Indonésia enfrenta crise devastadora da Covid-19 — e situação ainda pode piorar

Com mais de 2,7 milhões de pessoas infectadas e mais de 70 mil mortos, quem está de fora faz um alerta: o país pode não ter atingido seu pico

Masrur Jamaluddin, Atika Shubert e Julia Hollingsworth, da CNN
18 de julho de 2021 às 08:30
Indonésia covid-19
Segunda onda de Covid-19 na Indonésia pode estar longe do fim
Foto: Wisnu Agung Prasetyo/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

A última vez que Aris Suharyanto viu sua esposa foi pela janela de um hospital. Ele nunca conheceu seu bebê recém-nascido.

Quando a esposa grávida de Suharyanto, Rina Ismawati, e dois de seus três filhos adoeceram no mês passado, ele inicialmente pensou que era um resfriado comum. Mas com os casos de Covid-19 crescendo na Indonésia, ele os levou para fazer o teste.

Toda a família teve resultados positivos para Covid-19, incluindo Suharyanto — e Ismawati, de 43 anos, foi internada no hospital, onde se deitou, ocasionalmente enviando mensagens a Suharyanto pelo WhatsApp. "Ela me disse que sua condição estava piorando", disse Suharyanto. "Ela não conseguia respirar."

Temendo por seu bebê, os médicos realizaram uma cesariana. Mas quando Riski Aulia nasceu no mês passado, ele estava com Covid-19 e também estava lutando para respirar. Sua esposa pediu-lhe que a levasse para casa, longe da unidade de terapia intensiva onde tantos outros pacientes morreram, mas seu estado de saúde era muito grave para ela ser transferida. 

Em 22 de junho, Riski morreu no hospital. Suharyanto só o tinha visto em uma foto. No dia seguinte, Ismawati também morreu.

A esposa e o filho de Suharyanto são apenas duas das vítimas do devastador e crescente número de casos de Covid-19 na Indonésia, o quarto país mais populoso do mundo, que está rapidamente se tornando o novo centro da crise do coronavírus na Ásia.

Durante semanas, a Indonésia, onde vivem cerca de 270 milhões de pessoas, tem relatado milhares de casos diários e centenas de mortes, à medida que a variante Delta, altamente contagiosa, devasta o país.

As redes sociais estão inundadas com postagens de usuários que perderam entes queridos para o vírus.

Os hospitais estão ficando perigosamente sem suprimentos, as escavadeiras estão cavando freneticamente covas em cemitérios e o isolamento continua impossível para milhões como Suharyanto que vivem com um salário baixo.

O país também enfrenta o desafio adicional de desinformação generalizada e galopante e uma taxa de vacinação de menos de 6% .

Com mais de 2,7 milhões de pessoas infectadas e mais de 70 mil mortos, quem está de fora faz um alerta: o país pode não ter atingido seu pico.

Como isso aconteceu

Durante grande parte do ano passado, a Indonésia conseguiu manter o surto de Covid-19 sob controle. Então, conforme os casos aumentaram em junho, sobrecarregando os hospitais, a Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho alertou que a Indonésia estava "à beira de uma catástrofe" .

O país viu um "aumento dramático nos casos confirmados" após os feriados festivos, disse o ministro da Saúde da Indonésia, Budi Gunadi Sadikin, no início deste mês. Ele atribuiu a explosão em casos à variante Delta, de rápida disseminação, que foi identificada pela primeira vez na Índia e, desde então, se espalhou por quase 100 países.

A Indonésia entrou em um bloqueio em 10 de julho, momento em que o país estava relatando mais de 30.000 novos casos a cada dia. O governo disse que está "mobilizando todos os recursos" para lidar com o surto de Covid-19, incluindo o transporte de oxigênio de outros países para aumentar o fornecimento.

Profissional da saúde prepara vacina contra Covid-19
Foto: Guilherme Dionízio/Estadão Conteúdo (22.jun.2021)

Mas especialistas dizem que a Indonésia agora está arcando com o custo de não fechar as portas a tempo.

E os números atuais provavelmente não capturam o quadro completo. Mais de 27% dos testes deram positivo, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, dando à Indonésia uma das taxas de positividade de teste mais altas do mundo. Os números sugerem que muitos casos ainda não foram detectados.

Uma pesquisa publicada no sábado passado mostrou que quase metade dos residentes de Jacarta podem ter contraído Covid-19 — mais de 12 vezes o número de casos registrados oficialmente na capital indonésia na época em que a pesquisa foi realizada.

“Sem os testes apropriados, muitas províncias são incapazes de isolar os casos confirmados a tempo”, disse a Organização Mundial da Saúde em seu relatório de situação mais recente .

Só um resfriado comum

Outra grande barreira para controlar o surto na Indonésia é a enxurrada de desinformação.

Durante meses, as mensagens do WhatsApp espalharam notícias falsas sobre tratamentos ineficazes com Covid-19. Mentiras sobre as vacinas circularam nas redes sociais, fazendo com que algumas pessoas não quisessem tomá-las por medo de que pudessem causar doenças graves ou morte.

E por causa da desinformação, muitas pessoas na Indonésia ainda não estão levando a Covid-19 a sério, mesmo com o aumento de casos ao redor delas.

Em meio a todo o barulho, os avisos sobre a gravidade do vírus estão sendo perdidos.

Algumas semanas atrás, Karunia Sekar Kinanti, 32, notou que seu filho de dois meses, Zhafran, estava com febre, mas ela presumiu que fosse apenas um resfriado comum.

Sua mãe estava com gripe e tosse, mas Kinanti não achava que fosse Covid porque ela ainda tinha olfato. "Seus sintomas não pareciam ser de Covid-19, então eu estava calma", disse ela. "Então Zhafran, eu e meu outro filho também adoecemos."

Duas semanas atrás, quando ele ficou mais fraco e começou a perder a respiração, ela levou Zhafran ao hospital, onde exames mostraram que a Covid-19 já havia danificado seu pulmão direito.

Ela se lembra do médico dizendo para ela se preparar para o pior. "Você pode ser otimista, mas tudo depende de Deus", ela se lembra que o médico disse.

Em 5 de julho, a mãe de Kinanti morreu. Kinanti ainda não sabe se sua mãe teve Covid porque ela não foi testada. Kinanti não foi ao funeral — ela estava no hospital com seu filho pequeno.

Aman B. Pulungan, presidente da Sociedade Pediátrica da Indonésia, disse que é comum os pais presumirem que seus filhos não têm Covid-19, em parte porque muitas pessoas na Indonésia não sabem que as crianças podem ser infectadas.

As famílias pouco fazem para proteger as crianças do vírus e, mesmo quando estão infectadas, os pais costumam pensar que é um resfriado comum. As escolas foram fechadas no ano passado e foram fechadas novamente como parte deste último bloqueio, mas as crianças indonésias estão atualmente em férias de verão.

"Não protegemos nossos filhos. Este é o problema", disse ele.

O problema mais amplo é o ceticismo contínuo em relação à Covid-19, de acordo com um artigo publicado no mês passado por Yatun Sastramidjaja, um membro associado do Programa de Estudos Sociais e Culturais Regionais do Instituto Yusof Ishak em Cingapura, e Amirul Adli Rosli, pesquisador da o mesmo instituto. 

Análise das variantes da Covid-19
Foto: Getty Images (Adene Sanchez)

“Um tipo mais extremo de comentário tem circulado nas redes sociais, questionando a legitimidade da resposta do governo à pandemia como um todo e até mesmo descartando qualquer informação oficial sobre a Covid-19”, escreveram eles.

Recursos sobrecarregados

Quando Kinanti e seu bebê Zhafran chegaram ao hospital, todos os leitos da unidade de terapia intensiva já estavam ocupados.

Um funcionário da recepção ficou com pena de Zhafran e os ajudou a conseguir um quarto. No dia seguinte, eles foram transferidos para uma sala de isolamento com outras crianças infectadas com Covid-19. Zhafran era o mais jovem de todos, disse ela.

Quando Kinanti conversou com a CNN no início deste mês, ela disse que havia nove crianças no quarto do hospital com eles, e muitos mais estavam esperando por camas.

A crise da Indonésia agora está se desenrolando de maneira semelhante à da segunda onda da Índia, com escassez de tanques de oxigênio e pacientes indo de hospital em hospital tentando encontrar ajuda. Sudirman Said, secretário-geral da Cruz Vermelha da Indonésia, disse que os pacientes viajavam horas para ter acesso a cuidados médicos vitais.

"Os pacientes estão apenas esperando por novas mortes para que possam ter a chance de sobreviver dentro de um hospital", disse a diretora executiva do Projeto HOPE para a Indonésia, Edhie Rahmat, em um comunicado no início deste mês, acrescentando que muitos hospitais construíram tendas para cuidar de pacientes fora dos edifícios. "O pico da segunda onda de Covid-19 na Indonésia ainda não foi alcançado."

O surto e a escassez de leitos hospitalares tornam as pessoas com doenças subjacentes ainda mais vulneráveis. De acordo com Pulungan, da Sociedade Pediátrica da Indonésia, muitas crianças que morrem de Covid-19 têm outros problemas de saúde.

Esse foi o caso do bebê de Tantien Hermawati, Baswara Catra Wijaya, que nasceu com uma doença cardíaca.

Ela acredita que ele pode ter sido infectado com Covid-19 quando estava no hospital em novembro do ano passado para fazer uma cirurgia para sua condição. Depois que ele pegou Covid-19, ela mal conseguia olhar para o rosto do bebê — era óbvio que ele estava com dor.

Ele morreu em 11 de dezembro de 2020, antes mesmo de completar quatro meses de idade.

Hermawati acredita que ela teve sorte — pelo menos ela pôde comparecer ao funeral.

Ela aconselha os outros pais a serem mais cuidadosos e cautelosos do que ela e a ficarem em casa para evitar a exposição dos filhos à Covid.

"É muito triste se nossos filhos são infectados — nossos bebês não podem nos dizer que parte de seus corpos está doendo, e também não sabemos. Portanto, por favor, fique em casa e obedeça ao protocolo de saúde."

O futuro

A principal esperança da Indonésia para enfrentar a crise em espiral são as vacinas, disse o presidente do país, Joko Widodo, na quarta-feira.

“O acesso justo e igualitário às vacinas deve ser garantido, pois vemos que ainda existe uma grande lacuna no acesso às vacinas em todo o país”, disse ele, segundo a Antara News.

No início deste mês, a Casa Branca anunciou que enviaria 3 milhões de doses da vacina Moderna para apoiar a Indonésia contra o aumento. Na terça-feira, mais de 3 milhões de doses da vacina Covid-19 da AstraZeneca chegaram à Indonésia por meio do programa COVAX global, a oitava remessa desse tipo a chegar ao país. A Indonésia recebeu mais de 14 milhões de vacinas por meio do programa, de acordo com a mídia estatal.

Mas para os milhões já afetados pela Covid, as vacinas chegarão tarde demais.

Para Kinanti e seu bebê Zhafran, a situação está melhorando. Seu médico está mais otimista sobre sua sobrevivência, mas avisa que Zhafran pode sempre ter sua capacidade pulmonar reduzida. 

Ela diz que subestimou Covid e achou impossível que isso pudesse afetar seu filho: "Cheguei atrasada ao hospital e realmente me arrependo".

Suharyanto, pai de três filhos, vive com a culpa de não saber se trouxe Covid-19 para sua casa. Ele trabalha como motorista de moto-táxi na cidade de Semarang, na província central de Java; ele estava sempre indo e vindo — mas sua esposa ficava em casa.

"As crianças já estão bem. Mas eu ainda choro sozinho. Lamento as coisas, mas nunca imaginei que isso pudesse acontecer", disse ele. "Ainda não consigo acreditar que ela se foi tão rápido."

Suharyanto quer que as pessoas entendam que Covid não é uma notícia falsa ou uma conspiração — para ele, é dolorosamente real.

"Eles nunca perderam a sua família por causa da Covid", disse ele.

(Texto traduzido. Leia o original em inglês.)