Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Biden se encontra com primeiro-ministro do Japão e reforça laços entre países antes do G7

    Ao lado de Fumio Kishida, presidente dos EUA apontou para o aprofundamento da cooperação entre os EUA e o Japão em tecnologias emergentes

    Joe Biden ao lado do primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida.
    Joe Biden ao lado do primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida. Kiyoshi Ota/Getty Images

    Kevin Liptakda CNN

    O presidente Joe Biden chegou ao Japão nesta quinta-feira (18) para uma visita encurtada à Ásia, destinada a fortalecer aliados em meio às crescentes ambições militares e econômicas da China.

    A viagem, antes planejada para oito dias, foi reduzida pela metade; duas das três paradas de Biden foram canceladas para que ele pudesse retornar a Washington para negociações sobre o aumento do teto da dívida dos EUA.

    Com apenas uma parada no Japão para a cúpula do Grupo dos Sete, Biden está tentando unir os líderes de algumas das maiores economias do mundo em torno de um compromisso de enfrentar as agressões de Pequim e apoiar a Ucrânia em meio à invasão da Rússia.

    Os líderes mundiais também convocarão uma discussão sobre inteligência artificial, um sinal de que os rápidos avanços na tecnologia têm sido motivo de preocupação.

    No entanto, é a preocupação com a possibilidade de calote dos EUA que representa a ameaça mais urgente à estabilidade global, e os líderes devem questionar Biden sobre os riscos quando começarem as reuniões nesta sexta-feira (19).

    O presidente dos EUA se encontrou pela primeira vez com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, na véspera da cúpula do G7 em Hiroshima, enfatizando as relações estreitas entre os EUA e o Japão em meio às crescentes ambições militares e econômicas da China, bem como a guerra em curso na Ucrânia.

    “O ponto principal, senhor primeiro-ministro, é que quando nossos países estão juntos, nós ficamos mais fortes. E acredito que o mundo inteiro fica mais seguro quando o fazemos”, disse Biden ao seu anfitrião.

    Ao sentar-se em frente a Kishida no início de uma reunião bilateral com os principais assessores, Biden citou os comentários de Kishida no início deste ano, durante uma viagem à Casa Branca, de que as duas nações enfrentam um dos ambientes de segurança mais complexos da história recente.

    “Eu não poderia concordar mais com você – e estou orgulhoso que os Estados Unidos e o Japão estejam enfrentando isso juntos. E, você sabe, nós defendemos os valores compartilhados, inclusive apoiando as pessoas corajosas na Ucrânia enquanto defendem seu território soberano e responsabilizando a Rússia por esta agressão brutal”, disse Biden, ao lado do conselheiro de segurança nacional, Jake Sullivan, e pelo secretário de Estado, Antony Blinken.

    “Estamos acompanhando os desafios globais desde o fortalecimento de nossa comunidade e nosso compromisso com a não proliferação nuclear até a garantia de um Indo-Pacífico livre e aberto que está no centro de tudo isso”, continuou ele.

    Biden apontou para o aprofundamento da cooperação entre os EUA e o Japão em tecnologias emergentes, incluindo novas parcerias em computação quântica e semicondutores.

    Ele agradeceu a Kishida por sediar e observou esperar ansiosamente pelo encontro que se aproximava. Os líderes não responderam às perguntas dos repórteres.

    De olho na China

    O Japão é o único membro asiático do G7, o que significa que a cúpula só ocorre no continente a cada sete anos. Isso ajudou a dar um senso de urgência às discussões dos líderes sobre a China, que recentemente levou navios de guerra para perto do Japão antes das reuniões.

    Os assessores de Biden insistiram que não haverá “torção de braço” na mesa do G7 quando se trata da China e reconheceram que cada um dos países representados – incluindo França, Alemanha, Itália, Reino Unido, Canadá, Japão e o Estados Unidos – decidirá sobre sua própria abordagem.

    Ao mesmo tempo, o presidente dos EUA valoriza a ação coletiva e deseja uma frente unificada quando se trata de questões como Taiwan, o Mar da China Meridional e as práticas econômicas coercitivas de Pequim.

    “Acho que vocês verão, saindo desta cúpula, alinhamento e convergência em torno dos princípios fundamentais de nossa abordagem à República Popular da China”, disse o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, a repórteres a bordo do Air Force One enquanto Biden voava para o Japão.

    “Claro, cada país tem sua própria relação distinta e sua própria abordagem distinta, mas essas relações e abordagens são construídas em uma base comum. E acho que você verá isso refletido nos resultados do G7.”

    Ao longo de seus quatro dias aqui, Biden planeja participar de uma série de reuniões em grupo e individuais com aliados do G7, bem como com vários líderes que não fazem parte do G7 que foram convidados este ano como convidados.

    Havia planos para convocar os líderes da aliança Quad, que consiste nos Estados Unidos, Japão, Austrália e Índia, depois que uma cúpula planejada do grupo foi cancelada quando Biden cancelou sua parada em Sydney.

    Ele dará uma coletiva de imprensa neste domingo (21) antes de retornar a Washington.

    Planejando a contraofensiva da Ucrânia

    Nenhuma outra aliança global foi tão importante na manutenção da unidade ocidental após a invasão da Ucrânia pela Rússia quanto o G7. O bloco foi revigorado à medida que os líderes coordenam sanções e bilhões de dólares em assistência militar.

    Isso continuará nesta semana, quando o G7 revelar novas sanções destinadas a fechar brechas que permitiram que entidades russas escapassem das restrições já existentes.

    Espera-se que eles ouçam virtualmente o presidente ucraniano, Volodomyr Zelensky, que, sem dúvida, fará um apelo por armas mais avançadas.

    Os líderes também devem discutir a situação no terreno, onde as forças ucranianas estão se preparando para uma contraofensiva com a ajuda de bilhões de dólares em nova ajuda militar ocidental.

    A esperança, de acordo com autoridades dos EUA, é que a Ucrânia possa ganhar território suficiente para fornecer a Zelensky uma vantagem em eventuais negociações de paz.

    Mas onde e como essas conversas ocorrem permanece uma questão em aberto; enquanto isso, os temores entre os aliados europeus são fortes que a guerra possa se transformar em um impasse opressivo.

    Japão aumenta gastos com defesa

    O Japão adotou uma política externa mais robusta em meio à invasão da Ucrânia pela Rússia e à crescente assertividade militar da China, um desenvolvimento bem-vindo dentro da Casa Branca.

    Em dezembro, Kishida divulgou um novo plano de segurança nacional que representou o maior reforço militar do país desde a Segunda Guerra Mundial, dobrando os gastos com defesa e desviando-se de sua constituição pacifista diante das crescentes ameaças de rivais regionais, incluindo a China.

    A decisão marcou uma mudança dramática tanto para a nação quanto para a aliança de segurança dos EUA na região do Indo-Pacífico.

    Quando Kishida fez uma viagem secreta a Kiev em março, ele se tornou o primeiro líder pós-Segunda Guerra Mundial a visitar uma zona de guerra – consolidando ainda mais a noção de que a política externa do Japão estava entrando em uma nova era.

    Ele também selecionou a cidade simbólica de Hiroshima, onde tem raízes familiares, para receber líderes mundiais.

    Destruída por uma bomba atômica americana em 1945, a cidade serve como um lembrete aos líderes reunidos sobre a importância de seus esforços diplomáticos. Mais de 100.000 pessoas foram mortas no bombardeio.

    Biden é o segundo presidente dos Estados Unidos a visitar Hiroshima. O presidente Barack Obama fez uma visita histórica em 2016, colocando uma coroa de flores em um parque memorial e se encontrando com alguns sobreviventes.

    O bombardeio de Hiroshima apressou o fim da Segunda Guerra Mundial, mas lançou uma nova era de temeridade atômica.

    A reunião desta semana ocorre em um momento de crescente temor nuclear, com ameaças vindas da Coreia do Norte, Irã e Rússia – cada um sem uma solução clara.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original