Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fotógrafo registrou vida corporativa entre os anos 1990 e 2000 contrastante com atualidade

    Em um momento em que muitos estão questionando se escritórios são necessários, as imagens de arquivo do fotógrafo Steven Ahlgren de locais de trabalho americanos são um lembrete de um passado não muito distante

    Oscar Hollandda CNN

    Ouvir notícia

    O papel que os escritórios desempenhavam na vida cotidiana foi interrompido pela pandemia da Covid-19.

    Entre os trabalhadores norte-americanos capazes de realizar seus trabalhos em casa, quase seis em cada 10 agora o fazem a maior parte ou o tempo todo, de acordo com uma pesquisa do Pew Research Center publicada em fevereiro. Desses, apenas 42% citam o coronavírus como um dos principais motivos, com mais de três quartos dizendo que simplesmente o preferem.

    Então, em um momento em que muitos estão questionando se escritórios são necessários, as imagens de arquivo do fotógrafo Steven Ahlgren de locais de trabalho americanos são um lembrete de um passado não muito distante.

    Tiradas ao longo de 11 anos, as fotos oferecem um vislumbre da vida corporativa nos anos 1990 e início dos anos 2000. Ahlgren usou “bicos” que fez fotografando eventos de networking de negócios para garantir convites para escritórios de advocacia e contabilidade, escritórios governamentais e bancos comerciais.

    Enquanto estava lá, ele capturou escritórios equipados com computadores compactos, aparelhos de fax e labirintos de cabos que falam das mudanças tecnológicas que ocorreram nas últimas duas décadas. Mas as imagens do fotógrafo também são curiosamente íntimas, com funcionários vistos olhando para papéis, falando em telefones fixos ou participando de reuniões sob lâmpadas fluorescentes.

    “Eu dizia a eles: ‘Faça o que você normalmente faz, e eu vou assistir e tirar algumas fotos'”, disse ele por videochamada de sua casa em Media, Pensilvânia, acrescentando: “Eu apenas sentava e observava.”

    “É o mais próximo de um autorretrato que eu já fiz”, disse Ahlgren sobre esta fotografia. “Acho que eu era exatamente assim quando trabalhava no banco.” / Steven Ahlgren

    Afinal, Ahlgren podia se relacionar com seus temas: antes de se tornar um fotógrafo profissional, ele havia trabalhado como em um banco. Em particular, ele viu algo de si mesmo na imagem de um jovem de pé sobre uma máquina de xerox com as mãos enfiadas nos bolsos, aparentemente perdido em pensamentos.

    “É o mais próximo de um autorretrato que eu já fiz”, disse Ahlgren. “Acho que eu era exatamente assim quando trabalhava no banco.”

    “Tive amargura pelos anos que passei no setor bancário e senti que era tempo perdido”, acrescentou. “Então, quando eu comecei (o projeto) eu pensei, ‘Aqui estão pessoas desperdiçando suas vidas, assim como eu estava.’ Mas então comecei a realmente simpatizar com eles. Eles podem adorar seu trabalho.”

    De fato, vistas pelas lentes de hoje, as cenas ostensivamente monótonas oferecem um argumento convincente para a morte dos escritórios como os conhecíamos. Mares de paredes brancas e armários raramente são interrompidos por flashes de cor, seja de gravatas divertidas, decorações de cubículos ou obras de arte emolduradas.

    Mas para muitas pessoas, as imagens vão provocar uma sensação de nostalgia. Além disso, escondidas no bege estão representações de sucesso e realização. Ahlgren usou como exemplo uma imagem de duas mulheres de rosto severo sentadas sob quase uma dúzia de retratos de homens em um banco comercial — em meio aos interiores datados da sala de conferências está, segundo o fotógrafo, uma história de mulheres que tiveram sucesso no que ele chamou de “rede de garotos velhos” da América corporativa.

    “É o que você, o espectador, tira disso”, disse ele sobre sua série. “Porque você está trazendo para ele memórias que se relacionam com o que você pensou sobre aquele momento em particular.”

    Filtro de água no escritório de uma seguradora / Steven Ahlgren

    Criando tensão

    O passado corporativo de Ahlgren não foi a única fonte de inspiração. Ele também foi influenciado pela pintura a óleo de Edward Hopper “Office at Night”. Retratando um homem de terno atrás de sua mesa e uma jovem em um armário ao lado dele, a obra de 1940 convida os espectadores a especular sobre a possível relação entre os dois.

    Na década de 1980, Ahlgren — então cada vez mais entediado com seu trabalho como bancário em Minneapolis, Minnesota — fazia viagens regulares ao Walker Art Center, onde a pintura geralmente fica.

    “Isso me atingiu, e eu continuei voltando”, disse ele sobre a arte de Hopper. “O que eu tirei disso foi a ideia de que você poderia ter uma situação cotidiana muito simples e comum — e é difícil pensar em algo mais parecido com isso do que um escritório comum — e torná-lo algo dramático. Para preencher a tensão narrativa de algum modo.”

    O uso de iluminação similar à de Hopper usada por Ahlgren, que destaca assuntos solitários e projeta sombras geométricas evocativas, não foi inteiramente planejado: o fotógrafo nunca trouxe suas próprias luzes, então a iluminação clínica era sempre “o que quer que estivesse lá” no escritório. Mas a influência do pintor também é clara na intensidade silenciosa e na ambiguidade poética dos planos, com funcionários muitas vezes capturados sozinhos ou interagindo com figuras invisíveis e rostos obscurecidos.

    O novo livro de Ahlgren, “The Office”, que reúne mais de 60 quadros, aberto com uma imagem da obra do pintor americano. “Fiquei muito mais animado pensando na foto de Hopper deste escritório do que em qualquer trabalho que eu tivesse que fazer no meu”, escreveu ele na introdução que acompanhava.

    Ahlgren, que intencionalmente se fazia o mais discreto e “chato” possível, às vezes era convidado a participar de reuniões. / Steven Ahlgren

    No entanto, Ahlgren mantém boas lembranças de seu antigo escritório em Minneapolis — um “espaço bonito” preenchido com pinturas adquiridas pelo diretor de arte de sua ex-empresa, ele lembrou. E embora a pandemia tenha apresentado um momento ideal para revisitar a série, criticar a vida corporativa “nunca foi intenção das fotos”.

    Ele também não está convencido de que o “dilema de todo o escritório” causado pela pandemia signifique o fim dos locais de trabalho físicos.

    “Eu sei que seria difícil trabalhar em casa”, disse Ahlgren. “Vi minhas filhas, que estão na faculdade, e minha esposa trabalhando em casa. Isso me deixaria louco.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN