Diplomacia ou impasse? Coreia do Norte e EUA fazem movimentos cautelosos

Países alternam discursos duros com acenos a negociações diplomáticas

Bandeiras nacionais dos EUA e da Coreia do Norte são vistas no Capella Hotel na ilha de Sentosa, em Cingapura
Bandeiras nacionais dos EUA e da Coreia do Norte são vistas no Capella Hotel na ilha de Sentosa, em Cingapura Foto: Jonathan Ernst/ Reuters

Reuters

Ouvir notícia

Embora a enxurrada de reclamações da Coreia do Norte sobre as políticas do presidente dos EUA Joe Biden no fim de semana possa parecer estar aumentando as tensões, alguns sinais sugerem que Pyongyang não descartou a diplomacia com a nova equipe em Washington.

Poucos observadores esperam que as negociações sejam retomadas em breve — os dois países estão mais focados em questões como a pandemia do coronavírus e suas consequências — e não há maneiras fáceis de resolver suas diferenças mais espinhosas.

Mas alguns analistas dizem que, apesar de sua fanfarronice, a Coreia do Norte não parece ter fechado totalmente a porta para o governo Biden ainda.

“Há sinais de que Washington e Pyongyang estão nos estágios iniciais e cautelosos de uma dança diplomática”, disse o programa 38 North dos Estados Unidos, que monitora a Coreia do Norte, em um relatório nesta segunda-feira (4).

No domingo, a Coreia do Norte divulgou uma série de declarações oficiais criticando as políticas e retórica de Biden até agora como hostilidades ao estilo da Guerra Fria adotadas por presidentes americanos anteriores, e descartou a conversa de diplomacia como uma tentativa de encobrir essas políticas ameaçadoras.

As declarações foram feitas depois que a Casa Branca disse na sexta-feira (30) que autoridades concluíram uma revisão de política na qual a desnuclearização completa da Coreia do Norte continua sendo o objetivo. Ele disse que iria explorar a diplomacia para esse fim, mas não buscar um grande negócio com o líder norte-coreano Kim Jong Un.

Embora a Coreia do Norte tenha mencionado a revisão, ela não respondeu especificamente aos poucos detalhes que foram divulgados, um sinal que alguns analistas interpretaram como evidência de que Pyongyang está retendo o julgamento por enquanto.

O líder norte-coreano Kim Jong Un
O líder norte-coreano Kim Jong Un discursou na sessão de abertura de seu 8º Congresso do Partido dos Trabalhadores na manhã da terça-feira (5), de acordo com a Agência de Notícias Central Coreana estatal
Foto: KCNA/ Reprodução

As declarações norte-coreanas vieram de funcionários de nível inferior do Ministério das Relações Exteriores, que não gritaram ou insultaram Biden pelo nome, e as ameaças de “crise pior” ainda estavam condicionadas às ações dos EUA, observou 38 North.

“Não seria uma surpresa se ambos os lados usassem este período inicial para sondar e posicionar um pouco”, disse o relatório.

O republicano Donald Trump realizou três reuniões de cúpula com Kim na tentativa de persuadir o líder norte-coreano a entregar seu arsenal nuclear, mas não obteve grande avanço.

As negociações estão paralisadas desde 2019, com a Coreia do Norte dizendo que não tem interesse em negociações se os Estados Unidos não abandonarem as políticas hostis, incluindo duras sanções econômicas.

Poucos dias antes de Biden assumir o cargo, Kim, da Coreia do Norte, pediu armas nucleares mais avançadas e disse que os Estados Unidos são “nosso maior inimigo”.

A Coreia do Norte continuou a conduzir uma série de testes de mísseis de curto alcance e desenvolver novas armas, mas desde 2017 ainda não retomou os lançamentos de seus mísseis de maior alcance ou bombas nucleares de teste, o que seria visto como um desafio significativo para Biden.

“A preocupação era que a Coreia do Norte fizesse algo tão provocativo que o governo Biden não tivesse espaço para diplomacia”, disse John Delury, professor da Universidade Yonsei da Coreia do Sul. “Mas ambos os lados estão evitando irritar um ao outro. Eles poderiam estar xingando um ao outro, mas não estão.”

Rachel Minyoung Lee, do 38 North, ex-analista de código aberto da Coreia do Norte para o governo dos EUA, disse à Reuters que é notável que a Coreia do Norte não publique consistentemente suas declarações oficiais sobre o governo Biden na mídia doméstica.

“Isso indica que Pyongyang está mantendo suas opções de política em aberto”, disse ela.

Prédio em Pyongyang, capital da Coreia do Norte
Prédio em Pyongyang, capital da Coreia do Norte
Foto: gfs_mizuta/ Pixabay/ Reprodução

 

O governo Biden sinalizou simultaneamente uma linha dura em relação aos direitos humanos, desnuclearização e sanções, enquanto fazia aberturas diplomáticas que autoridades americanas dizem ter sido rejeitadas por Pyongyang.

Autoridades americanas enfatizaram que buscam objetivos diplomáticos “práticos” e estão abertas a negociações, mas dizem que a bola está do lado da Coreia do Norte.

“Temos uma política muito clara que se concentra na diplomacia e, creio eu, cabe à Coreia do Norte decidir se deseja se envolver ou não nessa base”, disse o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, na segunda-feira.

Mesmo se ambos os lados quisessem apostar tudo na diplomacia, a pandemia em curso pode tornar um processo já difícil quase impossível no futuro próximo, disse Delury.

“A situação do Covid realmente restringe as opções diplomáticas e coloca ambas as partes em um padrão de espera”, disse ele.

 

Mais Recentes da CNN