro e novembro. Já os meses de abril e maio se mostram mais chuvosos, época a ser evitada caso não queira se molhar ou tampouco indicada para aproveitar as praias.

Vale lembrar que a capital sempre fica na lista de destinos bastante visados para viagens em feriados prolongados e, claro, recebe grande quantidade de viajantes no Réveillon e Carnaval.

Quantos dias ficar?

Depende do tipo de viagem. É possível conhecer vários dos principais pontos da cidade em dois dias inteiros, mas caso queira estender o passeio para outros locais nos arredores, como praias e ilhas, três dias inteiros são mais recomendados.

E é claro que, se deseja fazer um roteiro balanceado e sem pressa, com praias, pontos culturais e restaurantes dos mais diversos, assim como aproveitar rooftops (como do Fera e do Fasano), a dica é ampliar a estadia na cidade para quatro ou cinco dias inteiros.

E lembre-se que o Pelourinho, ponto que você não pode deixar de visitar, possui agenda mais agitada às terças-feiras.