Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: após ligação com Zelensky, Xi Jinping se coloca como agente mediador

    Líder chinês já havia se encontrado com Putin meses atrás; Analistas veem aproximação com Ucrânia como um passo para acalmar os temores da Europa, mas muitos colocam dúvidas sobre as reais intenções do governo de Pequim

    Presidente da China, Xi Jinping
    Presidente da China, Xi Jinping 1/7/2022 Selim Chtayti/Pool via REUTERS/File Photo

    Simone McCarthyda CNN*

    Hong Kong

    Um telefonema há muito esperado entre o líder chinês Xi Jinping e o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky na quarta-feira (26) recebeu uma recepção incerta em Washington e em partes da Europa por seu potencial de aumentar o diálogo para resolver a guerra brutal da Rússia na Ucrânia.

    E também marca o passo mais concreto dado até agora pela China para assumir o papel de mediador que durante meses aludiu desempenhar.

    Mas a conversa de uma hora, que se acredita ser a primeira entre os dois líderes nos quatorze meses desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, também vem com poucas propostas tangíveis de como a China pode ajudar a superar a divisão devastada pela guerra entre os dois países.

    E a hora em que ocorreu – em um momento em que Pequim está fortemente focada em fortalecer os laços com a Europa em meio a relações com os Estados Unidos – também sugere que há mais motivadores do que apenas a paz no cálculo da China, dizem analistas.

    Os laços estão desgastados desde o início da guerra, enquanto os líderes europeus observam consternados Pequim se recusar a condenar a invasão e, em vez disso, reforçar seus laços econômicos e diplomáticos com Moscou, inclusive se juntando ao Kremlin para culpar a Otan por alimentar o conflito.

    Os esforços de Pequim para reparar essas relações sofreram um grande tropeço no início desta semana, depois que o principal diplomata da China em Paris sugeriu em uma entrevista na televisão que os ex-estados soviéticos não têm status sob a lei internacional – visto como um aceno potencial à visão de Vladimir Putin de que a Ucrânia deveria fazer parte da Rússia.

    “É difícil separar o momento da ligação de Xi-Zelensky desses eventos”, disse Brian Hart, membro do Projeto de Energia da China do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais de Washington.

    “Xi provavelmente cronometrou a ligação para acalmar os temores na Europa, mas resta saber se a ligação ajudará muito Pequim […] Os altos escalões em Pequim recuaram nas declarações do embaixador, mas o estrago estava feito, atrasando as tentativas de Pequim de suavizar sobre o agravamento dos laços com grande parte da Europa”, acrescentou.

    O presidente russo Vladimir Putin com o líder chinês Xi Jinping / Mikhail Svetlov/Getty Images

    “Muitos créditos”

    Zelensky, que por meses demonstrou interesse em falar com Xi, expressou esperanças no papel da China pela paz após a ligação, caracterizando-a em seu discurso noturno aos ucranianos como uma “oportunidade de usar a influência política da China para restaurar a força dos princípios e regras sobre o qual a paz deve ser baseada”.

    Xi, por sua vez, prometeu que a China “não ficaria de braços cruzados” e planejava mandar um enviado especial para impulsionar a comunicação “com todas as partes” em direção às negociações de paz, de acordo com uma leitura chinesa da ligação – um movimento que é semelhante à medidas que Pequim tomou em outros conflitos regionais, incluindo Afeganistão e Síria.

    Mas o que exatamente a China poderia ou espera alcançar permanece longe de ser claro, já que poucos detalhes concretos após a nomeação do enviado Li Hui, um ex-embaixador chinês na Rússia, foram divulgados por Pequim.

    Enquanto isso, a guerra continua com a Rússia não querendo desistir de territórios conquistados ilegalmente e a Ucrânia prometendo lutar até restaurar suas fronteiras legítimas.

    “Os chineses também têm expectativas realistas sobre o que podem alcançar, pois ninguém acredita que a Rússia ou a Ucrânia estejam prontas para sentar e conversar neste momento”, disse Yun Sun, diretor do Programa China no think tank Stimson Center de Washington.

