Jill Biden diz que seu marido está pronto para o primeiro debate com Trump

À CNN, ela afirmou que Joe Biden é um líder 'calmo, firme, forte e resiliente'; CNN Brasil transmite debate às 22h de terça (29)

Veronica Stracqualursi, da CNN
27 de setembro de 2020 às 15:35
Em entrevista à CNN, Jill Biden disse que seu marido, Joe, é o líder ‘calmo, firme, forte’ que os EUA precisam
Foto: CNN

Jill Biden, esposa do candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que seu marido “está pronto” para enfrentar Donald Trump no primeiro debate presidencial na terça-feira (29) e acusou o presidente de tentar criar distrações com acusações falsas durante a campanha.

“Ele está pronto. Uma das coisas que está me entusiasmando é pensar no povo norte-americano vendo Joe Biden naquele palco”, disse Jill Biden ao âncora Jake Tapper, da CNN, em uma entrevista que foi ao ar neste domingo (27) no programa State of the Union.

“Eles vão ver como um presidente deve ser. Você sabe, alguém que é calmo, firme, forte e resiliente.”

Jill, que deu uma entrevista para Tapper na quinta-feira (24) em Hampton Roads, na Virgínia, disse que a diferença entre os candidatos é como “o dia e a noite”.

Assista e leia também:

Onde assistir ao primeiro debate entre Joe Biden e Donald Trump
Eleições nos EUA: Confira a agenda de debates dos candidatos a presidente e vice
CNN Mundo: a estratégia democrata para vencer as eleições nos EUA

O primeiro debate entre ambos, que são os candidatos dos dois grandes partidos dos Estados Unidos à Casa Branca, será transmitido na terça-feira (29) pela CNN Brasil a partir das 22h (horário de Brasília).

“Portanto, mal posso esperar para que o povo norte-americano veja Joe, para ver aquele estadista no palco”, comentou Jill.

Ambas as campanhas fizeram silêncio sobre como os candidatos estão se preparando para o debate, que terá duração de 90 minutos e terá como foco seis temas, entre eles a pandemia do novo coronavírus e a Suprema Corte.

De acordo com pessoas próximas à campanha, os primeiros preparativos de Biden se concentraram na leitura de comunicados e na realização de sessões menores com assessores especializados em políticas de governo.

Segundo as fontes, o ex-vice-presidente geralmente prefere que seus assessores o bombardeiem com perguntas rápidas do que conduzir debates fictícios.

Trump, de acordo com uma fonte familiarizada com os preparativos para o debate, está estudando os ataques esperados de Biden.

A doutora Jill Biden defendeu seu marido contra falsas acusações que Trump promoveu em seu perfil no Twitter, chamando os ataques de “distração”.

“Donald Trump olha para Joe e diz: ‘Oh meu Deus, você sabe, essa é a minha competição, o que posso fazer para distrair as pessoas?’. É o que ele vem tentando fazer, mas Joe é forte”, disse.

Assista e leia também:

Entenda o plano dos democratas para impedir a posse da juíza indicada por Trump
Alguns jovens ativistas não estão empolgados com a chapa Biden-Harris; entenda
Coach mostra como Biden pode vencer Trump no debate nos EUA

Perguntada sobre a recusa de Trump em se comprometer com uma transição pacífica do poder após o dia da eleição caso ele perca, Jill Biden disse à CNN que “Joe pretende fazer uma transição de poderes ordenada”.

“Estes são os Estados Unidos de Donald Trump. É o caos e, você sabe, ele causa explosões simplesmente fazendo um ou outro comentário. Não, voltemos para Joe Biden. Temos calma, temos uma liderança firme, não temos todo esse caos nos EUA”, disse ela.

Ela também foi questionada sobre o apoio recente de Joe Biden vindo de Cindy McCain, a viúva do falecido senador republicano John McCain – que Trump atacou mesmo depois de sua morte.

Jill Biden disse a Tapper que “foi preciso muita coragem” para Cindy McCain apoiar seu marido, já que ela faz parte do Partido Republicano.

“Joe e John discutiam sobre os problemas e viam as coisas de maneira totalmente diferente. Mas, no fim do dia, a gente jantava ou viajava juntos, ou o que quer que fosse”, contou Jill Biden sobre sua família e os McCain.

"Quero dizer, havia verdadeira civilidade no governo. E é para isso que acho que devemos voltar”, acrescentou.

Dan Merica, Eric Bradner, MJ Lee, Arlette Saenz e Kylie Atwood contribuíram para esta história.

(Texto traduzido, leia o original em inglês).