Biden revoga decisão de Trump que bania transgêneros do serviço militar

Ordem executiva 'estabelece a política de que todos os americanos qualificados para servir nas Forças Armadas dos Estados Unidos sejam capazes de servir'

Betsy Klein e Arlette Saenz, da CNN

Ouvir notícia


 

O presidente Joe Biden está assinando uma ordem executiva nesta segunda-feira (25) para reverter a  proibição de Donald Trump às pessoas transexuais que serviam no exército.

A ordem executiva “estabelece a política de que todos os americanos qualificados para servir nas Forças Armadas dos Estados Unidos sejam capazes de servir”, de acordo com a Casa Branca.

Biden, disse a Casa Branca, “acredita que a identidade de gênero não deve ser um obstáculo ao serviço militar e que a força da América se encontra em sua diversidade”.

A ação executiva revoga o memorando presidencial de Trump 2018 e também confirma a revogação do memorando presidencial de 25 de agosto de 2017.

Biden se reunirá esta manhã com o secretário de Defesa Lloyd Austin, que foi confirmado na sexta-feira , ao lado do presidente do Estado-Maior Conjunto.

Alguns antecedentes sobre a proibição: A política, que tem sido amplamente ridicularizada pelos ativistas LGBTQ como cruel e irracional, foi anunciada pela primeira vez por Trump em julho de 2017 via Twitter. A proibição bloqueia especificamente os indivíduos que foram diagnosticados com uma condição conhecida como disforia de gênero de servir, com exceções limitadas.

Também especifica que indivíduos sem a condição podem servir, mas somente se o fizerem de acordo com o sexo que foram designados no nascimento.

Embora Trump tenha argumentado que as tropas transgênero nas forças armadas levariam a “tremendos custos médicos e transtornos”, um  estudo da Rand Corp.,  encomendado pelo Departamento de Defesa, concluiu que permitir que os transgêneros servissem abertamente teria um “impacto mínimo” na preparação e saúde custos de cuidados.

Texto traduzido. Leia o original, em inglês.

Mais Recentes da CNN