O que fazer em Salta: 7 passeios na pitoresca província argentina

Além da capital, caminho para Cafayate surpreende pelas atrações naturais; confira programas que devem estar no seu roteiro

CNN Viagem & Gastronomiado Viagem & Gastronomia Salta, Argentina

Salta é uma das províncias mais fascinantes da Argentina. A região se destaca por cenários desérticos e paradinhas turísticas naturais que parecem ter saído de outro planeta.

A cidade é porta de entrada para as maravilhas da região e recebe voos diretos de São Paulo. Além da capital, merece estar no roteiro a cidade de Cafayate, terra fértil para vinhos de grandes altitude e paisagens pitorescas.

O caminho entre as duas cidades, inclusive, é feito pela Rota 68, com atrações que não podem ficar de fora do roteiro.

Confira 7 passeios imperdíveis na região de Salta: 

  • Centro Histórico de Salta
  • Garganta del Diablo
  • El Anfiteatro
  • Tres Cruces
  • Quebrada de las Flechas
  • Museu James Turrell
  • Tren a las Nubes

 

Conhecer o centro de Salta

A cidade de Salta foi fundada pelos espanhóis em 1582 e, no passado, fazia parte do caminho do ouro que vinha do Peru e da Bolívia. Hoje conseguimos vivenciar essa história com um giro pelo centro histórico, recheado de fachadas coloniais preservadas.

A Plaza 9 de Julio é um bom começo, já que ela é rodeada por edifícios históricos em estilo colonial e barroco. A Catedral de Salta é uma destas construções, em que foi erguida no século 19, tem arquitetura barroca e é um monumento histórico nacional.

Do outro lado da praça fica o antigo Cabildo, edifício colonial que data do século 17 que abrigou a sede das autoridades regionais até o século 19. O edifício atual remete a 1780 e hoje o local abriga o Museo Histórico del Norte, que possui obras de arte sacra e mobiliário litúrgico.

Outra igreja emblemática é a Basílica e Convento de São Francisco, a poucos metros da praça central. A atual construção é do século 18 e se destaca pelo estilo italiano com cores terracota. O campanário é um dos mais altos da América do Sul, com 54 metros, e o local abriga ainda restaurante e museu.

Paradinhas na Rota 68

Daniela Filomeno na pitoresca Rota 68, que liga Salta a Cafayate / CNN Viagem & Gastronomia

A Rota Nacional 68 liga Salta a Cafayate por cerca de 190 km e abrange paisagens desérticas de areia vermelha, formações geológicas impressionantes e comunidades indígenas.

Algumas paradas são imperdíveis pelo percurso, principalmente na área de Quebrada de Las Conchas. As paradinhas obrigatórias são atrações da região:

  • Garganta del Diablo: é uma grande fenda aberta em meio a uma das montanhas da região que revela imponentes paredões rochosos avermelhados. Eles somam dezenas de metros de altura e a formação se abre como um corredor em que podemos andar e admirar todo o entorno;
  • El Anfiteatro: é um dos símbolos da Rota 68. O nome “anfiteatro” diz tudo: é uma grandiosa abertura entre as montanhas que causa um curioso efeito acústico semelhante ao Teatro Colón, em Buenos Aires. Ao longo de milhões de anos a água foi penetrando nos poros das pedras e fendas, fazendo com que se desgastassem e resultassem neste formato singular.
  • Tres Cruces: as vistas panorâmicas de Tres Cruces são daquelas que nos arrancam um “uau”. O local é um mirante que nos permite ter uma visão privilegiada para o vale, com direito a montanhas cortadas pelas águas do Rio de Las Conchas.

Quebrada de las Flechas

Quebrada de las Flechas é formada por rochas gigantes de aspecto afiado / Wikimedia Commons

A aproximadamente 80 km de Cafayate, a Rota 40, a mais longa da Argentina, com 5,3 mil km de extensão, guarda o Monumento Natural de Angastaco, mais conhecido como Quebrada de las Flechas.

O local é formado por rochas gigantes e inclinadas, que se projetam da terra e são “afiadas” pela erosão do vento, trazendo um aspecto de flechas. São paredões e desfiladeiros de até 20 metros de altura cercados por montanhas pré-históricas com formações com 20 milhões de anos.

Museu James Turrell


No Vale Calchaquí, na pequena cidade de Molinos, a Bodega Colomé é uma das pioneiras na produção dos vinhos de altitude. Além da ligação com as uvas, a vinícola também se destaca pela arte: ela é lar do Museu James Turrell, único do mundo dedicado inteiramente ao trabalho do artista californiano James Turrell.

São mais de mil metros quadrados divididos em nove ambientes que mexem com conceitos de luz e espaço. As duas principais obras foram especialmente comissionadas para o museu. A mais emblemática é a “Unseen Blue”, espécie de átrio romano com abertura para o céu.

A visita guiada ao museu sai a partir de 14.100 pesos argentinos, cerca de R$ 195, e é combinada com degustação de rótulos. Também é possível almoçar na vinícola, a qual possui ainda um hotel boutique.

Tren a las Nubes

Trem nas nuvens chega a 4.200 metros acima do nível do mar / Wikimedia Commons

O Tren a las Nubes é uma das principais atrações turísticas do norte da Argentina. O nome faz uma referência a sua altitude: ele passa por um dos trajetos mais altos do mundo, a 4.200 metros acima do nível do mar.

O ponto de ida e volta é San Antonio de los Cobres, a 160 km de Salta. A viagem inteira dura cerca de duas horas e passa por cenários desérticos. O ápice do passeio é o Viaduto La Polvorilla, a mais de 60 metros acima do chão, onde muitos colocam a cabeça para fora do trem e fazem fotos e selfies lá de cima.

Os preços para a atração mudam conforme a data e é possível combinar o passeio com ônibus que saem e voltam para Salta.