Entenda o que é a COP26, conferência da ONU para evitar ‘catástrofe climática’

Negociações climáticas internacionais na Escócia, em novembro, acontecerão em momento crucial para garantir compromisso das nações com metas de redução de emissões

Alok Sharma, membro do Parlamento britânico e presidente da COP26, no lançamento da Agenda Privada de Financiamento da conferência
Alok Sharma, membro do Parlamento britânico e presidente da COP26, no lançamento da Agenda Privada de Financiamento da conferência Divulgação/ukcop26.org (27.fev.2021)

Ivana Kottasováda CNN

Ouvir notícia

As negociações climáticas internacionais da COP26 em Glasgow, na Escócia, em novembro não poderiam acontecer em um momento mais crucial.

Um relatório publicado pela ONU em agosto mostrou que o mundo está aquecendo mais rápido do que os cientistas pensavam, e que reduzir as emissões de gases de efeito estufa em pelo menos metade desta década é crucial para evitar os impactos mais catastróficos da crise climática.

Incêndios florestais e inundações mortais em muitas partes do mundo no ano passado deixaram poucas dúvidas de que a mudança climática está aqui agora e está afetando todos os cantos da Terra.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou aos líderes mundiais na terça-feira (21), alertando que a humanidade estava a caminho de uma “catástrofe” climática. Mas há sinais de esperança.

Ao lado de “Covid-19”, “clima” foi a palavra da moda na Assembleia-Geral da ONU em Nova York, e tanto os Estados Unidos quanto a China anunciaram novos compromissos para enfrentar a crise, sugerindo que os dois maiores emissores de gases do mundo podem estar dispostos a cooperar e assumir ações mais ousadas.

Aqui está tudo o que você precisa saber sobre a importante conferência climática da ONU em novembro e o que os líderes mundiais esperam alcançar.

O que é a COP26?

A COP é a abreviatura de Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), que é um evento que acontece anualmente, mas foi adiado no ano passado por causa da pandemia.

Os líderes mundiais comparecem, mas muitas das discussões acontecem entre ministros e outras autoridades de alto nível que trabalham com questões climáticas. O 26 significa que esta é a 26ª reunião do grupo.

As conferências são eventos massivos com muitas reuniões paralelas que atraem pessoas do setor empresarial, empresas de combustíveis fósseis, ativistas do clima e outros grupos com interesse na crise climática.

Alguns deles são bem-sucedidos – o Acordo de Paris foi firmado durante a COP21, por exemplo – e alguns são dolorosamente improdutivos.

Joe Biden em encontro virtual com vários líderes mundiais para discutir energia e clima
Joe Biden em encontro virtual com vários líderes mundiais para discutir energia e clima / Jonathan Ernst – 17.set.2021/Reuters

Mais de 190 países assinaram o Acordo de Paris após a reunião da COP21, em 2015, para limitar o aumento das temperaturas globais abaixo de 2 graus Celsius dos níveis pré-industriais, mas de preferência para 1,5 graus.

Meio grau pode não parecer uma grande diferença, mas os cientistas dizem que qualquer aquecimento adicional além de 1,5 grau irá desencadear eventos extremos climáticos mais intensos e frequentes.

Por exemplo, limitar o aquecimento a 1,5 graus em vez de 2 graus pode resultar em cerca de 420 milhões de pessoas a menos sendo expostas a ondas de calor extremas, de acordo com a ONU.

Os cientistas vêem 2 graus como um limite crítico onde o clima extremo transformaria algumas das áreas mais densamente povoadas do mundo em desertos inabitáveis ​​ou as inundaria com água do mar.

Embora o Acordo de Paris tenha sido um marco na busca para enfrentar a crise climática, ele não incluiu detalhes sobre como o mundo alcançaria seu objetivo. As COPs subsequentes buscaram tornar os planos a ela associados mais ambiciosos e detalhar cursos de ação.

“No papel, o Acordo de Paris sempre foi concebido como um processo cíclico – ‘vejo você em cinco anos, com planos melhores e esforços renovados’”, disse Lola Vallejo, diretora do programa climático do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Relações Internacionais. “Então, agora, estamos neste prazo, adiados pela Covid-19.”

Quais são os objetivos?

Alok Sharma – um membro do Parlamento britânico e presidente da COP26 – disse que deseja que a conferência deste ano chegue a um acordo sobre uma série de objetivos principais, incluindo:

  • Manter a meta de “1,5 grau viva”, uma meta a que alguns países produtores de combustíveis fósseis têm resistido, pelo menos em termos de fortalecimento da linguagem em torno dela em qualquer acordo;
  • Colocar uma data limite para acabar com o uso de carvão “inabalável”, o que deixa em aberto a possibilidade de continuar usando algum tipo carvão, desde que a maior parte das emissões de gases de efeito estufa do combustível fóssil seja capturada, impedindo-os de entrar na atmosfera. Alguns cientistas e grupos de ativistas disseram que todo o carvão deveria ser relegado à história;
  • Fornecer US$ 100 bilhões de financiamento climático anual, o que as nações ricas concordaram, para ajudar os países em desenvolvimento a reduzir as emissões de combustíveis fósseis e se adaptar aos impactos da crise;
  • Fazer com que todas as vendas de carros novos sejam de zero emissões em 14 a 19 anos;
  • Acabar com o desmatamento até o final da década, já que as florestas desempenham um papel crucial na remoção de carbono da atmosfera;
  • Reduzir as emissões de metano, um gás potente com mais de 80 vezes o poder de aquecimento do dióxido de carbono.

