Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mundo da arte cancela shows e exposições em resposta à invasão russa da Ucrânia

    Rússia foi barrada das principais exposições, apresentações e competições culturais do mundo; instituições artísticas são cobradas a cortar laços com oligarcas russos

    Os bailarinos Alyona Kovalyova eJacopo Tissi como Odette/Odile e o Príncipe Siegfried no Ballet de Bolshoi
    Os bailarinos Alyona Kovalyova eJacopo Tissi como Odette/Odile e o Príncipe Siegfried no Ballet de Bolshoi Corbis via Getty Images

    Jacqui Palumboda CNN

    Ouvir notícia

    Cortinas do palco estão se fechando, exposições de arte estão sendo interrompidas e artistas substituídos. Ao longo da última semana, grande parte da comunidade artística e cultural em todo o mundo – incluindo na Rússia – reagiram à invasão da Ucrânia cancelando shows e pressionando as instituições de arte do país.

    Até agora, mais de 500 mil refugiados fugiram da Ucrânia enquanto o Kremlin continua seu ataque às cidades mais populosas do país, incluindo a capital, Kiev.

    Embora grande parte do foco tenha se voltado para sanções destinadas a prejudicar a economia da Rússia, a influência cultural do país também está sendo cortada. A Rússia não será mais representada em grandes eventos internacionais como a Bienal de Veneza e a competição televisionada de música, a Eurovision.

    Artistas e performers, de Iggy Pop a Franz Ferdinand, também estão cancelando shows no país, enquanto aqueles que expressaram apoio ao presidente Vladimir Putin estão sendo evitados. Na Alemanha, o regente russo da Filarmônica de Munique, Valery Gergiev, foi demitido por se recusar a condenar a guerra ou Putin, com quem mantém laços estreitos, segundo o prefeito de Munique, Dieter Reiter, disse em nota.

    As instituições culturais também estão sob crescente pressão para cortar os laços com os oligarcas russos. O parlamentar britânico Chris Bryant pediu ao grupo de galerias do Reino Unido, Tate, que revogue o status de membro honorário do bilionário russo e associado de Putin, Viktor Vekselberg, conforme relatado pelo jornal “The Guardian”, embora um porta-voz do Tate tenha dito à CNN que ele fez doação sete anos atrás e “não há nenhuma conexão contínua”, acrescentando que “não há sanções do Reino Unido a nenhum dos apoiadores de Tate”.

    O ministro da Cultura da Ucrânia, Oleksandr Tkachenko, juntou-se a um grupo de artistas, donos de galerias, atores, músicos e diretores de cinema ucranianos para exigir sanções culturais mais fortes e abrangentes.

    Eles assinaram uma petição pedindo às instituições internacionais que cancelem parcerias culturais com a Federação Russa, cortem relacionamentos com cidadãos russos que participam de conselhos consultivos e proíbam a participação russa em grandes eventos de arte, incluindo Art Basel e o Festival de Cinema de Cannes.

    “A Federação Russa é um estado desonesto”, diz a petição. “A cultura russa, quando usada como máquina de propaganda, é tóxica! Não seja cúmplice!”

    Mas alguns estão alertando contra o isolamento cultural de todos os russos durante a guerra. Raimundas Malašauskas, que deveria ser curador do pavilhão russo na Bienal de Veneza em abril, desistiu do evento, mas disse que não quer que o mundo da arte dê as costas aos artistas russos.

    “Eu me oponho explicitamente ao atual ataque e subjugação comandados pela Rússia. Também acredito que as pessoas da Rússia não devem ser intimidadas ou rejeitadas apenas devido às políticas e ações opressivas de seu país”, declarou ele em seu site.

    “Quero evitar divisões malsucedidas e, em vez disso, defender formas de solidariedade em vários níveis, onde há fóruns internacionais para arte e artistas da Rússia expressarem a liberdade que não podem expressar em casa”.

    Abaixo estão algumas das maneiras pelas quais artistas, organizações culturais e instituições estão reagindo à guerra na Ucrânia.

