Médicos do País de Gales relatam queda nas emergências ligadas a Covid-19

País já foi apontado como uma das áreas mais afetadas pelo novo coronavírus no Reino Unido

Nick Paton Walsh, Jo Shelley e Christian Streib, da CNN
16 de fevereiro de 2021 às 19:35 | Atualizado 16 de fevereiro de 2021 às 19:36
Veículo da Welsh Ambulance Services NHS Trust
Veículo da Welsh Ambulance Services NHS Trust
Foto: Divulgação

Cardiff, no sul do País de Gales, foi duramente atingida pelo novo coronavírus. Mas durante os dois dias que a CNN passou com suas equipes, as suspeitas de chamadas de emergência por conta da Covid-19, diminuíram drasticamente.

O frio intenso de Cardiff, a meia-luz do amanhecer e o pulso de radioestática das chamadas são iguais a todos os turnos do ano passado, mas enquanto a paramédica Angie Dymott e sua colega Lynda Stephens entram na ambulância em uma manhã recente, algo pequeno, mas vital mudou. Houve poucas chamadas de emergência para Covid-19 nos últimos dois dias.

"Algumas semanas atrás, isso é tudo o que faríamos", disse Dymott. "Chamados de Covid-19 durante o dia todo. Então, de repente, caiu rapidamente. A mudança é boa e surpreendente", ressaltou.

Dymott e Stephens atenderam dois chamados no dia: uma mulher de meia-idade que confirmou positivo para o vírus, sem sintomas graves, e outra mulher de 75 anos, que está esperando por um resultado de teste mais claro. Na quinta-feira (11), houve apenas quatro chamadas em toda a população de 400.000 pessoas que moram em Cardiff.

O País de Gales já foi apontado como uma das áreas mais afetadas pela Covid-19 no Reino Unido, que por si só tem uma das piores taxas de mortalidade do mundo. Mas na sexta-feira (12), Cardiff teve uma boa notícia: a conclusão da imunização dos grupos prioritários ??antes do prazo. Apresentando uma eficiência maior do que o já apresentado pelo próprio Reino Unido.

Alguns questionam se as vacinas podem estar desempenhando um papel na redução de pacientes idosos necessitados. "E claro, existem casos que são exceções. Como o de Khatun Makani, idosa de 75 anos, que fez um teste caseiro e confirmou positivo para Covid-19. Porém, Makani havia pego um resfriado e uma infecção no peito que pode ter tornado falso o diagnóstico", disse Dymott.

"Estou tremendo e minha boca está muito seca", disse Makani, parada na porta da frente. Sua fragilidade é enfatizada pelo barulho de um enorme cachorro da família trancado em outro quarto e pela notícia de que seu filho, Raheem, um DJ local que o morreu dias atrás de um ataque cardíaco não relacionado a Covid-19. 

Makani disse que não queria ir para o hospital e Dymott concordou que ela pode ficar melhor em casa, aos cuidados de vizinhos que ela conhece. "Ela está com o coração partido", disse Dymott.
Embora Makani esteja visivelmente sem fôlego, ela disse que havia tomado a vacina duas semanas antes e deveria começar a ver alguma progressão nos próximos dias.

Este é o "novo normal" para a população inglesa: os pacientes idosos e frágeis que normalmente corriam para tratar os sintomas do novo coronavírus, aqui no País de Gales, já receberam a vacina. É por isso que ao longo desses dois dias, diminuiu o número de idosos internados pela doença?

O primeiro-ministro do País de Gales, Mark Drakeford, disse à CNN que acredita que o bloqueio antecipado que ele ordenou antes do Natal foi o que provavelmente está por trás de qualquer queda nas chamadas e casos de emergência. Mas ele aceitou que as vacinas também podem estar começando a desempenhar um papel.

"Sabemos que faltam três semanas para que a vacina comece a fazer a diferença e estamos com apenas 66 dias de nosso programa no total hoje. O que realmente fez a diferença foi a decisão que tomamos de entrar em um bloqueio antes do Natal"

Mark Drakeford, primeiro-ministro do País de Gales

 

Embora seja muito cedo para determinar se a queda nos casos que a CNN testemunhou está relacionada ao distanciamento social ou às vacinas, o Reino Unido registrou uma diminuição nos casos em todo o país após semanas de bloqueio nacional.

No domingo, o Reino Unido anunciou que atingiu sua meta de imunizar os 15 milhões mais vulneráveis com pelo menos uma primeira dose da vacina contra a Covid-19. O número representa cerca de 20% da população.

Para Dymott, isso é rápido o suficiente: "Isso é tudo que ouvimos sobre a vacina. As pessoas estavam chamando de milagre do Natal. Portanto, é bom ver que ela realmente entrou em ação agora e apresentando algum efeito. "

"Esperamos realmente que não haja uma terceira onda", acrescentou Stephens. "Penso que estamos todos exaustos agora. Espero que esta vacina seja a resposta para manter tudo sob controle" O Serviço de Ambulâncias Galês foi duramente atingido. Os funcionários da linha de frente tiveram que entrar diariamente em casas onde as infecções por Covid-19 são comuns. A maioria perdeu quatro ou mais colegas na pandemia.

Na última terça-feira (9), Alan Haigh, 59, técnico de emergência médica com 22 anos de serviço, morreu no hospital, vítima do novo coronavírus. E no domingo, eles perderam mais um amigo: Kevin Hughes, 41, de Valley, Anglesey, que trabalhava como técnico de T.I no hospital.

Por algumas semanas, em abril, Dymott ficou preocupada que ela também pudesse morrer do vírus, quando um atendente de emergência tornou-se um paciente.

"Eu tinha náuseas, vômitos e dores de cabeça constantes", disse ela. "Não tive a tosse persistente que todo mundo diz, mas estava com febre alta. E embora continuasse dizendo a mim mesma, sou saudável e sou jovem, ainda pensava que poderia morrer a qualquer momento"

Angie Dymott, paramédica do Welsh Ambulance Service

 

Ela explicou que se mudou para o hospital por volta do oitavo dia, preocupada com a possibilidade de sua condição piorar repentinamente. 

Stephens, um técnico de emergência médica avançado que trabalhou ao lado de Dymott por 12 anos - na medida em que os dois terminaram a sentença um do outro , disse que a hospitalização de Dymott causou algum pânico. "Eu estava com medo, porque ela piorava a cada dia", explicou o técnico que não tinha certeza se poderia votal ao trabalho sem Dymott.

No ano passado, Dymott foi chamada com urgência para tratar de seu vizinho imediato. “Entrei e soube imediatamente que ela não estava bem”, lembrou. "Foi muito, muito difícil. Porque eu tive que olhar para ela não só como uma amiga, mas também, como eu olharia para um dos meus próprios pacientes, e dizer a ela que ela realmente precisava ir para o hospital. Ela faleceu cinco dias depois. "

Stephens se lembra dos momentos muito frequentes na parte de trás da ambulância, quando as famílias se despedem de seus entes queridos pelo que poderia ser a última vez. "Acho que todo mundo está bem ciente que eles podem não ver sua família, aquela pessoa de novo. Você apenas os deixa se despedir e então conforta o paciente no caminho para o hospital o máximo que puder."

A equipe raramente descobre o destino final de seus pacientes, mas Stephens se lembra do rosto de uma mulher quando ela saiu. “Eu possivelmente acho que aquele paciente não teria voltado”, disse ela. "Outros pacientes que entram, você sabe que eles estão muito mal, mas espera que eles tenham uma recuperação. Acho que aquele paciente em particular provavelmente não teria."