Elon Musk faz apelo à Vale: 'produzam mais níquel' para as baterias da Tesla


Do CNN Brasil Business, em São Paulo
24 de julho de 2020 às 12:47 | Atualizado 24 de julho de 2020 às 17:44

O presidente-executivo da Tesla, Elon Musk, fez um apelo inusitado: quer que mineradoras como a brasileira Vale produzam mais níquel. A razão? O metal é uma matéria-prima fundamental para a produção de baterias que alimentam seus carros elétricos. Segundo o visionário empreendedor, o custo do componente ainda segue como um grande obstáculo para o crescimento da empresa.

"A Tesla lhes dará um contrato gigante por um longo período se vocês produzirem níquel de maneira eficiente e ambientalmente correta", disse Musk em teleconferência de resultados da Tesla.

Há três grandes fornecedores no mundo: a Vale, em suas minas no Canadá incorporadas com a aquisição da Inco em 2006, a russa Norilsk Nickel e a australiana BHP.

Leia também:
Nikola, Rivian: as startups de carros elétricos que querem encarar a Tesla
Elon Musk cala os críticos: Tesla registra quarto trimestre seguido de lucro
Tesla brasileira? Marca nordestina de motos elétricas, Voltz chega a São Paulo

O níquel torna as baterias mais densas, capazes de armazenar mais energia, e a Tesla precisa do metal mais do que nunca, uma vez que está buscando aumentar a produção de picapes e projetos de energia solar que usam muito níquel.

O pedido de Musk por mais níquel ocorre em um momento em que os preços de materiais usados em baterias despencou.

Apesar do apelo de Musk, analistas do setor afirmam que os volumes de que a Tesla vai precisar provavalmente não vão ser suficientes para convencer as mineradoras a investir em aumento de produção.

Atualmente, a Tesla compra baterias de níquel-cobalto-manganês (NCM) da sul-coreana LG Chem e baterias de níquel-cobaldo-alumínio (NCA) da japonesa Panasonic.

Estas fabricantes compram níquel indiretamente de mineradoras em uma longa cadeia de fornecimento.

O níquel atingiu em março a sua menor cotação em 14 meses, negociado a US$ 10.865 a tonelada; desde então, apesar da pandemia do novo coronavírus, os preços internacionais do metal subiram para US$ 13.180.

Apesar da valorização de 21%, a cotação ainda está 30% abaixo do pico dos últimos cinco anos.

"O limitador real do crescimento da Tesla é produção das células de baterias a preços acessíveis", disse Musk. A Tesla deve revelar avanços tecnológicos no evento "Dia da Bateria", em setembro.

(Com a Reuters)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook