Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Chanceler egípcio conversa com autoridades israelenses e iranianas sobre paz

    Tensão na região aumentou após ataque retaliatório do Irã com mísseis e drones

    Chanceler do Egito, Sameh Shoukry, no Cairo
    Chanceler do Egito, Sameh Shoukry, no Cairo 4/2/2024 REUTERS/Amr Abdallah Dalsh

    Becky AndersonAdam PourahmadiCaitlin Danaherda CNN

    O ministro das Relações Exteriores do Egito, Sameh Shoukry, discutiu com seus homólogos de Israel e Irã a defesa da “tranquilidade e da paz”, enquanto os líderes mundiais procuram conter o risco de uma guerra regional mais ampla.

    Shoukry disse a Becky Anderson, da CNN, que a tensão entre Israel e Irã “não é de forma alguma propício para lidar com as questões e conflitos de longa data na região”.

    “Isso nos colocará em um ciclo interminável de represálias que apenas conduzirá a um confronto em maior escala, com consequências muito graves para ambos os povos em ambos os países”, avaliou Shoukry.

    Tensão regional aumenta

    Isso acontece após o Irã lançar uma série de ataques contra Israel no fim de semana, em retaliação a um suposto ataque israelense ao consulado de Teerã em Damasco, na Síria.

    Enquanto as autoridades de Israel discutem uma possível resposta ao caso, as autoridades regionais e os aliados de Israel alertam contraa escalada nas tensões devido à ofensiva militar na Faixa de Gaza.

    As negociações sobre como garantir um acordo de reféns e um cessar-fogo em Gaza estão em andamento, de acordo com Shoukry.

    Ofensiva israelense em Rafah

    Israel adiou os planos para uma invasão terrestre na cidade de Rafah, no sul de Gaza, onde a maioria dos palestinos foi forçada a fugir de bombardeios.

    Quando questionado se o Egito poderia permitir temporariamente a entrada de refugiados de Gaza na sequência da ação militar em Rafah, Shoukry afirmou que o país continuará agindo no melhor interesse do povo palestino.

    A deslocação em massa de palestinos causada pela ação militar israelense em Rafah equivaleria a “um crime de guerra”, acrescentou.

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original