Elizabeth Warren endossa campanha de Biden à presidência dos EUA

Senadora por Massachusetts disse que ex-vice-presidente tem 'integridade, competência e o coração' necessários para governar o país

MJ Lee e Kate Sullivan, da CNN
15 de abril de 2020 às 11:22
Apesar de criticar Joe Biden durante debates, Elizabeth Warren afirmou que ele é um ‘parceiro comprometido’ em fazer coisas boas para os EUA
Foto: Edward M. PioRoda- 29.fev.2020/ CNN

A senadora norte-americana Elizabeth Warren endossou oficialmente a candidatura à presidência dos EUA do ex-vice-presidente Joe Biden nesta quarta-feira (15).

A ex-pré-candidata democrata formalizou seu apoio com uma mensagem de vídeo publicada no Twitter, na qual destacou a empatia que Biden oferece aos americanos em dificuldades.

"A empatia é importante. E, neste momento de crise, é mais importante do que nunca que o próximo presidente restaure a fé dos americanos em um governo bom e eficaz", disse Warren.

"Joe Biden passou quase toda a sua vida no serviço público. Ele sabe que um governo administrado com integridade, competência e coração salvará vidas e salvará meios de subsistência. E não podemos permitir que Donald Trump continue colocando em risco as vidas e os meios de subsistência de todo americano."

"É por isso que tenho orgulho de apoiar Joe Biden como presidente dos Estados Unidos", completou a senadora pelo estado de Massachusetts.

Assista e leia também:

Biden vence Trump em eleição geral para Casa Branca, diz pesquisa

Após ataques mútuos, Biden e Trump têm 'conversa amigável' sobre coronavírus

Warren é a última entre os principais rivais de Biden a apoiar o ex-vice-presidente. O endosso vem em um momento em que o Partido Democrata tenta se unificar e focar na campanha eleitoral nacional contra o presidente Donald Trump.

O ex-presidente Barack Obama anunciou apoio a seu ex-companheiro de governo na terça-feira. Na segunda, o senador por Vermont Bernie Sanders também anunciou que estará ao lado de Biden na disputa contra o líder republicano.

Warren, uma das líderes do movimento progressista, já foi considerada entre os principais candidatos à indicação democrata. A senadora centrou sua pré-campanha presidencial no combate à corrupção em Washington e divulgou mais de 70 planos de políticas que abordavam uma ampla gama de questões.

Mas, depois de resultados decepcionantes nas primárias em todo o país, especialmente na Superterça, e de não conseguir formar uma coalizão política mais ampla no partido, ela encerrou sua campanha presidencial em março.

Warren, que está mais alinhada com Sanders em posições políticas e ideológicas, criticou duramente o ex-vice-presidente na campanha democrata. Mas, depois de semanas de suspense, resolveu aderir à unificação do partido em torno de Biden.

“Quando você está em uma batalha com Joe [Biden] ao seu lado, você sabe que tem um parceiro comprometido em conseguir fazer algo bom para este país”, afirmou.