Após bombardeios e fracasso na retirada de civis, temor entre ucranianos cresce

Ucrânia e Rússia trocam acusações sobre ataques e estratégias que impedem corredores humanitários de funcionar

Tim ListerJosh PenningtonLuke McGeeRadina Gigovada CNN

Ouvir notícia

A preocupação aumentou neste domingo (6) com a situação de civis presos nas cidades sitiadas do sudeste da Ucrânia de Mariupol e Volnovakha, bem como na capital, Kiev, depois que várias pessoas foram mortas em uma explosão em um ponto de passagem para retirada de civis.

Dois morteiros ou projéteis de artilharia atingiram o posto de controle no subúrbio de Irpin, a noroeste de Kiev, disseram autoridades ucranianas. O prefeito de Irpin, Oleksandr Markushyn, disse que oito civis foram mortos em toda a cidade, incluindo uma família com dois filhos. Vídeos nas redes sociais mostraram extensa destruição.

Equipes de mídia internacional no posto de controle relataram que um projétil caiu quando um fluxo de civis estava chegando.

A Administração Militar Regional de Kiev apelou às organizações internacionais para ajudar na resolução de uma crescente crise humanitária.

“Milhares de pessoas ficaram isoladas, por causa das hostilidades diretas, e em alguns lugares por 5 a 6 dias sobrevivem sem eletricidade, água, comida, assistência médica e meios de subsistência. Estão em perigo direto”, disse.

O Ministério da Defesa da Rússia disse em um comunicado divulgado pela TASS que as operações ofensivas foram retomadas no sábado à noite, horário local, alegando que “a população dessas cidades está sendo mantida por formações nacionalistas como escudos humanos”.

O Ministério da Defesa do Reino Unido disse que a Rússia provavelmente acusou a Ucrânia de quebrar o acordo para “transferir a responsabilidade pelas baixas civis atuais e futuras na cidade”.

O Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos disse no domingo que mais de 360 ​​civis foram mortos na Ucrânia desde o início da invasão da Rússia, embora reconhecendo que o número real é provavelmente “consideravelmente maior”. A CNN não pôde verificar independentemente os números de vítimas. A ONU também informa que mais de 1,5 milhão de refugiados fugiram da Ucrânia desde 24 de fevereiro.

Corredores de evacuação fechados

No sudeste do país, as esperanças de que uma segunda tentativa de abrir rotas de evacuação seguras para civis em Mariupol e Volnovakha pudesse ser bem-sucedida – depois que um primeiro esforço falhou no sábado (5) – foi frustrada em poucas horas.

O governador da região de Donetsk, Pavlo Kyrylenko, disse no Facebook no domingo que o planejado “comboio de evacuação com moradores locais não conseguiu deixar Mariupol: os russos começaram a reagrupar suas forças e fizeram bombardeios pesados ​​da cidade. É extremamente perigoso para retirar as pessoas em tais condições.”

Kyrylenko acrescentou que um comboio de ajuda humanitária da cidade central de Zaporizhzhia, a três horas de Mariupol, “ainda não chegou ao seu destino e está a caminho”.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) também disse que a evacuação planejada para domingo em Mariupol falhou.

“Hoje, nossa equipe começou a abrir a rota de evacuação de Mariupol antes que as hostilidades recomeçassem. Permanecemos em Mariupol e estamos prontos para ajudar a facilitar novas tentativas – se as partes chegarem a um acordo, que é somente para elas implementar e respeitar”, disse o comunicado pelo Twitter.

“As pessoas em Mariupol e em outros lugares da #Ucrânia estão vivendo em situações desesperadoras. Eles devem ser protegidos o tempo todo. Eles não são um alvo. As pessoas precisam urgentemente de água, comida, abrigo. O básico da vida. Precisamos de garantias de segurança para poder trazer-lhes ajuda.”

No início do domingo, bombardeios pesados ​​foram relatados a oeste e noroeste de Kiev. O impacto das explosões foi ouvido pelas equipes da CNN em Kiev e nas áreas rurais a sudoeste.

“Eles (as tropas russas) capturaram Hostomel e Bucha ontem (sábado). Os russos entraram lá”, disse Oleksiy Arestovych, assessor do gabinete do presidente ucraniano, referindo-se a dois subúrbios a noroeste de Kiev. “Eles feriram muitas crianças e não permitem retirá-las, apesar dos inúmeros apelos no mais alto nível do estado para fornecer um ‘corredor verde’ de Bucha e Irpin. Há muitas crianças nos porões.”

Arestovych descreveu a situação como uma “catástrofe”, acrescentando que as discussões estão ocorrendo “no mais alto nível com instituições humanitárias internacionais, por meio de mediadores com os russos” para encontrar uma saída para aqueles que estão presos.

Várias crianças morreram, de acordo com o Ministério da Saúde da Ucrânia.

Separadamente, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky alertou no domingo que a Rússia estava se preparando para bombardear a cidade portuária de Odessa, no Mar Negro, no sul da Ucrânia e disse que o aeroporto de Vynnytsia, no oeste do país, havia sido destruído por um ataque de foguete.

Em um discurso transmitido no Facebook, Zelensky disse: “O povo russo sempre costumava vir a Odessa e eles só conheciam o calor e a generosidade; e o que há agora? Artilharia, bombas contra Odessa. Isso será um crime de guerra. Isso será um crime histórico”.

Em uma mensagem separada, Zelensky novamente apelou para que uma zona de exclusão aérea fosse imposta sobre a Ucrânia, após a destruição do aeroporto de Vynnytsia.

