Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ataque de Israel contra campo de refugiados deixa oito mortos e mais de 50 feridos

    Operação militar foi a maior realizadas na cidade de em mais de 20 anos, segundo informações de militar israelense; cinco dos mortos eram adolescentes e dez pessoas foram hospitalizadas em estado grave  

    Kareem KhadderAbeer SalmanAlex StambaughEyad KourdiHelen Reganda CNN

    As forças israelenses lançaram o que uma fonte militar disse ser sua maior operação militar na cidade de Jenin, na Cisjordânia, em mais de 20 anos, matando pelo menos oito pessoas e ferindo mais de 50, de acordo com o Ministério da Saúde palestino.

    As Forças de Defesa de Israel (IDF) disseram que lançaram um “extenso esforço de contraterrorismo na área da cidade de Jenin e do campo de Jenin”, atacando a “infraestrutura terrorista”, em um comunicado publicado no Telegram nas primeiras horas da manhã desta segunda-feira (3).

    Moradores de Jenin disseram à CNN que ouviram explosões e tiros pesados na área, enquanto o vídeo da cena mostrava palestinos feridos sendo evacuados de ambulância para o Hospital Governamental de Jenin.

    Dos feridos, 10 estão “em estado grave”, disse o Ministério da Saúde palestino no início da tarde de segunda-feira. Mahmoud al-Saadi, diretor do Crescente Vermelho Palestino em Jenin, disse que a maioria dos ferimentos são “graves e na parte superior do corpo”, acrescentando que o processo de transferência dos feridos foi difícil.

    Cinco dos mortos eram adolescentes, disse o ministério.

    Um nono palestino foi baleado e morto por forças israelenses perto de Ramallah, na Cisjordânia, em um incidente separado, de acordo com as autoridades de saúde.

    Imagens compartilhadas com jornalistas pareciam mostrar operações em andamento em partes do campo de refugiados de Jenin e veículos militares israelenses nas ruas de Jenin na manhã de segunda-feira. A CNN não conseguiu verificar os vídeos de forma independente.

    O ataque ocorre menos de duas semanas depois que um ataque militar israelense em Jenin irrompeu em um tiroteio massivo, deixando ao menos cinco palestinos mortos e dezenas de feridos. Oito soldados israelenses ficaram feridos nessa operação e evacuados com sucesso, de acordo com o IDF.

    A IDF disse que atingiu um centro de comando operacional conjunto para o Campo de Jenin e agentes da Brigada de Jenin, um grupo militante palestino associado à Jihad Islâmica.

    “O centro de comando operacional também serviu como um centro avançado de observação e reconhecimento, um local onde terroristas armados se reuniam antes e depois das atividades terroristas”, disse o IDF, acrescentando que o campo era um “local para armas e explosivos” e “centro para coordenação e comunicação entre os terroristas”.

    As forças israelenses lançaram o que uma fonte militar disse ser sua maior operação militar na cidade de Jenin, na Cisjordânia, em mais de 20 anos, matando pelo menos oito pessoas e ferindo mais de 50, de acordo com o Ministério da Saúde palestino. 

    As Forças de Defesa de Israel (IDF) disseram que lançaram um “extenso esforço de contraterrorismo na área da cidade de Jenin e do campo de Jenin”, atacando a “infraestrutura terrorista”, em um comunicado publicado no Telegram nas primeiras horas da manhã desta segunda-feira (3). 

    Moradores de Jenin disseram à CNN que ouviram explosões e tiros pesados na área, enquanto o vídeo da cena mostrava palestinos feridos sendo evacuados de ambulância para o Hospital Governamental de Jenin. 

    Dos feridos, 10 estão “em estado grave”, disse o Ministério da Saúde palestino no início da tarde de segunda-feira. Mahmoud al-Saadi, diretor do Crescente Vermelho Palestino em Jenin, disse que a maioria dos ferimentos são “graves e na parte superior do corpo”, acrescentando que o processo de transferência dos feridos foi difícil. 

    Cinco dos mortos eram adolescentes, disse o ministério. 

    Um nono palestino foi baleado e morto por forças israelenses perto de Ramallah, na Cisjordânia, em um incidente separado, de acordo com as autoridades de saúde. 

    Imagens compartilhadas com jornalistas pareciam mostrar operações em andamento em partes do campo de refugiados de Jenin e veículos militares israelenses nas ruas de Jenin na manhã de segunda-feira. A CNN não conseguiu verificar os vídeos de forma independente. 

    O ataque ocorre menos de duas semanas depois que um ataque militar israelense em Jenin irrompeu em um tiroteio massivo, deixando ao menos cinco palestinos mortos e dezenas de feridos. Oito soldados israelenses ficaram feridos nessa operação e evacuados com sucesso, de acordo com o IDF. 

    Ataques contra o campo de refugiados começaram ainda à noite / Raneen Sawafta/Reuters

    A IDF disse que atingiu um centro de comando operacional conjunto para o Campo de Jenin e agentes da Brigada de Jenin, um grupo militante palestino associado à Jihad Islâmica. 

    “O centro de comando operacional também serviu como um centro avançado de observação e reconhecimento, um local onde terroristas armados se reuniam antes e depois das atividades terroristas”, disse o IDF, acrescentando que o campo era um “local para armas e explosivos” e “centro para coordenação e comunicação entre os terroristas”. 

