Policial que sufocou e matou homem negro nos EUA já era alvo de 18 queixas

O policial de Minneapolis Derek Chauvin foi demitido nesta semana, assim como outros três agentes envolvidos no caso

Mariana Toro, da CNN
29 de maio de 2020 às 11:21
Vídeo registrou o momento da abordagem feita a George Floyd
Foto: Reprodução - 28.mai.2020 / CNN

O agora ex-policial Derek Chauvin, que aparece em um vídeo pressionando o joelho contra o pescoço de George Floyd - que morreu durante a abordagem -, tinha 18 queixas registradas contra ele no Departamento de Polícia de Minneapolis, no estado norte-americano de Minnesota. Ainda não está claro o motivo de cada uma delas.

Chauvin foi demitido nesta semana, assim como outros três agentes que estavam presentes no momento em que Floyd foi abordado. A polícia informou que eles respondiam à denúncia de uma suposta fraude em uma loja.

Pressionado no chão, Floyd, um homem negro de 46 anos que estava desarmado, disse que não conseguia respirar. Pouco depois, ele foi declarado morto em um hospital próximo, segundo as autoridades. O caso desencadeou uma onda de protestos pelo país e pedidos para que os agentes envolvidos enfrentem acusações criminais.

Assista e leia também:
Irmão de George Floyd pede justiça: 'Os quatro policiais precisam ser presos'
Minneapolis: polícia divulga telefonema que levou guardas até George Floyd
Vídeo contradiz versão da polícia sobre morte de George Floyd

Somente duas das 18 queixas contra Chauvin foram “encerradas com medida preventiva”, com uma carta de advertência, informou a polícia de Minneapolis. E ele não é o único agente do caso Floyd com histórico de queixas.

O ex-policial Tou Thao tinha seis queixas registradas contra ele, e uma delas ainda estava aberta. As outras cinco foram encerradas sem medida disciplinar. Os demais agentes não apresentavam queixas contra eles.

Thao também fez parte de um caso em que um homem denunciou o uso de força excessiva por parte dos policiais em 2017. Na queixa, Lamar Ferguson disse que Thao e outro agente o submeteram a um castigo “cruel e incomum” quando o prenderam em outubro de 2014.

Segundo Ferguson, os policiais utilizaram “força irracional”, incluindo “golpes, chutes e joelhadas no rosto e no corpo”. Como resultado, ele teve dentes fraturados, hematomas e traumas.