Criptomoedas têm dia de recuperação após semanas de quedas; bitcoin sobe 11%

Principal moeda digital segue ainda mais de 40% abaixo do recorde do mês passado

Juliana Elias, do CNN Brasil Business, em São Paulo*
24 de maio de 2021 às 18:14 | Atualizado 24 de maio de 2021 às 20:25
Logos das criptomoedas Bitcoin, Ether, Litecoin e Monero em terminal em Zurique.
Foto: 04/03/2021 REUTERS/Arnd Wiegmann

O bitcoin e outras moedas digitais tiveram um dia de recuperação forte nesta segunda-feira (24), depois de semanas em que vêm paulatinamente perdendo valor conforme aumentam as notícias de possíveis aumentos de regulação sobre este mercado. 

Às 17h50, o bitcoin tinha uma alta de 11%, cotado a US$ 39.070, após queda de 7,5% no dia anterior. Segue, porém, ainda mais de 40% abaixo do recorde do mês passado, quando chegou a passar dos US$ 60 mil. Em reais, a alta era de 9%, a R$ 209,754

O ethereum avançava 16%, a US$ 2.610 dólares, depois de cair mais de 8% no domingo ao seu menor valor em quase dois meses. 

Na semana passada, formuladores de políticas intensificaram resposta à popularidade e volatilidade das criptomoedas.

O bitcoin já vinha caindo este mês depois que o CEO da Tesla, Elon Musk, disse que estava desconfiado de seu impacto ambiental e deu declarações sugerindo o afastamento de sua companhia das moedas virtuais. Um novo anúncio de órgãos reguladores chineses só piorou a tendência.

As agências chineses disseram, na semana passada, que as instituições financeiras e empresas de pagamento não devem participar de quaisquer transações relacionadas a criptomoedas, nem devem fornecer serviços relacionados aos seus clientes.

Na noite de sexta-feira (21), um Conselho de Estado do país ainda novas medidas, desta vez tendo como alvo especificamente a mineração de moeda virtual, um negócio considerável na segunda maior economia do mundo. Segundo algumas estimativas, a China responde por até 70% do suprimento global de criptomoedas.

A Huobi, principal bolsa de criptomoedas, suspendeu nesta segunda-feira a mineração de criptomoedas e alguns serviços para novos clientes da China continental, acrescentando que, em vez disso, deve se concentrar em negócios no exterior. Outros também suspenderam os negócios na China.

No curto prazo, disseram os participantes do mercado, isso provavelmente levará a uma pressão sobre os preços, já que as mineradoras vendem o bitcoin mantido em seus balanços.

*Com Reuters e CNN Internacional