Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Trump está criando o tipo de caos jurídico que deseja em 2024

    Trump instou a Suprema Corte a não se envolver nesse momento na questão da imunidade dele a processos federais por alegados crimes cometidos durante o mandato, mais uma tática de adiamento do ex-presidente, segundo analista

    Trump durante campanha em New Hampshire
    Trump durante campanha em New Hampshire 11/11/2023 REUTERS/Brian Snyder

    Jeremy Herbda CNN

    O pedido de Donald Trump para a Suprema Corte americana na quarta-feira (20) foi talvez a sua tática de adiamento mais descarada até agora.

    Ele instou o tribunal superior a não se envolver nesse momento na questão de saber se ele está imune a processos federais por alegados crimes cometidos durante o mandato – a sua mais recente tentativa de pedir ao sistema jurídico que se curve efetivamente à sua vontade política.

    A medida refletiu a estratégia jurídica de Trump em todos os seus casos criminais até agora – atrasar o processo, de preferência para além das eleições de 2024.

    Isso ocorreu menos de um dia depois da surpreendente decisão da Suprema Corte do Colorado de impedir que o nome de Trump apareça nas eleições primárias do estado, uma decisão da qual ele também deverá apelar para a Suprema Corte dos EUA.

    Isso significa que o mais alto tribunal do país está preparado para considerar no próximo ano se Trump pode ser processado por crimes cometidos após as eleições de 2020 e se as ações que tomou no cargo podem impedi-lo de voltar às urnas em 2024. É exatamente o tipo de caos em que Trump prospera – e encontra uma forma de virar o jogo a seu favor.

    “Ele se alimenta de queixas assim como o fogo se alimenta de oxigênio. E isso vai acabar como uma queixa que o ajudará”, disse o ex-procurador-geral de Trump, Bill Barr, que se opõe à candidatura de Trump em 2024, à CNN, quando questionado sobre a decisão do Colorado.

    Na quarta-feira, os advogados de Trump pediram à Suprema Corte que rejeitasse o pedido do procurador especial Jack Smith para contornar um tribunal federal de apelações e assumir o caso decidindo se Trump, como presidente, está imune a acusações relacionadas a esforços de subversão eleitoral após sua derrota em 2020 para Joe Biden, uma decisão que poderá moldar o destino jurídico do ex-presidente.

    A rapidez com que a Suprema Corte encara o caso, que foi pausado enquanto a questão da imunidade é decidida, determinará se o caso terá início em março de 2024, pouco antes da Superterça, como planejou a juíza Tanya Chutkan – ou se o caso é empurrado para perto ou depois das eleições de novembro.

    Não é a primeira vez que Trump recorre à Suprema Corte. Após a sua derrota eleitoral em 2020, ele pediu aos juízes – três dos quais foram nomeados por ele – que ajudassem a anular a sua derrota, e expressou publicamente o seu descontentamento quando estes rapidamente rejeitaram uma ação judicial que contestava os resultados eleitorais.

    Prédio da Suprema Corte dos EUA, em Washington / 02/10/2022 REUTERS/Jonathan Ernst

    Agora Trump, o principal candidato à nomeação do Partido Republicano, procura a ajuda da Suprema Corte na sua campanha de 2024 – poucas semanas antes dos primeiros votos serem dados nas primárias. O litígio duplo de Trump coloca o tribunal – e o país – em uma posição caótica e sem precedentes que certamente inflamará os partidários, independentemente da forma como o tribunal decidir.

    Rivais republicanos de Trump mais uma vez o defendem contra o sistema legal

    A decisão do Colorado, onde uma maioria de 4-3 concluiu que Trump se envolveu em uma insurreição e não era elegível para aparecer nas eleições primárias do estado por causa da 14ª Emenda da Constituição, mais uma vez abafou qualquer outra notícia envolvendo as primárias do Partido Republicano, onde os candidatos estão enfrentando uma janela cada vez menor para ganhar sobre o ex-presidente.

    É o mesmo cenário que se desenrolou após cada uma das quatro acusações de Trump, quando qualquer tentativa de um dos rivais de Trump para ganhar os holofotes foi recebida com a força das acusações criminais sem precedentes contra um ex-presidente.

    Alguns dos opositores de Trump aproveitaram as notícias para apresentar argumentos sobre a elegibilidade de Trump, mas mais uma vez mobilizaram-se em defesa de Trump contra o sistema judicial do país, juntando-se aos aliados de Trump para criticar a decisão do Colorado.

    Até o ex-governador de Nova Jersey, Chris Christie, que defendeu as acusações do procurador especial contra Trump, disse que os tribunais não deveriam decidir o destino eleitoral de Trump – os eleitores deveriam.

    Biden não opinou especificamente sobre a decisão do Colorado na quarta-feira, mas aproveitou a oportunidade para acusar Trump de participar de uma insurreição. Os comentários do presidente lembraram que 2020 será uma parte fundamental de qualquer revanche entre Trump e Biden – mesmo que as próprias campanhas desejem concentrar-se em outras questões.

    “Acho que é evidente” que Trump é um insurrecional, disse Biden aos repórteres ao chegar a Milwaukee na quarta-feira. “Quer a 14ª Emenda se aplique, deixarei o tribunal tomar essa decisão”, disse Biden. “Mas ele certamente apoiou uma insurreição. Não há dúvidas sobre isso. Nenhuma. Zero”.

    Atrasar até novembro passar é o objetivo final

    Se Trump perder na questão da imunidade presidencial na Suprema Corte, isso abrirá caminho para que o julgamento do procurador especial sobre 6 de janeiro de 2021 comece na primavera.

    É por isso que Smith pediu à Suprema Corte que aceitasse o caso antes mesmo de um tribunal federal de recurso em Washington, DC, ouvir o assunto. Esperar que o tribunal de apelação decida uma questão que está praticamente garantida para ser apelada para a Suprema Corte de qualquer maneira poderia levar o julgamento federal muito além do programado para 4 de março de 2024, data que agora está suspensa.

    Os advogados de Trump não esconderam o fato de que gostariam de adiar esse julgamento federal – e os outros processos criminais que se aproximam – para além das eleições de 2024, onde, se Trump vencer, poderá se perdoar.

    “Não é de surpreender que a oposição do ex-presidente Trump se concentre no momento da revisão da Corte, e não na inevitabilidade de o tribunal decidir se ele está eventualmente imune a um processo criminal”, disse Steve Vladeck, analista da CNN sobre a Suprema Corte e professor da Faculdade de Direito da Universidade do Texas.

    Em seu processo de oposição ao pedido de Smith, os advogados de Trump evocaram toda a indignação que puderam sobre o desejo de Smith de antecipar o prazo, sugerindo que o procurador especial estava querendo que o tribunal tomasse uma decisão “com abandono imprudente”.

    “O Conselho Especial insta este Tribunal a contornar esses procedimentos ordinários, incluindo a preferência de longa data pela consideração prévia por pelo menos um tribunal de recurso, e a apressar-se a decidir as questões com abandono imprudente”, escreveram os advogados de Trump. “O fato de esse caso surgir no vórtice de uma disputa política justifica cautela, não pressa”, acrescentaram.

    Com a filha no colo, mulher vota na eleição presidencial dos EUA, em 2016
    Com a filha no colo, moradora da Carolina do Norte vota na eleição presidencial dos EUA, em 2016 / Foto: Jonathan Drake – 8.nov.2016/Reuters

    Um papel fundamental para a Suprema Corte em 2024

    Enquanto isso, no Colorado, Trump tem até 4 de janeiro para apelar da decisão da Suprema Corte estadual para a Suprema Corte dos EUA. Os advogados de Trump não planejam apresentar recurso à Suprema Corte esta semana, de acordo com duas fontes familiarizadas com o assunto.

    Mas assim que os advogados de Trump recorrerem, a questão estará nas mãos do Supremo Tribunal. Ainda não foi determinado se isso acontecerá antes ou depois de o tribunal superior ouvir a questão da imunidade presidencial. Os dois casos significam que a Suprema Corte, queira ou não, desempenhará um papel fundamental nas eleições de 2024.

    O tribunal poderia decidir que Trump está imune a processos judiciais enquanto presidente, libertando-o de algumas das acusações criminais que enfrenta e dando a ele uma oportunidade para agir como quiser em um possível segundo mandato.

    Ou o tribunal superior poderia decidir que Trump pode, de fato, ser removido das urnas, tal como fez a Suprema Corte do Colorado, convidando outros estados a fazer o mesmo e potencialmente privando-o de um caminho para a Casa Branca.

    Também é possível – talvez até provável – que o tribunal pare em algum lugar entre esses dois pólos. Mas todas as ações tomadas pelo tribunal superior, por menores ou processuais que sejam, estarão sob intenso escrutínio.

    E a ação de Trump na quarta-feira mostra que ele vai tentar manipular o tribunal superior, tal como tem criticado o sistema jurídico durante décadas em Nova York e Washington, contornando e confundindo os limites como agente imobiliário e depois como presidente.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original