Domesticação de cavalos aconteceu há 4.200 anos, conclui novo estudo

Análise de DNA sugere que os cavalos foram domesticados pela 1ª vez nas estepes da região do Mar Negro, parte da Rússia, antes de se espalharem pela Ásia e Europa nos séculos seguintes

O estudo foi publicado na quarta-feira (20) na revista Nature
O estudo foi publicado na quarta-feira (20) na revista Nature Reuters/Pavel Mikheyev - 27 jul. 2021

Ashley Stricklandda CNN*

Ouvir notícia

A domesticação de cavalos mudou o curso da história humana, mas os cientistas vêm tentando há anos descobrir quando e onde esse evento crucial aconteceu. Agora, a evidência de um novo estudo usando análise de DNA sugere que os cavalos foram domesticados pela primeira vez há 4.200 anos nas estepes da região do Mar Negro, parte da Rússia moderna, antes de se espalharem pela Ásia e Europa nos séculos que se seguiram.

O estudo foi publicado na quarta-feira (20) na revista Nature. Para chegar ao resultado, uma equipe internacional de cientistas coletou e sequenciou genomas de carcaças de 273 cavalos antigos encontrados na Europa e na Ásia e os comparou com o DNA de cavalos modernos para determinar sua origem.

A dificuldade em determinar quando e onde ocorreu a domesticação dos cavalos acontece porque é uma mudança menos óbvia do que a observada em animais como o gado domesticado, que experimentou uma mudança de tamanho.

Em vez disso, os pesquisadores tiveram que trabalhar com base em evidências indiretas, como danos aos dentes que sugeriam o uso de freios ou até mesmo o simbolismo do cavalo entre as culturas, disse o principal autor do estudo e paleogeneticista Ludovic Orlando, diretor de pesquisa do Centro Nacional Francês de Antropobiologia e Genômica da Toulouse para a Universidade de Toulouse – Paul Sabatier na França.

“Rastrear a atividade humana no registro arqueológico é uma tarefa difícil, e ainda mais difícil quando se trata de reconstruir relações antigas com cavalos, das quais muitas vezes temos apenas material fragmentado, como ossos de cavalo, disponíveis para estudar”, disse o co-autor do estudo William Taylor, professor assistente e curador de arqueologia no Museu de História Natural da Universidade do Colorado.

Janela crítica no tempo para descoberta

Pesquisas anteriores sugeriram que a casa original dos cavalos domesticados ficava no sítio de Botai, no que hoje é o norte do Cazaquistão, na Ásia Central, porque fornecia as evidências arqueológicas mais antigas desses animais. Porém, o DNA contou uma história diferente.

Os cavalos Botai, que viveram 5.500 anos atrás, não puderam ser rastreados até os cavalos domésticos modernos. Outros locais de origem potencial na Anatólia, Sibéria e na Península Ibérica também não deram certo.

O pesquisador Orlando e sua equipe sabiam que o período entre 4.000 e 6.000 anos atrás foi uma janela crítica para investigar quando os cavalos foram domesticados devido à datação de restos de cavalos antigos, “mas nenhuma arma fumegante foi encontrada”, disse ele.

Os pesquisadores ampliaram a pesquisa para fornecer uma imagem maior, estudando o DNA de cavalos antigos que viveram entre 50.000 a.C. e 200 a.C. Quando isso foi comparado com o DNA do cavalo doméstico moderno, a equipe conseguiu identificar uma data e um lugar.

“A domesticação do cavalo foi um golpe de raio absoluto na história humana, levando a transformações sociais incríveis, generalizadas e duradouras em todo o mundo antigo”, disse Taylor.

“Os cavalos eram uma ordem de magnitude mais rápidos do que muitos dos sistemas de transporte da Eurásia pré-histórica, permitindo que as pessoas viajassem, se comunicassem, comercializassem e invadissem distâncias que antes seriam impensáveis.”

Cavalos no Cazaquistão
No DNA dos cavalos havia evidências de domesticação, incluindo genes associados a um comportamento mais dócil, resistência, resistência ao estresse e uma espinha dorsal mais forte para suportar mais peso / Reuters/Pavel Mikheyev – 27 jul. 2021

Propagação de cavalos domésticos

A Eurásia já foi o lar de populações de cavalos geneticamente distintas, mas uma mudança dramática ocorreu entre 2.000 a.C. e 2.200 a.C., disseram os pesquisadores. Uma população genética dominante de cavalos apareceu na estepe Pôntico-Cáspio da Eurásia Ocidental do Cáucaso do Norte, a leste do Rio Dnieper nas bacias do Don e do Volga. Esta área agora faz parte da Rússia.

Essa população de cavalos então se espalhou e substituiu os grupos de cavalos selvagens que vagavam pela Eurásia em séculos.

“O que nossos dados mostram é que entre 4.600-4.200 anos atrás, pastores localizados na região de Don-Volga encontraram uma maneira de aumentar o pool reprodutivo local de cavalos”, disse Orlando. “Isso significa que eles poderiam reproduzir mais e mais cavalos, geração após geração. Eles também selecionaram cavalos com características específicas.”

No DNA dos cavalos havia evidências de domesticação, incluindo genes associados a um comportamento mais dócil, resistência, resistência ao estresse e uma espinha dorsal mais forte para suportar mais peso. Tudo isso está relacionado com passeios a cavalo em animais modernos.

Andar a cavalo, bem como a invenção de carros de guerra com rodas de raios, provavelmente permitiu que esses cavalos substituíssem outras populações em 500 anos — e mudou para sempre a mobilidade humana e a guerra.

“O motivo pelo qual estamos tão interessados ​​em cavalos é que eles provavelmente podem ser considerados um dos animais que mais impactaram a história humana”, disse Orlando. “Essa relação estreita que desenvolvemos com esse animal durou até o início do século XX, época em que o motor do motor assumiu o transporte.”

No Mediterrâneo e na Mesopotâmia, carruagens puxadas por cavalos provavelmente se espalharam por meio do comércio e da conquista militar porque os cavalos eram cruciais como animais de transporte, disse Taylor. Em lugares como a Ásia Central e Oriental, os cavalos também serviam a um propósito valioso como gado e viajavam com os pastores migratórios.

Técnicas para rastrear as origens dos cavalos domésticos

Com base nos ambientes onde os cavalos viviam, “a domesticação dos cavalos transformou as estepes e pradarias do mundo em centros culturais, centros populacionais e potências políticas”, disse Taylor.

“Quase em todos os lugares onde foram introduzidos, das estepes da Ásia às Grandes Planícies ou aos Pampas das Américas, eles remodelaram as sociedades humanas quase imediatamente.”

Orlando e sua equipe usaram técnicas inovadoras de DNA para distinguir essa população de cavalos primitiva de tantos outros.

Os pesquisadores querem entender por completo como os cavalos foram domesticados, algo que Orlando e seus colegas estão focando no projeto Pegasus . Isso também pode ajudá-los a aprender como os cavalos domésticos foram introduzidos na América do Norte e do Sul.

“Embora agora saibamos (onde) os cavalos domésticos surgiram pela primeira vez, todo o processo de sua expansão ao redor do mundo e sua história de criação nas centenas de tipos diferentes que conhecemos hoje permanece controverso”, disse Orlando.

“Além disso, o cavalo era igualmente o animal de fazendeiros, guerreiros e reis; eles foram encontrados em contextos rurais e urbanos, e em ambientes extremamente diversos, desde a cordilheira mais fria da Sibéria às montanhas do Nepal. Queremos rastrear como esses vários contextos remodelaram a biologia do cavalo.”

(*Esse texto foi traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN