Por que o título de Dominic Thiem no US Open foi histórico


Da CNN, em São Paulo
14 de setembro de 2020 às 01:57 | Atualizado 14 de setembro de 2020 às 02:01
Dominic Thiem no Aberto dos Estados Unidos de 2020

Dominic Thiem no Aberto dos Estados Unidos de 2020

Foto: Instagram/ Reprodução

O Aberto dos Estados Unidos (US Open) de 2020 já seria único por ocorrer durante a pandemia, sem torcida e com o temor da contaminação de atletas. Pois a final masculina tornou a edição ainda mais histórica, com um jogo fora do comum.

O austríaco Dominic Thiem conseguiu uma incrível virada, após perder os dois primeiros sets da partida e em um longo tiebreak. Ele venceu seu amigo, o alemão Alexander Zverev, com parciais 2-6/ 4-6/ 6-4/ 6-3/ 7-6 em Nova York neste domingo.

Leia também:
Juíza atingida por bolada de Djokovic sofre ataques virtuais; tenista a defende

Assim, após três vice-campeonatos, Thiem se tornou o primeiro homem nascido nos anos 1990 a vencer um torneio de simples do Grand Slam. Nascido em 3 de setembro de 1993, ele completou 27 anos há alguns dias. Zverev, que nasceu em 20 de abril de 1997, tentava alcançar a mesma façanha. 

Thiem ainda se tornou o primeiro novo campeão masculino do Grand Slam americano desde Marin Cilic em 2014.

Em uma longa batalha, Thiem saiu vencedor após quatro horas, apesar de parecer ter cãibras nas pernas no tiebreak.

"Nos conhecemos em 2014 e imediatamente começamos a desenvolver uma grande amizade", disse o austríaco sobre Zverev, durante a entrega do troféu.

"Fizemos grandes coisas acontecerem dentro e fora da quadra. É incrível o quão longe nossa jornada nos trouxe, para compartilhar este momento. Eu gostaria que pudéssemos ter dois vencedores hoje. Ambos merecemos."

Zverev, aos 23 anos, queria se tornar o primeiro alemão a vencer um Grand Slam desde que Boris Becker venceu em Nova York em 1996.

Thiem, o segundo austríaco a ganhar um Grand Slam depois do título do Aberto da França de Thomas Muster em 1995, havia perdido todas as três finais do Grand Slam anteriores.

Suas duas finais no Aberto da França foram contra Rafa Nadal, 12 vezes campeão no saibro de Paris, enquanto no Aberto da Austrália deste ano ele foi derrotado em cinco sets pelo número um do mundo Novak Djokovic.

Desta vez, a porta se abriu para Thiem com Nadal optando por não competir durante a pandemia, Roger Federer lesionado e Djokovic exclúido após acertar uma juíza de linha com uma bolada.

(Com informações de Ravi Ubha, da CNN; e Martyn Herman, da Reuters)