Após COI, premiê japonês também admite chance de adiar Olimpíada


Da CNN, em São Paulo
23 de março de 2020 às 03:19 | Atualizado 23 de março de 2020 às 08:54
Premiê japonês Shinzo Abe em conferência com liderenças do G7

Premiê japonês Shinzo Abe em conferência com liderenças do G7

Foto: Kyodo/ Via Reuters (17.mar.2020)

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, admitiu nesta segunda-feira (23) a possibilidade de adiamento das Olimpíada de Tóquio, prevista para ter início em julho, por conta da crise global pelo novo coronavírus (COVID-19).

A declaração ocorre um dia depois de o Comitê Olímpico Internacional declarar que estuda mudar o cronograma original e anunciará uma posição em até um mês. Na última semana, Abe, após se reunir com líderes do G7, declarou que queria realizar Jogos "completos" para provar que a humanidade havia derrotado a doença.

Nesta segunda, em sessão parlamentar, o premiê japonês recuou. "Se for difícil realizar os Jogos dessa maneira, temos que decidir adiá-los, dando prioridade máxima (à saúde dos) atletas", disse.

"Embora o COI tome uma decisão final (sobre o assunto), somos da mesma opinião que o cancelamento não é uma opção", acrescentou Abe, indicando que o evento poderia ser adiado, mas não cancelado.

Na noite deste domingo, o Comitê Olímpico Canadense informou que não eviará atletas aos Jogos caso não haja adiamento. O órgão foi o primeiro a oficializar um boicote, mas outros comitês nacionais — como o COB, representante brasileiro — já haviam se posicionado a favor de uma mudança de calendário. 

Em nota, o Comitê Olímpico Australiano também se mostrou contrário à realização dos Jogos no cronograma original e recomendou que seus atletas se preparem para "Olimpíada em 2021".

Comitê japonês

O presidente do Comitê Olímpico Japonês afirmou nesta segunda-feira (23) que também acha necessária a avaliação da possibilidade de adiar os Jogos diante dos crescentes pedidos dos outros países em razão da epidemia do novo coronavírus.

“Da perspectiva dos atletas em relação à segurança, chegamos a um estágio no qual não podemos evitar e temos que considerar o adiamento [dos Jogos Olímpicos], disse Yasuhiro Yamashita.

O presidente do comitê japonês, no entanto, ressaltou que um dos desafios se uma decisão como essa for tomada pelo COI – especialmente no caso de um adiamento por um longo período – está no fato de que os atletas teriam que disputar seletivas novamente para se qualificar para as Olimpíadas. (Com informações da Reuters)