De referência em criptomoedas a réu por fraude: quem é Sam Bankman-Fried?

Bankman-Fried foi a julgamento, após falência da FTX

O ex-CEO da FTX, Sam Bankman-Fried
O ex-CEO da FTX, Sam Bankman-Fried Michael M. Santiago/Getty Images

Samantha DelouyaAllison Morrowda CNN

Nova York

Sam Bankman-Fried, antes conhecido como o garoto prodígio das criptomoedas, foi considerado culpado na quinta-feira (2) por seu papel no colapso da corretora de criptoativos FTX.

Se receber a pena máxima, o ex-bilionário de 31 anos irá para a prisão pelo resto da vida.

A queda de Bankman-Fried começou há quase um ano, quando a FTX entrou com pedido de falência, alimentando o pânico na indústria de criptomoedas.

Aqui está o que você precisa saber sobre o ex-rei dos criptoativos.

Sem experiência com criptoativos

Bankman-Fried, conhecido como SBF, começou sua carreira como trader na Jane Street Capital depois de estudar matemática e física no MIT.

Em 2017, ele deixou a Jane Street para trabalhar por conta própria, iniciando um fundo de hedge de criptomoedas que chamou de Alameda Research. O primeiro escritório da empresa foi um Airbnb de dois quartos em North Berkeley, Califórnia.

“Éramos três, mas tinha um sótão. Então isso parecia um terceiro quarto para nós”, testemunhou SBF na semana passada.

Seu impulso empreendedor não parou por aí: em 2019, Bankman-Fried foi cofundador da bolsa de criptomoedas FTX e tornou-se seu CEO.

Mas o investidor testemunhou na sexta-feira passada (27) que não sabia “basicamente nada” sobre criptoativos.

“Eu não tinha absolutamente nenhuma ideia de como eles funcionavam, só sabia que eram coisas que você poderia negociar”, disse Bankman-Fried.

SBF disse que inicialmente pretendia vender rapidamente a FTX para a exchange de criptomoedas Binance, já que “não tinha ideia de como conseguiríamos clientes”.

“Achei que talvez houvesse 20% de chance de sucesso” e 80% de chance de encerrar depois de alguns meses, testemunhou. “Mesmo essa chance de 20% era uma grande oportunidade, visto que as maiores bolsas da época eram empresas multibilionárias.”

Mais tarde, ele contratou sua ex-colega da Jane Street, Caroline Ellison, como trader na Alameda. Mais tarde, ela se tornou CEO da empresa e chegou a ter um relacionamento com Bankman-Fried.

Ellison também se tornou a principal testemunha da acusação, afirmando que ela e outros cometeram crimes financeiros sob a direção do “prodígio”.

Em janeiro de 2022, enquanto os preços das criptomoedas ainda oscilavam perto das máximas históricas, a FTX chegou a ser avaliada em US$ 32 bilhões (R$ 158,57 bilhões), com investidores de alto perfil como SoftBank e BlackRock.

Bankman-Fried mudou a sede de ambas as empresas de Hong Kong para as Bahamas, que tem uma taxa de imposto sobre as sociedades mais baixa do que os Estados Unidos e um ambiente regulatório mais amigável.

Na época, Bankman-Fried saudou o país caribenho como “um dos poucos lugares onde se estabeleceu uma estrutura abrangente para criptografia”.

Acusações por fraude e conspiração

Em novembro de 2022, a empresa entrou com pedido de falência após sofrer retiradas líquidas no valor de bilhões de dólares.

O pânico foi alimentado em parte por um tweet do CEO da Binance, rival da FTX, que disse que sua empresa liquidaria sua posição na FTT, a moeda digital da FTX, “devido às recentes revelações que vieram à tona”.

Eu estava preocupado”, testemunhou Bankman-Fried na segunda-feira (30). “Isso sinalizou uma potencial corrida ao banco e um risco de crise de liquidez.”

Em resposta, SBF enviou um tweet garantindo aos clientes que os ativos da FTX estavam “bem”. Posteriormente, o ex-CEO da empresa excluiu a publicação.

Em dezembro de 2022, Bankman-Fried foi preso nas Bahamas depois que promotores dos EUA apresentaram acusações criminais contra ele.

O fundador da FTX foi considerado culpado de roubar bilhões de dólares de contas pertencentes a clientes da outrora bem-sucedida startup de criptomoedas.

Ele também foi considerado culpado de fraudar credores da empresa irmã da FTX, o fundo de hedge Alameda Research, que mantinha fundos de clientes da FTX em uma conta bancária.

Durante seu julgamento, Bankman-Fried disse que soube em 2020 que os fundos dos clientes da FTX eram mantidos pela Alameda, mas não tomou medidas para protegê-los.