    Rússia estará ausente da Bienal de Veneza

    Quando Malašauskas e os artistas russos Alexandra Sukhareva e Kirill Savchenkov renunciaram a participação na Bienal de Veneza, eles efetivamente cancelaram a representação da Federação Russa em um dos maiores e mais prestigiados encontros de arte do mundo.

    O pavilhão russo, projetado pelo arquiteto Alexey Shchusev, é uma atração permanente em Veneza Giardini desde 1914, abrindo suas portas a cada dois anos para mostrar o trabalho de alguns dos artistas contemporâneos mais importantes do país.

    Em um comunicado, a Bienal expressou sua “total solidariedade por este nobre ato de coragem”. Savchenkov, que trabalha em escultura, instalação e arte performática, escreveu no Instagram que “não há lugar para arte quando civis estão morrendo sob o fogo de mísseis, quando cidadãos da Ucrânia estão escondidos em abrigos e quando manifestantes russos estão sendo silenciados”.

    É improvável que o pavilhão ucraniano seja aberto este ano, com uma declaração oficial no Instagram explicando que todo o trabalho na exposição foi encerrado.

    Metropolitan Opera não vai trabalhar com artistas pró-Putin

    O Lincoln Plaza com a Metropolitan Opera House no centro em abril de 2021, em Nova York / Getty Images

    A casa de ópera mais famosa dos Estados Unidos, o Metropolitan Opera de Nova York, anunciou no domingo (27) que não trabalhará com artistas ou organizações russas que apoiam o presidente Vladimir Putin até que a invasão da Ucrânia termine.

    “Embora acreditemos fortemente na amizade calorosa e no intercâmbio cultural que existe há muito tempo entre os artistas e instituições artísticas da Rússia e dos Estados Unidos, não podemos mais nos envolver com artistas ou instituições que apoiam Putin ou são apoiados por ele – não até a invasão e os assassinatos forem interrompidos, a ordem restaurada e as restituições feitas”, disse Peter Gelb, gerente geral da Metropolitan Opera, em uma mensagem de vídeo compartilhada no Facebook.

    Isso significa que o Met provavelmente congelará seu relacionamento com o Teatro Bolshoi de Moscou, cuja coprodução de “Lohengrin”, de Wagner, está planejada para o próximo ano. A soprano russa Anna Netrebko, que deveria interpretar o papel de “Turandot”, de Puccini, no Met no final desta primavera, também pode ter sido afetada, embora ela agora tenha desistido de todas as apresentações programadas, de acordo com um comunicado da Opera House de Zurique, onde ela estava programada para se apresentar este mês.

    No sábado, Netrebko escreveu nas redes sociais que ela “se opõe a esta guerra”, mas “não é uma pessoa política”. A Opera House de Zurique descreveu sua postagem como um “desenvolvimento positivo”, mas sua incapacidade de “se distanciar ainda mais de Vladimir Putin” era incompatível com sua própria “condenação decisiva” das ações do presidente russo.

    Artistas e museus cancelam exposições na Rússia

    Visitantes na exposição “The End – Venezia” (2009), do artista Ragnar Kjartansson na Casa da Cultura GES-2 em Bolotnaya, Embankment, Rússia / Stanislav Krasilnikov/TASS

    O artista contemporâneo islandês Ragnar Kjartansson, conhecido por suas performances e instalações de vídeo que refletem a condição humana, cancelou sua exposição no novo museu GEC-2 de Moscou. À CNN, por e-mail, ele citou a bravura de artistas russos locais que cancelaram seus próprios shows em resposta à guerra.

    “Eu estava seguindo o exemplo (deles) […] que é muito mais perigoso do que minha posição confortável aqui na Islândia”, disse ele.

    Kjartansson, que em 2009 se tornou o artista mais jovem a representar a Islândia na Bienal de Veneza, já expôs na Tate Modern em Londres e no Metropolitan Museum of Art em Nova York. Ele acredita que artistas, curadores, colecionadores e instituições devem “considerar cada movimento” para “apoiar” a Ucrânia e permanecer “contra o regime de Putin”, mas pediu que os próprios artistas sejam protegidos de boicotes.

    “Boicote colecionadores russos que não se opõem publicamente a Putin […] não os artistas russos, (exceto) aqueles poucos que apoiam Putin”, disse ele. “Apoie artistas ucranianos com residências em países seguros (e) plataformas de exibição, e (faça) o mesmo para artistas russos da oposição”.

