Bolsa avança 2,6% em dia de otimismo no exterior; dólar sobe e vai a R$ 5,43

Lá fora, traders 'amadores' têm apostado contra fundos que operam a descoberto em ações de empresas como GameStop, Blockbuster e AMC

Matheus Prado e Manuela Tecchio, do CNN Brasil Business, em São Paulo*
28 de janeiro de 2021 às 09:14 | Atualizado 28 de janeiro de 2021 às 18:53
Foto: Reuters/Ricardo Moraes

O dólar comercial fechou esta quinta-feira (28) em alta de 0,53%, cotado a R$ 5,436 na venda.

Na B3, o Ibovespa abriu a sessão instável, mas firmou ao longo da tarde uma tendência de alta acompanhando um dia de otimismo também no exterior. Foi o primeiro dia de alta depois de seis pregões em queda. O principal índice da bolsa paulista subiu 2,59%, aos 118.883,25 pontos.

Os negócios na bolsa de valores brasileira refletiam o clima positivo em Wall Street, onde os principais indicadores avançavam após o pior dia em três meses.

Também com impacto no Ibovespa, o preço dos papéis da resseguradora IRB avançavam 17,8%, num movimento especulatório organizado por pequenos investidores que imita o que aconteceu em Wall Street nesta semana

Lá fora, traders 'amadores' têm feito ações de empresas em baixa subirem para apostar contra fundos que ganham com as quedas dessas empresas. GameStop, Blockbuster e AMC são algumas ações que viram isso acontecer lá fora nos últimos dias. 

Dados sobre o mercado de trabalho brasileiro também ajudaram no otimismo doméstico. De acordo com números divulgados mais cedo pelo Caged, o país abriu 142.690 vagas de emprego com carteira assinada em 2020, apesar da pandemia de Covid-19.

Desdobramentos políticos em Brasília e o avanço da Covid-19 no Brasil, em meio à piora no apetite por risco no exterior, também eram destaque.

Lá fora

Em Wall Street, os índices avançaram após a divulgação de balanços trimestrais de algumas das maiores big techs. À primeira vista, os investidores ignoraram dados que mostraram que a economia norte-americana sofreu em 2020 a maior contração desde a Segunda Guerra Mundial.

Segundo dados preliminares, o Dow Jones encerrou em alta de 0,99%, 30.603,92 pontos, o S&P 500 valorizou-se 0,97%, aos 3.787,26 pontos, e o Nasdaq teve alta de 0,5%, a 13.337,16 pontos.

As ações europeias também fecharam em alta, acompanhando a recuperação em Wall Street e com o suporte de ganhos com as companhias aéreas.

O índice FTSEurofirst 300 subiu 0,01%, a 1.554 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 0,1%, a 403 pontos, depois de ter chegado a cair até 2% nas negociações da manhã, ficando com leves ganhos no acumulado do ano.

Já as bolsas asiáticas encerraram os negócios desta quinta-feira (28) com perdas significativas, após o tombo que os índices acionários de Nova York sofreram ontem e à medida que o Banco Central chinês continua retirando liquidez do mercado interbancário.

Em Tóquio, o Nikkei caiu 1,53% hoje, a 28.197,42 pontos, pressionado por ações do setor de eletrônicos. Na China, as bolsas foram pressionadas também por novo enxugamento de liquidez pelo PBoC, como é conhecido o BC do país. O Xangai Composto caiu 1,91%, a 3.505,18 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 2,82%, a 2.352,75 pontos.

(*Com Reuters e Estadão Conteúdo)