Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China anuncia reforma governamental para combater riscos financeiros e restrições tecnológicas dos EUA

    É a maior mudança no Conselho de Estado em anos e a terceira desde que Xi Jinping assumiu o poder

    Deputados do Congresso Nacional do Povo no Grande Salão do Povo em Pequim em 7 de março de 2023
    Deputados do Congresso Nacional do Povo no Grande Salão do Povo em Pequim em 7 de março de 2023 VCG/VCG via Getty Images

    Laura Heda CNN

    A China anunciou uma grande reforma governamental que sacudirá a supervisão de seu sistema financeiro e visa aumentar sua autossuficiência tecnológica, à medida que uma guerra tecnológica com os Estados Unidos se intensifica.

    A mudança no Conselho de Estado, o gabinete do país, é a maior em anos e a terceira desde que o líder chinês Xi Jinping assumiu o poder em 2013.

    Um controle mais rígido sobre os principais departamentos é considerado útil para alinhá-los com as prioridades de Xi, que vão desde a manutenção da estabilidade social e econômica até o gerenciamento da crescente tensão geopolítica com os EUA.

    “Essas mudanças institucionais propostas refletem as principais áreas de foco dos formuladores de políticas chinesas nos próximos anos, ou seja, melhorar a coordenação da regulamentação financeira para aumentar a estabilidade financeira”, disseram analistas do Goldman Sachs na quarta-feira.

    O Conselho de Estado, o principal órgão executivo do governo, supervisiona 26 ministérios e dezenas de órgãos administrativos de nível ministerial.

    Embora as principais decisões sejam tomadas pelo Politburo do Partido Comunista, o Conselho de Estado exerce certo poder para implementar essas políticas, especialmente nas áreas econômicas.

    Pequim também planeja reduzir o tamanho da chamada “tigela de arroz de ferro”, um termo popular para empregos com segurança garantida.

    O número de cargos de servidores públicos no governo central será reduzido em 5% nos próximos cinco anos.

    Entre as mudanças anunciadas durante a reunião anual do Congresso Nacional do Povo, Pequim estabelecerá um novo e poderoso regulador financeiro: a Administração Reguladora Financeira Nacional (NFRA), substituindo Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China (CBIRC), que supervisiona bancos comerciais e seguradoras.

    Ele administrará diretamente as principais holdings financeiras do país, incluindo a gigante fintech Ant Group, uma tarefa que antes pertencia ao Banco Popular da China. Também será responsável pela proteção financeira do consumidor e proteção do investidor.

    Alguns analistas disseram que o aparente movimento de Pequim para reafirmar o controle estatal da economia pode assustar os investidores, disse Ken Cheung, estrategista-chefe de câmbio asiático do Mizuho Bank.

    “O sentimento pode piorar, pois os investidores devem permanecer cautelosos em qualquer tarefa de endurecimento da regulamentação, dadas as experiências no setor de tecnologia, mercados imobiliários e setor de ensino privado”, disse.

    “Parece que as batalhas de endurecimento da regulamentação ainda não terminaram”.

    Um super regulador

    O sistema financeiro da China tem sido tradicionalmente supervisionado em conjunto pelo Banco Popular da China, CBIRC e China Securities Comissão Reguladora (CSRC).

    Agora, o novo NFRA supervisionará todos os setores financeiros, exceto o setor de valores mobiliários, que permanecerá sob o CSRC.

    Ele visa “gerir melhor os riscos” no sistema financeiro e fortalecer a supervisão de “instituições, comportamentos e funções”, diz a proposta do governo. A supervisão será “penetrante”, acrescentou.

    “Estabelecer um super regulador ajudará a aprimorar e ampliar a regulamentação nos setores financeiro e bancário, que estão se tornando mais complexos e interligados a outros setores”, disse Cheung.

    A medida ocorre no momento em que os riscos à estabilidade do sistema financeiro da China aumentam em meio à queda do mercado imobiliário e à desaceleração econômica.

    O setor imobiliário, que responde por mais de um quarto do total de empréstimos bancários, está no meio de sua pior recessão já registrada.

    O estresse financeiro já surgiu em várias áreas, desde os protestos do verão passado em bancos rurais em Henan até boicotes generalizados de hipotecas e crescentes inadimplências de incorporadoras imobiliárias.

    Como parte da revisão, o CSRC será atualizado de uma “instituição pública” para uma “instituição governamental”.

    Além de suas responsabilidades existentes, será atribuída uma nova para revisar e aprovar a emissão de títulos corporativos, que atualmente está sob a responsabilidade da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma.

    Esse movimento demonstra o “foco crescente de Pequim no desenvolvimento do mercado de ações e na promoção de mais financiamento direto para alocar melhor o capital e ajudar a retardar o acúmulo de dívidas”, disse o Goldman Sachs.

    Alcançando a autossuficiência tecnológica

    A proposta inclui vários esforços para impulsionar a tecnologia e a inovação da China, enquanto tenta conter as crescentes restrições dos Estados Unidos à venda de tecnologia avançada para a China.

    O atual Ministério da Ciência e Tecnologia será reestruturado e aprimorado. Ele terá a tarefa de promover o “sistema de toda a nação” para inovação, com maior foco na pesquisa básica e na aplicação de tecnologia às indústrias existentes.

    “Enfrentando a situação sombria da corrida tecnológica internacional e contenção e supressão externas, [devemos] … coordenar melhor as forças científicas e tecnológicas para superar as dificuldades nas principais tecnologias essenciais e alcançar rapidamente a autossuficiência em tecnologias avançadas”, disse a proposta.

    Na segunda-feira (6), Xi atacou os Estados Unidos, ao mesmo tempo em que pediu às empresas privadas da China que voassem ao lado do Partido Comunista e impulsionassem o crescimento e a inovação tecnológica.

    A China também estabelecerá um novo departamento para supervisionar seus vastos tesouros de dados.

    O National Data Bureau será encarregado de elaborar regulamentos relacionados a dados e coordenar o compartilhamento e a utilização de dados.

    “Os dados … devem ser cada vez mais importantes daqui para frente”, disseram analistas do Citi. “Seu uso será colocado sob [uma] regulamentação mais estruturada daqui para frente”.

    O ataque regulatório anterior à Big Tech pode ter acabado, mas a regulamentação do setor será mais “normalizada”, disseram eles.

    Pequim lançou uma ampla repressão regulatória contra a indústria de internet do país do final de 2020 a 2022, com o objetivo de alinhar empresas de tecnologia poderosas com suas prioridades.

    O Partido Comunista deixou claro antes do início da repressão que precisa de “pessoas politicamente sensatas” no setor privado, que “escutarão firmemente o partido e seguirão o partido”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original