Em reunião extraordinária, Guedes pede à equipe alinhamento prévio de discursos

Ordem foi para que os integrantes da equipe econômica só se pronunciem sobre temas em estudo pelo governo após aval expresso do ministro

Por Igor Gadelha, CNN  
17 de setembro de 2020 às 12:00 | Atualizado 17 de setembro de 2020 às 12:41

O ministro da Economia, Paulo Guedes, convocou uma reunião extraordinária presencial com secretários e assessores especiais, na noite desta quarta-feira (17), para tentar promover uma espécie de “freio de arrumação” na equipe econômica.

À CNN, secretários especiais que participaram do encontro disseram que Guedes pediu um “alinhamento de discurso”. A ordem foi para que os integrantes da equipe econômica só se pronunciem sobre temas em estudo pelo governo após aval expresso do ministro.

O objetivo é evitar a repetição de episódios como o do secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues. Nos últimos dias, ele deu entrevistas dizendo que o governo estudava congelar aposentadorias por dois anos para bancar o Renda Brasil, programa que substituiria o Bolsa Família.

As entrevistas irritaram Jair Bolsonaro. Na terça-feira (15), o presidente gravou um vídeo anunciando que, até o final de seu mandato, estava proibido falar em Renda Brasil e que quem propusesse propostas como congelar aposentadorias levaria “cartão vermelho”.

Leia e assista também

Renda Brasil não está incluso no orçamento de 2021, diz Waldery

'Cartão vermelho' de Bolsonaro foi para secretário especial de Guedes

Durou um dia: Bolsonaro volta atrás e pede estudo para substituto do auxílio

O ministro da Economia, Paulo Guedes
Foto: Divulgação/Marcos Corrêa/PR

Waldery fica

De acordo com auxiliares de Guedes, apesar da fala do presidente, Waldery deve seguir no cargo, pelo menos por ora. O secretário participou da reunião extraordinária de ontem e tem pelo menos uma agenda com Guedes na manhã desta quinta-feira (17).

Como a coluna noticiou ontem, segundo assessores diretos de Guedes, o ministro sabe da insatisfação de alguns setores do governo e da própria equipe econômica com Waldery, mas avalia que o "rigor fiscal" do secretário é uma qualidade que ajuda a proteger o próprio presidente.