IPTU e IPVA: saiba se vale a pena pagar à vista com desconto ou parcelar

Em São Paulo, desconto para quem pagar à vista é de 3% nos dois casos

Washington Luiz, colaboração para o CNN Brasil Business
07 de janeiro de 2021 às 05:00
Notas de dinheiro
Notas de dinheiro
Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Para incentivar o pagamento em cota única do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), os governos locais costumam oferecer descontos. Em São Paulo, por exemplo, os donos de veículos que quitarem o IPVA em uma única parcela terão uma redução de 3% sobre o valor total do tributo. Na capital, a prefeitura ainda não informou os detalhes sobre o IPTU de 2021, mas, no ano passado, o abatimento também foi de 3%. 

Vale a pena pagar à vista e aproveitar o desconto? A resposta é: depende de sua situação. Primeiro, é preciso saber em qual dos três perfis se encontra: endividado, equilibrado financeiramente ou investidor. "É necessário ter uma reserva financeira disponível para essa finalidade. Muitas pessoas guardam recursos, mas não para pagar o IPTU e o IPVA", alerta Reinaldo Domingos, educador financeiro e presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin). 

Leia também:

De R$ 13 a R$ 272 mil: quais são os IPVAs mais baratos e mais caros de São Paulo
Isenção de IPVA para PCD em São Paulo deve cair até 80%; veja novas exigências
Documento de carro será 100% digital em 2021 em São Paulo

Quem está endividado deve optar pelo parcelamento. Domingos lembra, porém, que se deve evitar ao máximo recorrer a empréstimos, limites do cheque especial ou qualquer outra maneira de crédito do mercado financeiro, pois isso pode se tornar problema no futuro, devido aos juros altos cobrados pelas instituições financeiras. 

Nos casos em que o contribuinte tem uma reserva financeira, o educador ressalta que esses recursos poupados precisam ser maiores que o valor do imposto. "Claro que a vantagem sempre será maior que uma rentabilidade de aplicação financeira de renda fixa, uma vez que nenhuma delas rende 3% ao mês. No entanto, é preciso que a reserva financeira seja superior ao valor do imposto para não se correr o risco de ficar sem nenhuma quantia de emergência no futuro", pondera. 

O pagamento em cota única é indicado, segundo Domingos, quando o proprietário do imóvel ou do veículo tem uma situação mais confortável. "Recomento pagar de uma vez só quando a pessoa tem pelo menos dez vezes do valor do imposto guardado. Estamos ainda em uma pandemia, uma situação de vulnerabilidade empregatícia. As reservas financeiras precisam ser boas para manter outros compromissos e necessidades que podem surgir ao longo do ano." 

IPTU na cidade de São Paulo

Segundo a Prefeitura de São, o pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) de 2021 começa em fevereiro. Os detalhes serão divulgados no site oficial nas próximas semanas.
As notificações do imposto devem ser enviadas pelos Correios para todos os donos de imóveis, mas os valores, assim como as guias de pagamento, também poderão ser acessados pelo site oficial. Neste ano, o tributo não sofrerá reajuste na capital. 

IPVA no estado de São Paulo

O pagamento do IPVA em São Paulo começa nesta quinta-feira (7) para proprietários de veículos com placa final 1. Quem optar pelo pagamento da cota única terá 3% de desconto. Também é possível deixar para pagar tudo em fevereiro, mas, nesse caso, não haverá redução no valor devido. 

O imposto neste ano está, em média, 6,7% mais barato no estado. Para saber o valor do imposto, basta acessar o portal da Secretaria de Fazenda e informar o número do Renavam e placa do veículo. Outra opção é consultar pela rede bancária, nos terminais de autoatendimento, internet banking e aplicativos de celular disponibilizados pelos bancos.

Atualmente, São Paulo tem aproximadamente 26 milhões de veículos. Desses, 17,8 milhões estão sujeitos ao recolhimento do IPVA e 7,6 milhões estão isentos por terem mais de 20 anos de fabricação. Cerca de 618 mil são considerados isentos, imunes ou dispensados do pagamento (como taxistas, pessoas com deficiência, igrejas, entidades sem fins lucrativos, veículos oficiais e ônibus/micro-ônibus urbanos).