    “Além disso, o centro de comando forneceu abrigo para indivíduos procurados envolvidos na realização de ataques terroristas nos últimos meses na área”, afirmou. 

    O IDF disse mais tarde que suas forças visaram uma instalação de produção de armas e armazenamento de dispositivos explosivos e confiscaram um “lançador de foguetes improvisado” e armas adicionais durante as operações, que foram realizadas em coordenação com a Autoridade de Valores Mobiliários de Israel (ISA). 

    O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, foi informado sobre o “progresso da operação” em Jenin, disse um comunicado de seu escritório na segunda-feira, acrescentando que ele “discutiu planos operacionais futuros”. 

    Mais tarde na segunda-feira, uma aeronave da IDF atingiu perto de uma mesquita “para remover uma ameaça”, de acordo com a IDF, sem detalhar o caráter da “ameaça”. 

    “Atualmente, estão ocorrendo trocas de tiros com homens armados adjacentes a uma mesquita no campo de Jenin”, de acordo com um comunicado da IDF feito pouco depois das 13h no horário local (7h em Brasília). 

    Os confrontos estão ocorrendo desde pouco depois da meia-noite, com o último número de mortos em Jenin subindo para oito, de acordo com dados do Ministério da Saúde palestino divulgados antes do ataque aéreo perto da mesquita. 

    A declaração do IDF não fornece clareza sobre se o ataque perto da mesquita resultou em mais baixas. 

    Em resposta aos ataques de segunda-feira, o Hamas convocou militantes na Cisjordânia e em Jerusalém para atacar Israel “por todos os meios disponíveis”, disse um comunicado de seu braço militar. 

    A Jihad Islâmica Palestina disse que “cumprirá seu dever” para impedir o “massacre” em Jenin. 

    IDF tentando quebrar ‘porto seguro’ 

    O porta-voz da IDF, tenente-coronel Richard Hecht, disse a repórteres na segunda-feira que vários “suspeitos de terrorismo” armados foram mortos durante a operação, que estava em andamento desde as 10h, horário local. 

    “Não estamos tentando conquistar terreno. Estamos agindo contra alvos específicos”, disse Hecht. 

    A primeira rodada de ataques aéreos foi lançada às 1h14, horário local, e foi seguida pelas forças terrestres da IDF, disse Hecht. 

    Um dos objetivos da operação era quebrar a mentalidade de “porto seguro” dentro do campo de Jenin, segundo Hecht, que o descreveu como um “ninho de vespas”. 

    Cerca de 50 ataques a tiros contra israelenses partiram de Jenin, disse ele. 

    Hecht também disse que a Autoridade Palestina e a Jordânia foram informadas sobre a incursão com antecedência, mas não deu mais detalhes. 

    Embora o porta-voz da IDF tenha se recusado a comentar sobre o número de forças envolvidas, ele disse que é em torno de uma brigada, que é aproximadamente equivalente a 500 soldados. 

    Um porta-voz disse mais tarde que um soldado israelense foi “levemente ferido” por estilhaços de uma granada usada durante a incursão e que eles foram levados a um hospital para tratamento médico. 

    O ministro das Relações Exteriores de Israel, Eli Cohen, disse na segunda-feira que os militares israelenses estão atacando o “centro de terrorismo” que opera no campo de Jenin. 

    “Quero enfatizar que não temos uma briga com os palestinos. Nossa luta é com os representantes do Irã em nossa região, que são principalmente o Hamas e a Jihad Islâmica”, disse Cohen, acusando Teerã de tentar escalar as tensões na região. 

    A Brigada Jenin alegou ter danificado gravemente pelo menos um veículo militar israelense com dispositivos explosivos improvisados e seus militantes continuam em confronto com as forças israelenses “para impedir seu avanço dentro do campo”. 

    A Jihad Islâmica Palestina disse que enfrentará seu inimigo “com todas as opções de retaliação possíveis”, em resposta às operações israelenses em Jenin. 

    “A agressão a Jenin não atingirá seus objetivos, Jenin não se renderá. Enfrentaremos o inimigo com todas as opções de retaliação possíveis em resposta à agressão inimiga a Jenin”, postou o grupo militante em seu canal oficial no Telegram. 

    O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, condenou a operação militar israelense em larga escala, chamando-a de “um novo crime de guerra”. 

    “Segurança e estabilidade não serão alcançadas na região a menos que nosso povo palestino sinta isso. O que o governo de ocupação israelense está fazendo na cidade de Jenin e seu acampamento é um novo crime de guerra contra nosso povo indefeso”, disse ele, segundo o porta-voz presidencial Nabil Abu Rudeineh. 

    O Egito também condenou a incursão israelense, chamando-a de ato de “agressão”. 

    “A República Árabe do Egito condena com as palavras mais fortes a agressão conduzida pelas forças israelenses na cidade de Jenin, na Cisjordânia ocupada, que resultou na morte de 5 pessoas e no ferimento de 27 do povo palestino até agora”, escreveu o governo egípcio no Twitter. conta disse. 

    Em um incidente separado, um homem de 21 anos, identificado como Muhammed Hassanein, foi baleado e morto por forças israelenses na entrada norte de Al-Bireh, perto de Ramallah, na Cisjordânia, segundo o Ministério da Saúde palestino na segunda-feira. O IDF ainda não comentou o incidente. 

    (Com colaboração de AnneClaire Stapleton e Mike Schwartz) 

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original