Hamilton bate recorde e faz volta com a maior velocidade média da história da F1

Piloto da Mercedes completou os 5.793 metros do circuito de Monza em 1:18.887, com velocidade média de 264,362 km/h, e superou marca de Kimi Raikkonen, de 2018

Hamilton comemora com os mecânicos da Mercedes a pole position no GP da Itália, que valeu também o recorde de volta com a maior velocidade média da história da F1
Hamilton comemora com os mecânicos da Mercedes a pole position no GP da Itália, que valeu também o recorde de volta com a maior velocidade média da história da F1 Foto: Jennifer Lorenzini - 5.set.2020/ Reuters

Murillo Ferrari,

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O hexacampeão de F1, Lewis Hamilton, bateu mais um recorde neste sábado (5), durante a sessão de classificação para o Grande Prêmio da Itália, e estabeleceu a volta com a maior velocidade média da história da categoria.

O piloto da Mercedes completou os 5.793 metros do circuito de Monza em 1:18.887, com uma velocidade média de 264,362 km/h. Além do recorde – que inclui também a melhor volta na história do circuito –, o tempo lhe valeu também a primeira posição para a largada da corrida no domingo (6).

Foi também a 94ª pole position da carreira de Hamilton – sua sétima em Monza –, conquistada mesmo com a restrição no chamado “modo de festa” do motor, que permitia um mapeamento mais agressivo da unidade de potência do carro. 

A partir desta corrida na Itália, a Federação Internacional de Autombilismo (FIA) proibiu a utlização deste recurso para tentar equilibrar os treinos de classificação e o campeonato.

Assista e leia também:

Lewis Hamilton fala sobre solidão e ‘dias difíceis’

Hamilton vence GP da Bélgica e faz homenagem a Chadwick Boseman

Com volta da Turquia, Fórmula 1 anuncia as quatro últimas corridas de 2020

O recorde anterior da pista – e também de volta com maior velocidade média da F1 – era de 1:19.119 (com velocidade média de 263.587 km/h), marca estabelecida em 2018 por Kimi Raikkonen, então piloto da Ferrari.

O finlandês Valtteri Bottas, também da Mercedes, ficou com a segunda posição no grid de largada, seguido pelo espanhol Carlos Sainz, da McLaren. O GP da Itália começa às 10h10 de domingo (6).

“Performance fantástica da equipe hoje, inclusive em relação ao timing para nos colocar na pista. Eu realmente precisava de uma volta limpa e acho que consegui isso duas vezes”, disse Hamilton, após o treino.

“[A performance do] Valtteri estava muito, muito perto, me empurrando. Fiz algumas mudanças no decorrer da classificação, então estava um pouco nervoso para saber se era a coisa certa e se funcionaria.”

Hamilton é um dos pilotos mais bem pagos do esporte. Seu contrato com a Mercedes termina no fim de 2020 e, até o momento, ainda não foi renovado.

Hamilton estabeleceu recorde do Circuito de Monza: 1:18.887
Com tempo de 1:18.887 e velocidade média de 264,362 km/h, Hamilton estabeleceu também o novo recorde do Circuito de Monza
Foto: Luca Bruno – 5.set.2020/ Reuters

£ 333 milhões investidos em 2019

Quanto custa a operação de uma equipe vitoriosa na F1? No caso da Mercedes, a resposta foi divulgada neste sábado (5) com a publicação do balanço de 2019 da equipe: £ 333 milhões (equivalentes a R$ 2,3 bilhões).

Com o título de Hamilton e a vitória também entre os construtores no ano passado, a equipe conquistou sua sexta dobradinha na principal categoria do automobilismo.

Em 2019, a Mercedes venceu 15 das 21 corridas, incluindo 9 etapas com seus pilotos nas duas primeiras posições. Combinados, Hamilton e Bottas estiveram no pódio em 32 ocasiões.

Assista e leia também:

Fórmula 1 renova contrato com todas as 10 equipes até 2025

F1: Williams é vendida a grupo de investimento privado Dorilton Capital, dos EUA

Segunda prova da F1 no Bahrein terá traçado encurtado e voltas de ’55 segundos’

Ainda de acordo com o balanço, a equipe obteve um lucro após impostos de £ 14,7 milhões (R$ 103,5 milhões), aumento de 16,6% em relação ao lucro de £ 12,6 milhões (R$ 88,7 milhões) do ano anterior.

As contas da empresa mostraram ainda que a Mercedes teve uma participação de 23,6% na cobertura da televisão da F1, gerando um Valor Cumulativo de Publicidade na Televisão (AVE, em inglês) de US$ 5,4 bilhões (R$ 28,6 bilhões) para seus parceiros comerciais.

A partir de 2021 a Fórmula 1 terá um limite de orçamento de US$ 145 milhões (cerca de R$ 768 milhões) como parte das medidas destinadas a criar uma competição mais nivelada para as 10 equipes, bem como um futuro mais sustentável para a categoria.

Os salários dos pilotos e as despesas de marketing, no entanto, não serão afetados por esse limite.

(Com informações da Reuters)

Mais Recentes da CNN