Fronteira fechada reduz contrabando de cigarros e dispara venda de marcas legais

Dados da Receita Federal mostram que, no acumulado de janeiro a setembro deste ano, o valor arrecadado com impostos ligados ao fumo cresceu 6,4%

Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
23 de outubro de 2020 às 07:37
Capa do podcast Abertura de Mercado
Foto: CNN Brasil

As fabricantes de cigarros estão comemorando o fechamento das fronteiras. Isso porque esse tipo de medida, tomada por causa da pandemia de Covid-19, favorece o combate ao contrabando de cigarros e ajuda nas vendas dessas empresas. 

Dados da Receita Federal mostram que, no acumulado de janeiro a setembro deste ano, o valor arrecadado com impostos ligados ao fumo cresceu 6,4% na comparação com o mesmo período no ano passado. 

Leia também:
Quer investir em BDRs? Confira sete dicas de ativos – de Facebook a Microsoft
Tesla e Apple lideram negócios em 1º dia de BDRs abertos a todos na bolsa
Black Friday 2020: veja o que os brasileiros mais querem comprar na data

A Philipp Morris, uma das maiores do mercado mundial de cigarros, anunciou que as vendas no Brasil cresceram 12,2% no acumulado do ano até setembro. A dona das marcas Malboro e L&M disse que um dos motivos para o aumento é a diminuição do contrabando por aqui. 

O novo episódio do podcast Abertura de Mercado também fala dos IPOs que estão movimentando o mundo dos negócios. 

Ontem, saíram detalhes da oferta inicial de ações da Track & Field. As ações da marca de roupas esportivas serão vendidas por R$ 9,25, abaixo dos R$ 10,65 que a empresa havia colocado como piso da faixa indicativa de preço. 

Além da Track & Field, vem mais estreia por aí. O grupo Uni.co, dono das marcas Imaginarium e Puket, decidiu engrossar a fila do IPO. 

A varejista tem 445 lojas em todos os estados brasileiros e é controlada desde 2012 pela Squadra Investimentos. O dinheiro captado com a oferta de ações deve ser usado para compra de novos negócios, investimento em tecnologia e reforço de capital de giro. 

Ainda na bolsa de valores, um dos temas da semana são os BDRs. Depois da abertura para investidores comuns, o volume de negociação desse tipo de ativo registrou um novo recorde. Foram 31,5 mil negócios só ontem. 

A média de negócios com os BDRs em 2020 era de 1.060 por dia, segundo a consultoria Economática. 

O CNN Brasil Business produziu uma matéria com recomendações da XP Investimentos e da Easynvest sobre alguns desses BDRs. Confira.

Uma das empresas com BDRs na B3 é a Coca-Cola, que divulgou ontem números do terceiro trimestre de 2020. Em todo o mundo, o número de garrafas e latinhas vendidas pela empresa caiu 4%. 

O desempenho no Brasil foi bem diferente: alta de 8% nas vendas na comparação com o terceiro trimestre de 2019. Analistas da empresa disseram que a flexibilização das regras de isolamento social ajudaram o desempenho da operação brasileira. 

Para guardar a Coca-Cola, é preciso uma geladeira, certo? Nisso a Whirlpool, dona da Brastemp e da Consul, se deu bem. O balanço do último trimestre mostra aumento de quase 14% nas vendas na América Latina. 

O ritmo das vendas por aqui foi bem maior que no restante do mundo, onde as vendas avançaram 3,9%. 

Na agenda desta sexta-feira, vale ficar de olho na prévia da inflação de outubro medida pelo IPCA-15. O dado será divulgado às 9h pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

Um pouco mais tarde, às 9h30, o Banco Central divulga relatório que mede todas as transações do Brasil com o exterior. 

Ainda pela manhã, serão divulgadas pesquisas PMI na Alemanha, em toda a zona do euro e nos Estados Unidos. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook