Irmão de George Floyd pede justiça: 'Os quatro policiais precisam ser presos'

Homem morreu sufocado durante abordagem da polícia em Minneapolis, nos EUA

Da CNN
29 de maio de 2020 às 09:15


Philonise Floyd, irmão de George Floyd, homem negro de 46 anos assassinado por quatro policiais brancos, disse em entrevista exclusiva à CNN que espera que os policiais envolvidos no caso sejam presos e não apenas demitidos. Em fala emocionada, Philonise também comentou os protestos em defesa do irmão e pediu justiça. 

"Nunca vou ter meu irmão de volta. Nós precisamos de justiça e os quatro policiais precisam ser presos, pois eles executaram meu irmão em plena luz do dia. Quero que tudo seja pacífico, mas não consigo fazer todo mundo ser pacífico. É difícil", disse.

Leia também: 
Minneapolis: polícia divulga telefonema que levou guardas até George Floyd
Estas são as imagens de George Floyd que você deveria ver

Manifestantes protestam em Minneapolis, no estado de Minnesota, EUA, pelo terceiro dia consecutivo após a morte de George Floyd. Os protestos se intensificaram na noite de quarta-feira (27), com o registro de incêndio em um ponto da cidade. 

Durante as manifestações, mais de 170 comércios foram danificados ou saqueados e ao menos cinco edifícios foram incendiados, segundo a polícia local. Policiais e bombeiros foram encaminhados a esses locais. Na noite dessa quinta, os manifestantes também atearam fogo a uma delegacia.

Os quatro policiais envolvidos na ação foram demitidos da Polícia de Minneapolis. Mas a família de Floyd quer que eles sejam acusados de homicídio. O prefeito Jacob Frey pediu que o agente responsável pelo sufocamento – identificado como Derek Chauvin – seja acusado pelo crime. O advogado de Chauvin, Tom Kelly, não se pronunciou sobre as acusações. Os outros três agentes envolvidos no caso são Thomas Lane, Tou Thao e J. Alexander Kueng.

Prisão de equipe da CNN

O repórter da CNN Omar Jimenez, foi detido nesta sexta-feira (29) durante a transmissão ao vivo dos protestos em Minneapolis. Mesmo após se identificar como jornalista aos policiais, ele, o produtor Bill Kirkos e o fotógrafo Leonel Mendez, membros da equipe de Jimenez foram presos. O repórter Josh Campbell, branco e do mesmo grupo de jornalistas, chegou a ser abordado, mas, diferente de Jimenez – que é negro e latino –, não foi levado para a delegacia. Cerca de meia-hora depois, todos foram soltos.

No momento em que estava sendo algemado, Jimenez perguntou aos agentes por que ele estava sendo preso. Eles disseram que o jornalista foi instruído a mudar de lugar e não acatou à ordem. Antes do ocorrido, Jimenez pediu aos policiais para avisá-lo caso quisessem que ele e sua equipe se deslocassem.