Twitter suspende a conta de Donald Trump permanentemente

Empresa tomou a decisão dias depois da invasão do Congresso americano pelos apoiadores do presidente

Will Marinho, da CNN, em São Paulo
08 de janeiro de 2021 às 20:35 | Atualizado 08 de janeiro de 2021 às 21:21

 

O Twitter suspendeu permanentemente nesta sexta-feira (8) a conta do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. De acordo com a rede social, a suspensão foi motivada "pelo risco de mais incitação à violência"  por parte de Trump.

Em nota a empresa ainda ressaltou que o presidente desrespeitou suas regras. A proibição ocorre dias depois da invasão do Congresso americano por manifestantes pró-Trump. 

Conta de Trump está suspensa e não pode mais ser acessada

Conta de Trump está suspensa e não pode mais ser acessada

Foto: Divulgação 

Leia e assista também:
Democracia dos EUA sofre um ataque inédito, diz Biden após invasão ao Congresso
Invasão ao Capitólio deixa sequelas na democracia dos EUA e na história de Trump
Biden anuncia novos nomes da sua equipe econômica a duas semanas da posse

Manifestantes forçaram a passagem até que os policiais do Capitólio não deram conta de segurar a multidão. Eles passaram em fila pela sala das estátuas dos heróis que fizeram parte da história americana, enquanto senadores e representantes da Câmara foram retirados às pressas.

Horas depois de o Capitólio ser invadido, Trump divulgou um vídeo repetindo que as eleições foram roubadas e pediu para que os seus eleitores deixassem o prédio. Era tarde, pois mais cedo foi o próprio presidente que incitou seus eleitores a se manifestarem mais energicamente.

Facebook e Instagram 

O Facebook e o Instagram vão estender o bloqueio das contas do presidente dos EUA, Donald Trump, por pelo menos mais duas semanas até que a transição presidencial seja concluída e Joe Biden assuma a presidência, anunciou nesta quinta-feira (7) Mark Zuckerberg.

Em uma publicação no próprio Facebook, o CEO da rede social afirmou acreditar que “os riscos de permitir que o presidente [Trump] continue a usar os serviços durante esse período são simplesmente grandes demais”.

O fundador do Facebook afirmou que os eventos na capital americana, onde apoiadores de Trump invadiram na quarta-feira (6) o prédio do Capitólio, "demonstram claramente que o presidente Donald Trump pretende usar seu tempo restante no cargo para minar a transição pacífica e legal de poder para seu sucessor eleito, Joe Biden".

A Apple também ameaçou retirar da App Store a rede social Parler a menos que a companhia altere suas políticas de moderação de conteúdo, afirmou o presidente-executivo da Parler, John Matze, nesta sexta-feira.

Parler é uma rede social para onde muitos apoiadores de Donald Trump migraram depois de serem expulsos de serviços como o Twitter. 

(Com informações de Murillo Ferrari)