    Enquanto isso, o Garage Museum of Contemporary Art em Moscou, fundado pelo oligarca russo Roman Abramovich e pelo colecionador de arte russo-americano Dasha Zhukova, anunciou que adiou todas as exposições até que a invasão da Ucrânia termine.

    Isso inclui apresentações interrompidas que já estavam em andamento, incluindo o trabalho da artista alemã Anne Imhof e da artista britânica Helen Marten. “Não podemos apoiar a ilusão de normalidade quando tais eventos estão ocorrendo”, diz uma nota no site do museu.

    Eurovision deixa Rússia de fora da competição

    A russa Manizha se apresenta durante a primeira semifinal da 65ª edição do Eurovision Song Contest 2021, no centro de convenções Ahoy, em Roterdã, em maio de 2021 / AFP via Getty Images

    Menos de um dia depois que a União Europeia de Radiodifusão (EBU, na sigla em inglês) disse que permitiria que a Rússia participasse do Eurovision Song Contest, uma competição popular de música televisionada, a organização mudou o rumo. Em maio deste ano, nenhum artista representando o país poderá competir, confirmou a EBU em nota divulgada na sexta-feira.

    “A decisão reflete a preocupação de que, à luz da crise sem precedentes na Ucrânia, a inclusão de uma entrada russa no Concurso deste ano traria descrédito à competição”, dizia o comunicado.

    A Rússia ainda não havia selecionado um ato para apresentar em seu nome na competição anual, que foi assistida por 183 milhões de pessoas no ano passado.

    Reino Unido se distancia do balé russo

    A Royal Opera House (ROH) do Reino Unido cancelou uma residência da famosa companhia de Ballet Bolshoi de Moscou. A residência estava agendada para este verão e estava nos “estágios finais” de planejamento, de acordo com um comunicado enviado à CNN. Um porta-voz da ROH disse: “Infelizmente, nas atuais circunstâncias, a temporada não pode prosseguir”.

    O Bolshoi Ballet é uma das companhias de balé mais antigas do mundo, responsável pela primeira produção de “O Lago dos Cisnes”, entre outros. Mas seu status como um dos maiores símbolos culturais do país é complicado por seu envolvimento com o governo russo.

    O ex-diretor artístico da companhia, Alexei Ratmansky, que agora é um artista residente no American Ballet Theatre, estava trabalhando em uma nova apresentação para sua antiga companhia em Moscou, quando a Rússia invadiu a Ucrânia. O coreógrafo nascido na Rússia, e que foi criado na capital ucraniana, Kiev, desde a invasão partiu para Nova York com toda a sua equipe criativa, de acordo com o New York Times.

    “Eu estava absolutamente dividido entre a criação, o amor e o desespero”, disse ele ao Times sobre sua decisão de sair do país. O novo balé de Ratmansky deveria estrear em 30 de março, mas foi adiado indefinidamente.

    Apresentações de várias outras companhias de balé russas também foram afetadas, com shows do Russian State Ballet of Siberia cancelados na cidade inglesa de Northampton, e uma apresentação de Lago dos Cisnes, pelo Royal Moscow Ballet, encerrada em Dublin, na Irlanda.

    Academia Europeia de Cinema boicota filmes russos

    A Academia de Cinema da Ucrânia criou uma petição pública pedindo o boicote internacional ao cinema russo, incluindo exibições no circuito internacional de cinema. A Academia Europeia de Cinema (EFA, na sigla em inglês) respondeu em apoio, dizendo que excluirá as inscrições russas do European Film Awards.

    “A Academia Europeia de Cinema continua sendo um lugar para apoiar e unir todos os cineastas que compartilham nossa crença na dignidade humana, liberdade, democracia, igualdade, estado de direito e direitos humanos”, disse a EFA em um comunicado. “Reconhecemos e apreciamos os corajosos cineastas da Rússia que se levantam contra esta guerra. Mas em vista de um ataque brutal e injustificado, temos que ficar com nossos irmãos e irmãs na Ucrânia cujas vidas estão em risco”.

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN