Ponto de Vista: Cesar Cielo vê natação como esporte seguro durante pandemia


Da CNN
15 de julho de 2020 às 15:00 | Atualizado 24 de setembro de 2020 às 00:46


Em entrevista à CNN na tarde desta quarta-feira (14), Cesar Cielo, nadador e campeão olímpico e mundial, avaliou a reabertura de academias e a importância da atividade física em meio à pandemia do novo coronavírus. O atleta disse ainda que o adiamento das Olimpíadas de Tóquio para o próximo ano foi "uma decisão acertada".

"É possível manter estes locais [as academias] seguros. A gente precisa pensar que a falta de exercício físico é tão complicada e maléfica para a nossa sociedade, quanto o próprio vírus. Então levando em consideração o grupo de risco, que é o da terceira idade, é complicado você pedir para esse grupo ficar sem atividade física. Tudo tem que ser feito com equilíbrio e dentro dos critérios", afirmou.

Quanto à utilização das piscinas o atleta afirma que é  'um dos locais mais seguros que se pode estar' para a prática de exercícios físicos. "A água é cheia de cloro, é um ambiente totalmente inóspito para qualquer tipo de bactéria e vírus. Se você quer um esporte mais saudável hoje, eu vou indicar a piscina - seguindo todos os critérios de segurança", avalia.

Leia também:

Time da NFL Washington Redskins mudará de nome após protestos contra racismo

Japão cogita Olimpíada ‘simplificada’ em 2021, diz governadora de Tóquio

A rotina de Cielo também foi diretamente impactada pelos efeitos da pandemia. "Durante o momento de isolamento, foi bem difícil. No meu caso, como a gente vai falar de alto perfomance, a falta de um gesto específico faz muita falta. A gente chega a dar 15 mil braçadas por semana e, de repente, caiu para zero", disse.

O nadador, medalha de ouro nas olimpíadas de Pequim, em 2008, também aprovou o adiamento dos jogos de Tóqui de 2020 para 2021. "Acho que foi uma decisão muito acertada de terem adiado a Olimpíada para o ano que vem, tanto pela saúde, quanto para perfomance. Precisamos de tempo para esta retomada e isso vai levar um tempo", observou.

(Edição: Leonardo Lellis)