Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Entenda por que “Corpo a Corpo” era vista como uma novela polêmica

    Em comemoração aos 40 anos de seu lançamento, novela será reprisada pela primeira vez na TV

    Novela de Gilberto Braga, "Corpo a Corpo" teve história considerada polêmica na época de seu lançamento
    Novela de Gilberto Braga, "Corpo a Corpo" teve história considerada polêmica na época de seu lançamento Acervo/TV Globo

    Aline Oliveirada CNN

    Escrita por Gilberto Braga, “Corpo a Corpo” foi transmitida em 1984, sendo alvo de uma grande polêmica na época. Após 40 anos, a novela será reexibida pela primeira vez através do Canal Viva.

    Protagonizada por Antonio Fagundes, Débora Duarte e Glória Menezes, a história abordava temas como ascensão social, vingança e racismo.

    Com foco no casamento de Eloá (Débora Duarte) e Osmar (Antonio Fagundes), logo de cara, a trama da personagem chocou o público, após ela conhecer Raul (Flávio Galvão).

    Homem extremamente misterioso, o rapaz aparentava ser o diabo em carne e osso. Assim que os dois se encontraram em uma festa, a protagonista selou com ele um pacto para ter sucesso na vida. Não demorou muito para que Elóa tivesse uma ascensão social, algo que afetou seu casamento.

    Entretanto, esta parte da história não foi a que mais gerou polêmica na época da exibição da novela. Em outro núcleo, o relacionamento de Sônia (Zezé Motta) e Cláudio (Marcos Paulo) se tornou alvo de muitas críticas.

    Isso porque se tratava de uma relação interracial. Desta forma, além de sofrer racismo dentro da trama, Zezé Motta também foi durante hostilizada pelo público.

    Na história, sua personagem era uma arquiteta, de uma família de classe médica, que se apaixona pelo primogênito da família Fraga Dantas. No entanto, por conta do preconceito da família de Cláudio, Sônia precisou colocar um fim no casamento.

    Em 2024, a novela será reexibida pelo Canal Viva a partir do dia 24 de junho, às 14h40, substituindo “Direito de Amar” (1987).