Conferência do Clima é hora de líderes serem honestos, diz Greta Thunberg

Em entrevista à Reuters, ativista diz que deve ir à COP26 no mês que vem, mas espera se "decepcionar mais uma vez"

Thunberg discursa no Comitê de Meio-Ambiente, Saúde Pública e Segurança Alimentar do Parlamento Europeu, em Bruxelas
Thunberg discursa no Comitê de Meio-Ambiente, Saúde Pública e Segurança Alimentar do Parlamento Europeu, em Bruxelas Dursun Aydemir/Anadolu Agency via Getty Images

Da Reuters

Ouvir notícia

Para a ativista climática Greta Thunberg, o sucesso na próxima conferência climática da ONU só virá se os líderes mundiais admitirem, com honestidade, que não estão cumprindo suas palavras.

A COP26, que acontecerá no mês que vem em Glasgow, na Escócia, visa garantir as promessas das nações de limitar a alta da temperatura global a 1,5 grau Celsius acima da média pré-industrial.

“Estamos muito, muito atrás do que seria necessário”, disse a jovem de 18 anos à Reuters em uma entrevista em de seu apartamento de dois quartos em Estocolmo, após voltar da escola.

“Talvez os líderes sendo honestos crie um senso de urgência que faça as pessoas acordarem”.

Em apenas três anos, desde que começou a faltar à escola às sextas-feiras para protestar sozinha fora do parlamento sueco, Thunberg se tornou uma figura global, dando voz à fúria de sua geração pelo fracasso do mundo em resolver um problema conhecido há décadas.

A cúpula da COP26 no mês que vem é considerada a última grande chance para os líderes anunciarem metas firmes de redução das emissões industriais que causam o aquecimento global nesta década. Thunberg diz que provavelmente irá à conferência, mas espera se decepcionar mais uma vez.

“Minha expectativa é que ouviremos muitos, muitos discursos agradáveis, ouviremos muitas promessas que – se você realmente olhar os detalhes – são mais ou menos sem sentido, mas eles apenas os dizem para ter algo a dizer, para que mídia ter algo sobre o que relatar “, disse ela.” E então espero que as coisas continuem as mesmas. … Os COPs como estão agora não levarão a nada, a menos que haja uma pressão grande e massiva”.

As temperaturas globais já 1,1ºC mais altas e um painel climático da ONU alertou que a mudança climática está perto de sair do controle.

De volta às aulas

Nos últimos três anos, milhões de jovens aderiram ao movimento “Fridays for Future” de Thunberg, matando aula para protestar por ações contra a mudança climática.

Seus discursos diretos alertaram os líderes mundiais: “Vocês est]ao falhando conosco. Mas os jovens estão começando a entender sua traição”, disse ela em um discurso na cúpula da ONU em 2019. “Os olhos de todas as gerações futuras estão sobre vocês. E se vocês escolherem falhar, eu digo: Nós nunca iremos perdoá-lo. ”

Depois de um ano fora da escola promovendo sua causa em tempo integral, Thunberg agora é uma estudante mais uma vez, matriculada em seu segundo ano do ensino médio.

Greta Thunberg participa de protesto
Greta Thunberg participa de protesto do movimento Greve pelo Clima em Bristol, Inglaterra / Leon Neal/Getty Images

Ela se mudou da casa de seus pais para seu primeiro apartamento, onde mora com um labrador chamado Roxy e um golden retriever chamado Moses. Seu pai, Svante, visita com frequência. Sua irmã mais nova e sua mãe, a cantora de ópera Malena Ernman, estão se apresentando atualmente em Estocolmo em um musical sobre Edith Piaf.

A franqueza que a trouxe à atenção global ainda é sua marca registrada. Antes da entrevista, ela disse que seu autismo – um diagnóstico que ela se referiu no passado como uma “superpotência” – a deixou mais confortável olhando diretamente para a câmera do que para um entrevistador.

No mês passado, ela zombou dos líderes mundiais em um discurso para jovens ativistas em Milão, dizendo: “Construa de volta melhor, blá blá blá, economia verde, blá blá blá, rede zero até 2050, blá blá blá, clima neutro, blá blá blá”.

“Isso é tudo que ouvimos de nossos chamados líderes. Palavras. Palavras que parecem ótimas, mas até agora não levaram a nenhuma ação”. completou.

Agora, ela diz que está tentando gerenciar seu trabalho no “Fridays For Future” com sua carga horária escolar normal. Por causa da pandemia, o movimento se reúne principalmente online, o que o torna menos demorado.

“Estou tentando ser eficiente – fazer todos os deveres de casa enquanto estou na escola, para que, quando for para casa, eu esteja livre para fazer outras coisas, trabalhar”, disse ela. “Surpreendentemente, eu consigo”.

Ela tem poucos planos para quando terminar o ensino médio em dois anos, mas disse que queria continuar estudando, “porque gosto de fazer isso”.

E depois da escola? “Estou meio que adiando essa decisão. Mas veremos onde vou parar”.

Mais Recentes da CNN