    Em vez disso, a decisão da China de ligar para Zelensky agora pode ser mais uma tentativa de capitalizar o apoio francês ao seu papel de mediador após uma recente visita do presidente francês Emmanuel Macron à China e obter quaisquer benefícios da Europa, acrescentou ela.

    “Para a China, (que) a guerra não vai acabar logo não significa que não deva explorar a oportunidade de aumentar sua influência e influência diplomática, (e) fortalecer a boa vontade com a Europa… O sucesso não é garantido para qualquer mediação, mas fazer o esforço ganha muitos créditos para a China e isso não é insignificante”, disse ela.

    A China já parecia pronta para impulsionar essa ótica – com seu Ministério das Relações Exteriores anunciando a convocação em uma rara coletiva de imprensa especial apenas para convidados em Pequim na noite de quarta-feira.

    Zelensky
    Volodymyr Zelensky, presidente ucraniano / Gabinete de Imprensa do Presidente Ucraniano

    Jogador neutro?

    Mas outro ponto de vista, o relacionamento próximo de Pequim com Moscou, já incutiu um profundo ceticismo no Ocidente sobre o potencial papel da China como mediadora.

    Desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, Xi reivindicou a neutralidade da China, mas falou com Putin cinco vezes – incluindo duas pessoalmente – sem pegar o telefone para ligar para Zelensky, apesar de uma parceria de nível estratégico de anos entre seus países.

    A China também continuou a realizar exercícios militares ao lado das forças russas, com seu ministro da Defesa visitando Moscou no início deste mês e saudando a confiança “cada vez mais consolidada” entre os dois países.

    Um “acordo político” vagamente formulado para o conflito divulgado pela China no aniversário de um ano da invasão – e levantado por Xi para Zelensky na quarta-feira – foi amplamente visto no Ocidente e em Kiev como sendo muito mais favorável à Rússia do que Ucrânia. Ele pede um cessar-fogo, mas não inclui nenhuma disposição de que Moscou primeiro retire suas tropas de terras ucranianas.

    Este histórico e os estreitos laços pessoais entre Xi e Putin – enfatizados durante uma visita de três dias do líder chinês a Moscou no mês passado – provavelmente minarão a credibilidade de Xi aos olhos de Zelensky, dizem analistas.

    Mas esse relacionamento também foi o motivo pelo qual alguns líderes, incluindo Zelensky e Macron, expressaram esperança de que Xi pudesse aproveitar sua influência para influenciar a Rússia a respeitar o direito internacional.

    Quando se trata de assumir um papel de mediador, dizem os analistas, a China pode evoluir sua posição de “acordo político” para uma que seja vista como mais aceitável para a Ucrânia. E também pode tentar impulsionar o progresso ao se alinhar com outros países fora do bloco ocidental que também pediram negociações de paz – incluindo o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, que esteve em Pequim no início deste mês.

    Lula se reúne com Xi Jinping em Pequim / 14/04/2023 Ken Ishii/Pool via REUTERS

    Mas, ao mesmo tempo, a importância crítica do relacionamento da Rússia para a China também pode significar que existem apenas alguns botões que Pequim teria o cuidado de evitar pressionar – minando o potencial de uma verdadeira mediação.

    “Não há indicação de que Xi esteja tentando fazer com que Putin ou a Rússia façam concessões de qualquer tipo (e) a leitura chinesa (da ligação) não inclui nada de concreto que possa iniciar um processo de paz”, disse Steve Tsang, diretor do o SOAS China Institute em Londres.

    “Dado que a guerra é existencial para a Ucrânia, ela não pode encontrar nenhuma mediação estrangeira tão crível se a parte mediadora apoiar claramente a posição da Rússia, que iniciou a invasão”, acrescentou.

    *Com informações de Nectar Gan, Steven Jiang, Yulia Kesaieva e Radina Gigova, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original