Corte de verba para combustíveis e US$ 9 bi para florestas: o 3º dia da COP26

Cada dia da conferência tem um assunto definido para orientar as conversas e as negociações; nesta quarta, o tema principal foi investimento financeiro

COP26
COP26 UN Climate Change/Kiara Worth

Ivana KottasováAmy CassidyIngrid FormanekAngela Dewanda CNN*

Ouvir notícia

Os delegados pelos líderes mundiais reunidos em Glasgow, na Escócia, na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26), trabalharam nesta quarta-feira (3) para tentar chegar em acordos desde a transparência dos relatórios de emissões até a proteção florestal.

Cada dia da conferência tem um tema definido para orientar as conversas e as negociações. Nesta quarta-feira, o terceiro dia da COP26, o tema principal foi investimento financeiro.

Entre os temas discutidos na reunião foi apresentado o corte de verba para combustíveis fósseis, e um investimento de US$ 9 bilhões em um fundo no Departamento de Estado dos Estados Unidos para financiar projetos de conservação de florestas com países em desenvolvimento ao redor do mundo.

Confira, em cinco pontos, os destaques do terceiro dia da COP26

  1. Corte no financiamento de combustíveis fósseis
  2. Promessa florestal de Joe Biden
  3. Mais pobres enfrentam “armadilhas” em financiamento
  4. Finanças do clima estão “fora de controle”
  5. Banqueiros contra a mudança climática

Corte no financiamento de combustíveis fósseis

Pelo menos 20 países concordaram em encerrar o financiamento para projetos de combustíveis fósseis no exterior, disse um funcionário do Reino Unido à CNN Internacional, em um acordo que deverá ser anunciado oficialmente na quinta-feira (4).

Outra fonte próxima às negociações da COP26 disse que os EUA eram parte do acordo. Funcionários do Departamento de Estado dos EUA não responderam à CNN Internacional para confirmar o envolvimento do país.

Embora vários países já tenham concordado em encerrar o financiamento internacional para o carvão, o novo tratado seria o primeiro a incluir também projetos de petróleo e gás.

O anúncio vem após uma série de relatórios nos últimos meses que mostraram que o mundo precisa imediatamente reduzir a queima de combustível fóssil se o planeta tiver uma oportunidade de evitar o aquecimento a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

Um estudo recente publicado na revista Nature, por exemplo, descobriu que a maioria das reservas de petróleo, gás natural e carvão remanescentes do planeta devem permanecer no solo até 2050 para evitar as piores consequências das mudanças climáticas.

A maioria das regiões ao redor do mundo, de acordo com os autores, deve atingir o pico de produção de combustível fóssil agora ou na próxima década para limitar o limiar crítico do clima.

O acordo de financiamento “representa uma mudança nas normas que seria impensável apenas alguns anos atrás”, disse à CNN Iskander Erzini Vernoit, especialista em finanças climáticas do think tank E3G. “Nós vimos isso ir de conceitos de fronteira de nicho para o centro do mainstream.”

/ UN Climate Change/Kiara Worth

Promessa florestal de Joe Biden

Um importante democrata na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos apresentou um projeto de lei para dar peso financeiro ao compromisso do presidente dos EUA, Joe Biden, de acabar e reverter o desmatamento.

A legislação do líder da maioria na Câmara, Steny Hoyer, estabeleceria um fundo fiduciário de US$ 9 bilhões no Departamento de Estado dos EUA para financiar projetos bilaterais de conservação de florestas com países em desenvolvimento ao redor do mundo — a mesma quantia que Biden disse que os EUA deveriam contribuir.

“Precisamos deles para mantê-lo enterrado”, disse Hoyer à CNN, referindo-se a impedir que os países cortem árvores. “O primeiro passo é parar de perder a floresta.”

Mais de 100 líderes mundiais, representando mais de 85% das florestas do planeta, se comprometeram esta semana em acabar e reverter o desmatamento e a degradação da terra até 2030. Foi o primeiro acordo substancial anunciado na cúpula do clima COP26, em Glasgow.

Doze partes do acordo — incluindo os EUA e a União Europeia — comprometeram US$ 12 bilhões em financiamento público para proteger e restaurar florestas, além de US$ 7,2 bilhões de capital privado.

Mais pobres enfrentam “armadilhas” em financiamento

Os 46 países menos desenvolvidos do mundo falaram sobre os danos que a mudança climática está causando às suas nações — e a ajuda de que precisam desesperadamente para lidar com isso.

As nações ricas prometeram fornecer US$ 100 bilhões por ano ao mundo em desenvolvimento para adaptação e mitigação até 2020, uma promessa que ainda não foi cumprida.

No entanto, muitos dos países mais pobres do mundo dizem que mesmo essa quantia não é suficiente e estão cada vez mais pressionando por reparações climáticas pelas perdas e danos causados ​​ao longo dos anos. Os fundos limitados disponíveis permanecem inacessíveis para muitos.

Segundo Sonam Wangdi, presidente do Grupo de Países Menos Desenvolvidos, os países mais pobres são forçados a pedir dinheiro emprestado, levando ao que ele chamou de “armadilhas de dívidas”.

“Não temos capacidade, o acesso é um grande problema  porque a maioria dessas janelas de financiamento têm requisitos diferentes, desafios diferentes”, disse.

“Quer dizer, se você tem um desastre climático e pede um empréstimo, leva quatro ou cinco anos. Não faz sentido. Você não pode ajudar seu povo, não é capaz de refinanciar, reconstruir ou meios de subsistência seguros.”

Txai Suruí em Glasgow, na Escócia, durante a COP26
Txai Suruí em Glasgow, na Escócia, durante a COP26 / Instagram/Reprodução

Finanças do clima estão “fora de controle”

A chefe de redução do clima e risco de desastres do Programa Mundial de Alimentos (PMA), Gernot Laganda, disse à CNN que o financiamento do clima precisa “equilibrar imediatamente as escalas” para obter mais financiamento para as pessoas que são mais vulneráveis.

A mitigação se concentra em tornar as mudanças climáticas menos severas por meio da transição para a economia verde e da redução das emissões de carbono — adaptação tem tudo a ver com minimizar os impactos do aumento das temperaturas.

O financiamento da mitigação, por exemplo, seria uma concessão para construir um parque eólico, enquanto o dinheiro da adaptação iria para a construção de defesas contra inundações.

Laganda disse que “80% do investimento é na mitigação de energia e carros elétricos e apenas 20% do investimento na construção de resiliência — isso é lamentavelmente fora de sintonia.”

A chefe do PMA afirmou ainda que, como a frequência dos extremos climáticos impulsionados pelo clima se acelerou, é preciso investir mais na resiliência. Só em 2020, as condições meteorológicas extremas expulsaram 30 milhões de pessoas de suas casas, de acordo com o WFP.

Banqueiros contra a mudança climática

Bancos, seguradoras, fundos de pensão, gestores de dinheiro e outras firmas financeiras com US$ 130 trilhões em ativos se inscreveram para enfrentar a crise climática, aumentando as fileiras de uma coalizão liderada pelo ex-governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney.

As mais de 450 empresas em 45 países que assinaram a Glasgow Financial Alliance for Net Zero (GFANZ) controlam mais de 40% dos ativos bancários globais. Seus organizadores preveem que ele pode fornecer US$ 100 trilhões em financiamento nas próximas três décadas — mais de US$ 3 trilhões por ano — para acelerar a transição para emissões líquidas zero de carbono.

Embora a promessa pareça ótima, os compromissos líquidos de zero feitos pelas empresas costumam incluir brechas, falta de transparência e não incluem mecanismos de fiscalização para garantir que sejam cumpridos.

“Precisamos garantir que os compromissos assumidos sejam rastreados e responsabilizados. Garantir a integridade desses compromissos ao longo do tempo é fundamental para realmente fazer a diferença e agora precisamos nos concentrar resolutamente na qualidade das promessas feitas pelas instituições financeiras, não apenas sua quantidade”, disse Ben Caldecott, diretor do Oxford Sustainable Finance Group da Universidade de Oxford.

(*Esse texto foi traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN