Lava da erupção vulcânica para perto de cidade na República Democrática do Congo

Cidade com 2 milhões de habitantes quase foi devastada pela lava

Reuters
23 de maio de 2021 às 06:11 | Atualizado 23 de maio de 2021 às 07:58
Fumaça e chamas de erupção vulcânica
Habitantes de Goma, na República Democrática do Congo, observam fumaça e chamas de erupção vulcânica
Foto: Djaffar Al Katanty/Reuters (22.mai.2021)

Um rastro de lava fumegante de uma erupção vulcânica parou a algumas centenas de metros da borda da principal cidade da República Democrática do Congo na manhã deste domingo (23), relatou um repórter da Reuters no local.

Goma, uma cidade à beira de um lago com cerca de 2 milhões de habitantes, entrou em pânico na noite de sábado quando o vizinho Monte Nyiragongo entrou em erupção, transformando o céu noturno em um vermelho assustador. Milhares fugiram com seus pertences a pé, alguns em direção à fronteira com Ruanda.

Quando o sol nasceu no domingo, grande parte da encosta ao norte da cidade foi queimada e as casas foram demolidas. O céu estava novamente de um cinza nublado.

"As autoridades locais que monitoraram a erupção durante a noite relataram que o fluxo de lava perdeu intensidade", disse o porta-voz do governo Patrick Muyaya no Twitter no domingo.

A erupção anterior do Nyiragongo, em 2002, matou 250 pessoas e deixou 120 mil desabrigados. Ele é um dos vulcões mais ativos do mundo e é considerado um dos mais perigosos. A erupção de sábado parece ter sido causada quando fraturas se abriram na lateral do vulcão, causando fluxos de lava em várias direções.

Os especialistas estavam preocupados que a atividade vulcânica observada nos últimos cinco anos em Nyiragongo espelhe a dos anos anteriores às erupções em 1977 e 2002.

Lava para perto da cidade do Congo após erupção vulcânica
Foto: Reuters

O repórter da Reuters disse que o fluxo de lava parou perto do aeroporto de Goma e dos limites da cidade, mas que as aldeias vizinhas foram atingidas.

A lava cruzou uma estrada principal que sai de Goma, cortando as cidades ao norte. O trânsito estava congestionado na maioria dos lugares, pois as pessoas tentavam sair ou voltar para avaliar os danos às suas casas.

Não foi possível estimar os danos materiais ou se alguém morreu.

Um fluxo de lava separado que seguia para o leste sobre um terreno despovoado em direção a Ruanda também parecia ter parado, disse o repórter