O que são as ‘emissões líquidas zero’?

Muitos países se comprometeram a alcançar “emissões líquidas zero” em meados do século. Isso é quando a quantidade de gases de efeito estufa emitida não é maior do que a quantidade removida da atmosfera.

Para alcançar o carbono zero, os países e as empresas precisarão contar com métodos naturais – como florestas – para remover a mesma quantidade de carbono que emitem, ou usar a tecnologia conhecida como captura e armazenamento de carbono, que envolve a remoção do carbono na fonte de emissão antes de entrar na atmosfera. O carbono seria então armazenado ou enterrado no subsolo.

A boa notícia é que o relatório da ONU de agosto descobriu que se o mundo chegar a emissões líquidas zero em meados do século, o aquecimento global pode ser contido em cerca de 1,5 grau Celsius.

Mas alguns cientistas e ativistas dizem que as metas de emissão zero são perigosas.

“O problema das metas de emissões líquidas zero, tanto por empresas quanto por uma série de governos, é que muitas delas são realmente vagas e há o risco de que se tornem uma espécie de cobertura para os negócios normais”, disse Aditi Sen, líder de política climática na Oxfam América.

“O que realmente nos leva a 1,5 grau é o corte agressivo das emissões agora, ao longo dos próximos nove anos.”

Existem alternativas renováveis e verdes para muitas das maiores fontes de emissões. Os veículos com motor de combustão podem ser substituídos por carros elétricos. As usinas de carvão podem ser fechadas em favor da geração de energia renovável a partir de fontes eólica e solar.

Mas algumas emissões são difíceis, ou até mesmo impossíveis, de eliminar. Por exemplo, o mundo ainda não possui uma maneira limpa de fazer aço em grande escala, embora algumas empresas menores já o estejam fazendo. Essas emissões provavelmente precisarão ser compensadas com a remoção de carbono da atmosfera.

Qual é o papel dos EUA e da China?

Muitas das reuniões da COP foram prejudicadas pela relação entre os EUA e a China.

Durante anos, os EUA não apoiariam o Protocolo de Quioto, que precedeu o Acordo de Paris, a menos que a China também o assinasse. O acordo inicialmente não exigia que China, Índia, Brasil e outras economias em desenvolvimento reduzissem as emissões.

Mas os acontecimentos na Assembleia-Geral da ONU deram motivos para esperança. O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou na terça-feira que dobrará o compromisso financeiro do país para ajudar as nações em desenvolvimento a enfrentar a crise climática para US$ 11,4 bilhões por ano.

Ele precisará da aprovação do Congresso para empenhar esses fundos. Mas já é uma reviravolta em relação aos anos sob a administração anterior dos Estados Unidos, quando o então presidente Donald Trump retirou Washington do Acordo de Paris.

O presidente chinês, Xi Jinping, também fez um grande anúncio na terça, dizendo que seu país não construirá nenhum novo projeto de energia a carvão no exterior.

Embora a própria China continue a ser o maior consumidor mundial de carvão, o anúncio efetivamente encerra uma longa história de financiamento de usinas de carvão pela China em lugares como África, Europa Oriental e Sudeste Asiático.

Xi também disse que a China começará a transferir dinheiro para o mundo em desenvolvimento, elevando o status da China em negociações futuras.

Os anúncios aproximam a China e os EUA em ações climáticas e podem ser um prenúncio de progresso futuro entre as duas nações.

O enviado climático dos EUA, John Kerry, tem pressionado a China a ser mais ambiciosa em suas metas de emissões, que atualmente atingem o pico de emissões antes de 2030 e alcançam as emissões líquidas zero em 2060.

Que outros países devemos prestar atenção?

Sob o Acordo de Paris, os países submeteram suas promessas de redução de emissões, também conhecidas como Contribuições Nacionalmente Determinadas, ou NDCs.

Todos os signatários deveriam atualizar seus NDCs até 31 de julho deste ano, mas cerca de 70 ainda não o fizeram.

Embora tenha havido sinais positivos vindos de alguns dos maiores poluidores do mundo, vários países parecem estar entrando na reunião com o objetivo de lutar contra metas maiores e mais ambiciosas. O governo australiano não escondeu o fato de que planeja continuar a minerar carvão “bem depois de 2030”.

A Rússia, grande produtora de combustíveis fósseis, é outro país com o qual os observadores estão preocupados. Embora o presidente russo, Vladimir Putin, tenha dito que seu país está comprometido com a causa, o plano que a Rússia apresentou foi descrito por especialistas como algo que não representa uma mudança significativa.

Índia, Arábia Saudita e Turquia estão entre os países que perderam o prazo de 31 de julho. A China anunciou uma nova meta, mas não a apresentou formalmente à ONU.

Austrália, Brasil, México, Nova Zelândia, Rússia e muitos outros países não conseguiram aumentar suas metas, apresentando as mesmas ou metas até menos ambiciosas para 2030 do que as apresentadas em 2015.

“Realmente esperamos que os países apresentem compromissos novos e aprimorados”, disse Vallejo.

“Alguns países não enviaram promessas ou aqueles que já fizeram promessas, uma boa parte deles ainda é insuficiente, a maioria não está exatamente em linha com o limite de 1,5 grau.”

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN