Fed decide manter taxa de juros nos Estados Unidos inalterada entre 0 e 0,25%


CNN Brasil Business*, em São Paulo
16 de setembro de 2020 às 15:34 | Atualizado 16 de setembro de 2020 às 17:11
Chaiman do Federal Reserve, Jerome Powell, chega para entrevista coletiva em Was

Chaiman do Federal Reserve, Jerome Powell: deve ser mantido o ritmo de compras pelo Fed de títulos do Tesouro e de outros ativos financeiros vinculados a hipotecas

Foto: Kevin Lamarque/Reuters

O banco central americano (Federal Reserve) anunciou que manteve a taxa de juros dos Estados Unidos inalterada entre 0 e 0,25%. De acordo com comunicado divulgado nesta quarta-feira (16), o foco da autoridade monetária é apoiar a economia neste momento desafiador, promovendo assim suas metas de emprego máximo e estabilidade de preços. "A atividade econômica e o emprego aumentaram nos últimos meses, mas permanecem bem abaixo dos níveis do início do ano."

Segundo o Fed, a demanda mais fraca e os preços do petróleo significativamente mais baixos estão mantendo a inflação controlada. "As condições financeiras gerais melhoraram nos últimos meses, em parte refletindo medidas de política para apoiar a economia e o fluxo de crédito para famílias e empresas dos EUA."

Leia também:
Renda fixa: como investir às vésperas da reunião do Copom que pode cortar juros?
BC não cortará juros antes de adaptação do setor financeiro a novo cenário

A trajetória da economia, no entanto, dependerá significativamente do curso do vírus. "A atual crise de saúde pública continuará a pesar sobre a atividade econômica, o emprego e a inflação no curto prazo e apresenta riscos consideráveis para as perspectivas econômicas no médio prazo", diz o comunicado.

Em entrevista coletiva após o anúncio do Fed, Jerome Powell, presidente da autoridade monetária, disse que a atividade econômica está melhorando desde o segundo trimestre, o que levou os gastos das famílias a recuperarem três quartos do declínio registrado neste ano devido à pandemia do coronavírus. "Contudo, não perdemos a atenção daqueles que continuam sem empregos", destacou.

De acordo com Powell, deve ser mantido o ritmo de compras pelo Fed de títulos do Tesouro e de outros ativos financeiros vinculados a hipotecas, conhecido como programa de relaxamento quantitativo, para ajudar a sustentar a retomada da demanda agregada dos EUA.

"Contudo, estamos preparados para ajustar a política monetária se condições não permitirem atingir metas estabelecidas", destacou Powell, referindo-se à máxima geração de emprego e estabilidade de preços. "Estamos comprometidos a utilizar todos os instrumentos para viabilizar recuperação da economia", salientou.

Projeções

Em novas projeções econômicas divulgadas com o comunicado de política monetária, as autoridades do Fed veem a contração econômica em 3,7% neste ano, pela mediana das estimativas, contra queda de 6,5% projetada em junho.

O Fed também espera que a taxa de desemprego, que melhorou mais rápido do que as autoridades previam em junho, continuará a cair, com as autoridades projetando taxa de desemprego de 7,6% ao final deste ano e queda para 4% em 2023.

A inflação deve permanecer abaixo de 2% até 2023. No mês passado, o Fed apresentou uma nova estratégia que promete elevar a inflação acima de 2% para compensar anos abaixo da meta.

*Com Reuters

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook