Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Agência Internacional Atômica não registra alta de radioatividade após fogo em usina

    Usina nuclear de Zaporizhzhia foi incendiada após um ataque realizado por tropas russas

    Douglas Portoda CNN*

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    O órgão regulador ucraniano informou à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, em inglês), que não houve alteração relatada nos níveis de radiação da usina nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia, após um ataque promovido pelas tropas russas contra a área onde funciona a usina. A ofensiva provocou um incêndio nas proximidades da usina nuclear. 

    Segundo as autoridades ucranianas, um prédio de treinamento fora do perímetro da usina foi atingido. O diretor de Zaporizhzhia disse à rede de televisão Ukraine 24 que a segurança contra radiação havia sido estabelecida no local.

    O porta-voz Andrii Tuz afirmou que a usina não sofreu nenhum dano crítico, embora apenas uma unidade de geração de energia entre seis esteja operando. Ele ainda declarou que, pelo menos, uma unidade geradora de energia da usina nuclear foi atingida durante o conflito.

    “Muitos equipamentos técnicos foram atingidos”, explicou o porta-voz à CNN. Tuz ainda comunicou que as tropas ucranianas estão com o controle de Zaporizhzhia.

    O ataque teria ocorrido nas primeiras horas da manhã de sexta-feira (4), no horário local – por volta de 21h da quinta-feira pelo horário de Brasília.

    As autoridades informaram que as tropas russas estavam intensificando os esforços para tomar a usina e tinham entrado em Enerhodar com tanques. Antes do início do fogo, a Ucrânia alertou a AIEA sobre o caso.

    O diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, conversou com o primeiro-ministro da Ucrânia, Denys Shmygal, e com o regulador e operador nuclear ucraniano sobre a situação na usina, e apelou para a suspensão do uso da força, alertando para um grave perigo se os reatores forem atingidos.

    (*Com informações da CNN Internacional e da Reuters)

    Mais Recentes da CNN