Mais tarde, quando ele descobriu, no outono de 2022, que a Alameda devia US$ 8 bilhões (R$ 39,64 bilhões) à FTX, ninguém foi demitido.

Outras acusações pelas quais Bankman-Fried foi considerado culpado incluem fraude de investidores na FTX e uma acusação de lavagem de dinheiro.

Sam Bankman-Fried poderá pegar 110 anos de prisão se receber a sentença máxima no atual julgamento. Porém, um segundo julgamento para outras cinco acusações está agendado para março de 2024, embora o juiz tenha pedido aos procuradores que decidam até 1° de fevereiro se o processo irá prosseguir.

Queda

Antes da implosão da FTX, o patrimônio líquido de Bankman-Fried era estimado acima de US$ 15 bilhões (R$ 74,33 bilhões), de acordo com o Bloomberg Billionaire Index.

À medida que o valor dos ativos da FTX despencaram em novembro de 2022, o mesmo aconteceu com o seu patrimônio líquido.

Num único dia, em meio à corrida aos ativos da FTX, Bankman-Fried viu seu patrimônio líquido despencar em 94% – a maior perda diária de qualquer pessoa monitorada pelo Índice Bilionário.

Envolvimento dos pais

Os pais de Sam Bankman-Fried, Joe Bankman e Barbara Fried, são professores titulares de direito em Stanford.

Bankman é especialista em direito tributário, enquanto Fried é especialista em ética jurídica.

Bankman-Fried afirmou que seus pais não estavam envolvidos em “nenhuma das partes relevantes” das operações da FTX, mas uma ação judicial em setembro os colocou no centro das atenções.

O processo afirma que pai e mãe discutiram com o filho a transferência de um presente em dinheiro de US$ 10 milhões (R$ 49,55 milhões) e uma propriedade de US$ 16,4 milhões (R$ 81,27 milhões) nas Bahamas para eles.

Bankman e Fried sabiam “ou ignoraram sinais de alerta” que indicavam que seu filho e seus parceiros de negócios estavam “orquestrando um vasto esquema fraudulento”, de acordo com o processo.

O processo também afirma que o pai descreveu repetidamente a FTX como uma “empresa familiar” e que inicialmente atuou como consultor não oficial da startup, e mais tarde se tornou um funcionário remunerado.

Além disso, Fried também teria desempenhado o papel de conselheira do filho, principalmente quando se tratava de doações políticas, afirma o processo.

Ambos os pais estiveram presentes no julgamento de seu filho em Manhattan.

Proximidade com políticos e celebridades

À medida que a avaliação e a popularidade da FTX dispararam em 2021 e 2022, Bankman-Fried tornou-se uma presença constante na política de Washington.

SBF fez lobby pela regulamentação da indústria criptográfica e se tornou um dos maiores contribuintes do Partido Democrata. Ele doou cerca de US$ 40 milhões (R$ 198,22 milhões) para campanhas e comitês de ação política em 2022, de acordo com os registros da Comissão Eleitoral Federal.

Mas Bankman-Fried não doou apenas aos democratas. Os promotores federais alegaram que Bankman-Fried também tentou ocultar doações a candidatos republicanos.

SBF também se aproximou do mundo dos esportes e do entretenimento. A FTX supostamente desembolsou US$ 135 milhões (R$ 668,98 milhões) para renomear a arena do Miami Heat para “FTX Arena” em 2021. Após a falência da FTX, o Miami Heat encerrou o relacionamento.

A FTX também pagou milhões de dólares a ex-atletas como Tom Brady, Stephen Curry e Naomi Osaka para estrelarem comerciais da FTX e promoverem a troca de criptomoedas.

Em 2022, o criador de “Curb Your Enthusiasm”, Larry David, estrelou um comercial do Super Bowl para a plataforma criptográfica.

Efeito cascata

A falência da empresa de comércio de criptoativos de Bankman-Fried desencadeou um contágio financeiro no mundo das criptomoedas.

Imediatamente após a queda da FTX, a exchange de criptomoedas Gemini, fundada por Cameron e Tyler Winklevoss, congelou os resgates de clientes em sua unidade de empréstimo, citando a turbulência do mercado. Posteriormente, sua unidade de crédito entrou com pedido de falência.

Agora em novembro, o procurador-geral de Nova York abriu um processo contra três das empresas dos Winklevoss, acusando-as de encobrir mais de bilhões de dólares em perdas.

Apenas algumas semanas após a falência da FTX, outro credor de criptografia, BlockFi, também faliu. A empresa disse ter “exposição significativa” à FTX e Alameda.

Outras empresas de criptomoedas, como Coinbase e Binance, realizaram demissões significativas após a queda da FTX e o declínio do valor do bitcoin e de outras moedas digitais.

Veja também: Fundador da FTX é julgado nos EUA

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original