Após Hong Kong anunciar abate de hamsters, milhares se voluntariam para adotar animais

Governo ordenou abate após surto de Covid ligado a um trabalhador de pet shop onde 11 hamsters testaram positivo

Milhares em Hong Kong se voluntariam a adotar hamsters em meio a temores da Covid-19
Milhares em Hong Kong se voluntariam a adotar hamsters em meio a temores da Covid-19 Anton Novoderezhkin/Getty Image (27.jul.2021)

Jessie Pangda Reuters

Ouvir notícia

Milhares de pessoas em Hong Kong se ofereceram nesta quarta-feira (19) para adotar hamsters indesejados depois que uma ordem de abate em massa do governo, devido a temores da Covid-19, levantou o alarme de que donos em pânico abandonariam seus animais de estimação.

As autoridades ordenaram na terça-feira que 2 mil hamsters de dezenas de lojas de animais e instalações de armazenamento fossem abatidos depois de rastrear um surto de coronavírus a um trabalhador da pet shop Little Boss, onde 11 hamsters testaram positivo para Covid-19.

Cientistas de todo o mundo e autoridades sanitárias e veterinárias de Hong Kong disseram que não há evidências de que os animais desempenhem um papel importante no contágio humano com o coronavírus.

Mas, tendo seguido uma política de tolerância zero para o Covid-19, a secretária de Saúde Sophia Chan disse na terça-feira que não pode descartar nenhuma possibilidade de transmissão e, portanto, o governo não pode se arriscar.

Logo depois, profissionais de saúde em trajes de proteção foram vistos saindo de pet shops pela cidade carregando sacolas plásticas vermelhas em suas vans. Cerca de 150 clientes do pet shop foram colocados em quarentena.

Pet shop Little Boss foi fechado em Hong Kong após governo anunciar o abate de 2 mil hamsters por causa da Covid-19 / Tyrone Siu/Reuters (18.jan.2022)

A emissora pública RTHK disse que alguns donos de hamsters foram vistos entregando seus animais em uma instalação do governo nos Novos Territórios, enquanto grupos rapidamente se formaram nas mídias sociais para identificar novos donos de roedores indesejados.

Ocean, 29 anos, dono de um hamster e administrador do ‘Hong Kong the Cute Hamster Group’ no aplicativo de mídia social Telegram, disse que o grupo foi contatado por quase 3.000 pessoas dispostas a cuidar de animais indesejados temporariamente.

Três jovens donos foram pressionados por suas famílias a se livrar de seus hamsters, embora todos os possuíssem por mais de meio ano, disse Ocean, que se recusou a dar seu sobrenome temendo reações iradas daqueles que apoiam o abate.

“Muitos donos de animais não estão familiarizados com os riscos exatos e desistem de seus hamsters”, disse ela.

Bowie, 27, um dos voluntários do grupo, agora é dono de dois novos hamsters.

“Isso é ridículo”, disse Bowie, que já possuía outros três hamsters. “A vida dos animais também é vida. Hoje podem ser hamsters ou coelhos, amanhã podem ser gatos ou cachorros.”

A Sociedade para a Prevenção da Crueldade contra Animais (SPCA) local, que administra clínicas veterinárias, disse à Reuters que “numerosos” donos de animais preocupados estão entrando em contato com eles para obter conselhos.

“Pedimos aos donos de animais que não entrem em pânico ou abandonem seus animais de estimação”, disse a SPCA em comunicado.

A SPCA listou maneiras de manter uma higiene pessoal rigorosa para a segurança de humanos e animais, incluindo nunca beijar, tossir ou cheirar perto de animais de estimação e lavar as mãos após manuseá-los.

A expectativa de vida média de um hamster é de cerca de dois anos, de acordo com grupos de bem-estar animal.

Temores exagerados

Além de ordenar o abate, as autoridades pediram o fechamento de dezenas de pet shops, enquanto as importações e vendas dos pequenos mamíferos foram suspensas. Os compradores de hamsters após 22 de dezembro de 2021 foram solicitados a entregá-los às autoridades para abate e não deixá-los nas ruas.

As autoridades criaram uma linha direta para consultas. Não ficou claro quantos hamsters foram entregues.

A maioria dos jornais de Hong Kong apresentou fotos de pessoas em trajes de proteção em frente a pet shops e ilustrações de hamsters em sua primeira página na quarta-feira, com o diário pró-Pequim Ta Kung Pao apresentando um pequeno roedor dentro de uma partícula de vírus cravada.

Vanessa Barrs, professora de saúde de animais de companhia na Universidade da Cidade de Hong Kong, disse que a decisão de abater os hamsters à venda pode ser justificada por motivos de proteção à saúde pública, mas os temores de infecção em casa foram exagerados.

“Milhões de pessoas em todo o mundo têm animais de estimação e não houve casos comprovados de animais de estimação transmitindo infecção a outros humanos”, disse Barrs.”O risco teórico existe, mas simplesmente não acontece.”

Mais Recentes da CNN