“Eles continuam a arruinar nossa infraestrutura, nossa vida, que construímos, e nossos pais e avós, muitas gerações de ucranianos. Repetimos todos os dias – fechar os céus sobre a Ucrânia”, acrescentou.

Autoridades americanas e europeias têm discutido como o Ocidente apoiaria um governo no exílio dirigido por Zelensky caso ele tivesse que fugir de Kiev, disseram autoridades ocidentais à CNN.

As discussões vão desde o apoio a Zelensky e às principais autoridades ucranianas em uma possível mudança para Lviv, no oeste da Ucrânia, até a possibilidade de Zelensky e seus assessores serem forçados a fugir da Ucrânia e estabelecer um novo governo na Polônia, disseram as autoridades.

Autoridades ocidentais têm sido cautelosas em discutir um governo no exílio diretamente com Zelensky porque ele quer ficar em Kiev e até agora rejeitou conversas que se concentrem em qualquer outra coisa além de impulsionar a Ucrânia em sua luta contra a Rússia, disseram dois diplomatas ocidentais.

Esforços de evacuação param

A Rússia concordou com um cessar-fogo no sábado para permitir que os civis deixassem Mariupol e Volnovakha com segurança, mas as evacuações foram interrompidas, com as autoridades ucranianas acusando a Rússia de violar o acordo ao retomar seus ataques, deixando milhares de civis presos no que as pessoas no local descrevem como condições cada vez mais terríveis.

O prefeito de Mariupol, Vadym Boichenko, disse no sábado que a cidade estava sem energia, aquecimento, água ou redes móveis, e alguns ônibus que seriam usados ​​para evacuar civis foram destruídos no bombardeio.

“[Os militares russos] estão trabalhando para sitiar a cidade e estabelecer um bloqueio. Eles querem nos cortar do corredor humanitário, interrompendo a entrega de bens essenciais, suprimentos médicos e até comida para bebês”, disse ele em entrevista. em um canal do YouTube sábado. “O objetivo deles é sufocar a cidade e colocá-la sob um estresse insuportável.”

Um morador de uma vila perto de Volnovakha, cujo marido vem tentando evacuar as pessoas da cidade nos últimos dias, deu à CNN um relato por escrito da situação lá, dizendo: “Não há quase nada na cidade, algo acontece a cada minuto de todos os lados, não está claro o que… e não está claro de onde vem. Assustador, louco!”

Em Mariupol – uma cidade com uma população de quase 400.000 habitantes – os médicos vivem e dormem em hospitais enquanto trabalham para salvar vidas, disse Boichenko.

“Este é o sexto dia consecutivo de ataques aéreos e não podemos sair para recuperar os mortos”, disse ele no sábado.

Um membro da equipe dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) disse que coletou neve e chuva na sexta-feira para obter água. Várias mercearias foram destruídas por mísseis e as farmácias estão sem remédios, disse o funcionário.

A diretora de operações de MSF, Christine Jamet, pediu rotas seguras para permitir que civis fujam de Mariupol.

“Os civis não devem ficar presos em uma zona de guerra”, disse Jamet no sábado. “As pessoas que buscam segurança devem poder fazê-lo, sem medo da violência.”

Zelensky pede mais suporte

À medida que a invasão russa continua, Zelensky reiterou seus apelos à assistência dos EUA e da OTAN para estabelecer uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia – uma medida que poderia impedir as forças russas de realizar ataques aéreos contra o país.

Mas há temores de que tal medida possa ser vista como uma escalada, com o presidente russo, Vladimir Putin, alertando no sábado que consideraria os países que impõem uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia como “participantes de um conflito militar”.

Zelensky pediu repetidamente às autoridades da Otan e ocidentais que imponham uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia, mas ambos dizem que se opõem a tal medida.

Em um apelo aos legisladores dos EUA no sábado, Zelensky também encorajou as nações do Leste Europeu a fornecer à Ucrânia caças, enfatizando que eles eram necessários para se defender contra a agressão russa.

Na ligação, Zelensky disse que se o Ocidente não impor uma zona de exclusão aérea, eles deveriam dar aviões à Ucrânia.

Um porta-voz da Casa Branca confirmou que os Estados Unidos estão trabalhando com a Polônia na possibilidade de Varsóvia fornecer caças para a Ucrânia. Alguns funcionários do governo Biden temem que essa medida possa ser vista pelos russos como uma escalada, dizem autoridades dos EUA.

Enquanto isso, um esforço multinacional para enviar armas para a Ucrânia está em alta velocidade em um aeródromo não revelado na Europa Oriental, disse um oficial de defesa. O Comando Europeu dos EUA está no centro da operação, e o presidente do Joint Chiefs, general Mark Milley, se reuniu na semana passada com tropas e pessoal para examinar a atividade de carregamento de armas, disse o funcionário.

Desde a invasão, 14 países enviaram assistência de segurança para a Ucrânia, disse um alto funcionário de defesa dos EUA na sexta-feira, alguns dos quais raramente enviaram equipamentos tão substanciais antes.

Putin afirmou no sábado que a Rússia havia quase completado a destruição dos sistemas de defesa aérea ucranianos e acrescentou que as sanções ocidentais eram o “equivalente a uma declaração de guerra”.

Falando a Jake Tapper, da CNN, no domingo, o secretário de Estado Antony Blinken disse que os EUA viram “relatos muito críveis de ataques deliberados a civis” na Ucrânia que seriam considerados um crime de guerra.

Ele acrescentou que os EUA estão trabalhando com seus aliados na Europa para analisar a possibilidade de proibir as importações de petróleo russo em um esforço para punir ainda mais o país por sua invasão não provocada da Ucrânia.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN