Efeito ‘The Crown’: como a série apresentou príncipe Philip para a nova geração

Embora através de olhos modernos, muitos americanos agora formaram uma visão de Philip graças à série da Netflix

Matt Smith interpretou um jovem príncipe Philip na série da Netflix
Matt Smith interpretou um jovem príncipe Philip na série da Netflix Foto: Netflix/Reprodução

Stephanie Elam, CNN

Ouvir notícia

Por mais de 70 anos, ele esteve ao lado da Rainha Elizabeth II. Somente aos 96 anos, apenas três anos antes de sua morte, o príncipe Philip deixou a maioria de seus deveres públicos.

Ainda assim, enquanto ele fez menos aos olhos do público, um holofote lançado pela popular série da Netflix “The Crown” se concentrou em sua vida.

Para toda uma geração de americanos, o príncipe Philip foi uma folha em branco. “As pessoas tinham a sensação de que ele era um cavalheiro mais velho ao lado de Elizabeth, mas na verdade nenhuma noção específica de quem ele é e quem era”, disse Arianne Chernock, professora associada de história da Universidade de Boston.

Nos últimos anos, as atividades dos mais jovens membros da realeza alimentaram a maior parte da intriga, com o segundo na linha de sucessão ao trono, o príncipe William, casando-se com Catherine, agora a duquesa de Cambridge, em 2011. Desde então, eles tiveram três filhos, sendo que o mais novo, Príncipe Louis, nasceu em abril de 2018.

A febre real disparou novamente nos Estados Unidos em maio de 2018, quando o irmão mais novo de William, o príncipe Harry, se casou com a ex-atriz americana Meghan Markle, agora conhecida como a duquesa de Sussex.

Esse fascínio aumentou depois que a dupla se afastou da família no ano passado, desistindo de seus títulos reais antes de revelar tudo sobre suas vidas em uma entrevista bombástica com Oprah Winfrey transmitida no mês passado.

Mas, sem dúvida, também ajudando a estimular o interesse pela realeza entre os americanos mais jovens está “The Crown”.

A diferença, porém, é que as duas primeiras temporadas do programa — lançadas em 2016 e 2017, respectivamente — giram em torno dos primeiros anos do reinado da rainha Elizabeth II, retratada por Claire Foy. Esse período também coincide com os primeiros anos de seu casamento com o príncipe Philip, interpretado por Matt Smith.

Smith prestou homenagem na sexta-feira em um comunicado que descreveu o príncipe Philip como “o homem”.

“99 e se foi, mas que oportunidade. E que estilo. Obrigado por seu serviço, meu velho — não será o mesmo sem você”, disse o ator indicado ao Emmy.

“The Crown” destaca os ajustes difíceis que o jovem casal enfrentou quando Elizabeth se tornou rainha mais cedo do que o esperado. Ele também mostra como, em uma época repleta de chauvinismo e sexismo, a necessidade de Philip se alinhar atrás de sua esposa era um teste.

“O papel do príncipe consorte é realmente desafiador e aqueles que assumiram esse papel tiveram muito poucos precedentes para estudar e muito pouco senso da descrição concreta do cargo para o cargo”, disse Chernock.

E, embora através de olhos modernos, muitos americanos agora formaram uma visão do príncipe Philip graças a “The Crown”.

Mary McClelland, uma fã do programa que vive em Chicago, disse que sua opinião sobre o marido da Rainha era neutra antes de assistir à série Netflix.

“Acho que ele não é o melhor pai do mundo. Acho que ele fez o melhor com o que podia fazer na época e na sociedade em que vivia e na geração em que está”, disse McClelland à CNN, falando antes da morte de Philip . “Mas eu não o culpo necessariamente por quem ele é.”

Embora muitos americanos possam não ter tido uma impressão firme do príncipe Philip, sua reputação na Grã-Bretanha evoluiu ao longo das décadas.

“Na verdade, ele tem uma personalidade bastante travessa. E na Grã-Bretanha, certamente ele é conhecido por uma série de erros”, disse Chernock em uma entrevista à CNN também realizada antes da morte de Philip. “Então, seu senso de humor e sua diversão às vezes podem colocá-lo em apuros.”

“Acho que o programa percorreu um longo caminho para humanizá-lo, para mostrar o homem por trás da coroa”, disse Debra Birnbaum, ex-editora executiva da Variety, antes da morte de Philip. “Há uma perspectiva mais detalhada de quem é o cara … para melhor ou para pior.”

Tobias Menzies, que interpretou um Philip mais velho nas temporadas posteriores do show, citou Shakespeare ao prestar homenagem ao falecido real.

“Se eu sei alguma coisa sobre o duque de Edimburgo, tenho quase certeza de que ele não gostaria de um ator que o retratou na TV dando sua opinião sobre sua vida, então vou deixar isso para Shakespeare. ‘ bem em ti aparece / O serviço constante do mundo antigo … ‘RIP “, disse ele em um tuite na sexta-feira.

Para alguns fãs ávidos, cada episódio de “The Crown” levou a uma viagem à internet para aprender mais sobre as pessoas envolvidas, incluindo o príncipe Philip.

“Isso me fez pesquisar mais sobre ele e todos os aspectos do programa”, disse McClelland, diretor de comunicação de uma organização sem fins lucrativos. “Quão intensa e louca sua educação foi, para mim, foi simplesmente fascinante. Quer dizer, se ele fosse um homem moderno, eu diria, ‘faça terapia imediatamente!'”

Mas, ela acrescentou: “Você sabe, a realeza dos dias atuais parece reverenciá-lo e amá-lo. E então, seja qual for a dinâmica, seus netos, sempre que falam sobre ele e em artigos, é que ele é uma lenda.”

Birnbaum disse que Peter Morgan, o criador e escritor do programa, trabalhou muito para manter “The Crown” baseado na realidade.

“Você nunca saberá o que duas pessoas disseram uma à outra em uma conversa particular, mas você conhecerá os fatos”, disse Birnbaum. “A conversa pode ter sido imaginada, mas [o Príncipe Philip] perdeu sua irmã favorita em um acidente de avião e depois se tornou um piloto. Isso o torna um tipo de ser humano muito interessante.”

O príncipe Philip também desempenhou um grande papel na modernização da monarquia — algo destacado no show. “Seu compromisso com a tecnologia, ao defender, por exemplo, filmar a família ou tentar atualizar os sistemas do Palácio de Buckingham” foi parte disso, disse Chernock. “E ele definitivamente é uma caixa de ressonância para Elizabeth e ele manteve o curso.”

Na verdade, depois de todos os anos juntos, o sucesso de Elizabeth pode muito bem ser devido, em parte, ao homem com quem ela se casou. O homem sobre o qual tantos americanos sabiam tão pouco antes de “The Crown”.

“Por que Elizabeth é bem-sucedida? Ela é bem-sucedida porque realmente tem sido inabalável”, disse Chernock. “Acho que Philip tem muito a ver com isso.”

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN