Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Tudo transcorreu dentro da regra do jogo”, diz Tarcísio sobre transplante de Faustão

    Governador de São Paulo afirmou que a fila de espera de órgãos foi respeitada e que o Estado ajudou no transporte do coração

    Apresentador Fausto Silva recebeu um novo coração no último domingo (27)
    Apresentador Fausto Silva recebeu um novo coração no último domingo (27) Renato Pizzutto/Band

    Douglas Portoda CNN*

    em São Paulo

    O transplante de coração do apresentador Fausto Silva, o Faustão, “transcorreu dentro da regra do jogo”, afirmou nesta terça-feira (29) o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos).

    “A fila foi respeitada. O Estado, no final das contas, participou na questão do transporte. O procedimento foi bem-sucedido. A gente fica muito feliz com isso, porque é uma pessoa muito importante para todos nós”, disse Tarcísio.

    “É bom saber que o sistema de transplantes está funcionando. Uma pessoa que estava precisando de um órgão recebeu e hoje passa bem. Vai ter uma nova perspectiva e vai ganhar esse sopro de esperança. E é o que a gente quer, estávamos torcendo por ele. Tudo transcorreu dentro da regra do jogo”, prosseguiu.

    Vídeo: Faustão conseguiu rapidamente novo coração? Especialista explica

    A declaração vem na esteira das insinuações de que Faustão teria furado a fila de espera de órgãos.

    No Brasil, todos os transplantes de órgãos respeitam o Sistema Nacional de Transplantes (SNT) do Ministério da Saúde, sejam eles custeados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), por planos de saúde ou pagos pelo paciente.

    Cada estado ou região organiza a sua própria lista e todas são monitoradas pelo sistema e outros órgãos de controle federais. A fiscalização é feita para que nenhuma pessoa conste em duas listas diferentes e que nenhuma norma legal seja desrespeitada.

    A fila funciona por ordem cronológica de inscrição, mas é balizada por outros fatores, como gravidade e compatibilidade sanguínea e genética entre doador e receptor.

    Porém, no caso de transplantes cardíacos, têm prioridade os casos em que o paciente necessita de assistência circulatória, ou seja, precisa de equipamentos que cumpram a função do coração ou de suas partes para sobreviver.

    De acordo com o presidente do InCor e apresentador do Sinais Vitais da CNN, Roberto Kalil, “quando se coloca o paciente na lista, não se tem identificação, a caracterização do paciente”.

    Boletim médico

    Faustão foi extubado na manhã desta terça-feira. Agora, ele respira sem o auxílio de aparelhos, segundo boletim médico divulgado pelo Hospital Israelita Albert Einstein.

    O apresentador está consciente, conversa normalmente e “apresenta boa função do coração”. Ele permanece na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

    Transplante

    No último domingo (27), o apresentador recebeu um novo coração. O órgão, que era de um homem de 35 anos, veio de Santos, no litoral paulista, de helicóptero.

    De acordo com a Secretária de Saúde de São Paulo, a partir do momento em que houve a disponibilidade do órgão, o sistema selecionou 12 pacientes que atendiam aos requisitos para o transplante.

    Destes, quatro tinham prioridade. Faustão ocupava a segunda posição nesta lista e recebeu o órgão depois de a equipe do paciente que estava em primeiro lugar na lista de prioridade recusar o órgão.

    Após a cirurgia, sua mulher, Luciana Cardoso, compartilhou uma carta de agradecimento aos amigos, equipe médica e à família de quem doou os órgãos, entre eles o coração recebido pelo apresentador.

    Ela disse que, “em um momento de dor e sofrimento”, a família do doador “disse sim e permitiu que não só o Fausto pudesse ter mais tempo ao lado dos filhos, como tantos outros receptores que hoje estão comemorando essa recuperação”. “Fiquei muito feliz em saber que aqui, nesse mesmo hospital, uma pessoa por meio do SUS também recebeu desse mesmo receptor outro órgão e sua segunda chance de vida”, encerrou.

    Veja também: Faustão: novo coração teve recusa de equipe responsável pelo 1º da fila de transplante

    *Com informações de Flávio Ismerim