Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    ‘Ele morreu esperando que seus seguranças chegassem’, diz primeira-dama do Haiti

    Primeira-dama do Haiti questiona por que os guardas não estavam presentes quando o presidente foi assassinado, em julho deste ano

    Martine Moise, primeira-dama do Haiti
    Martine Moise, primeira-dama do Haiti Foto: David von Blohn para a CNN

    Caitlin Hu, Matt Rivers e Natalie Gallón, da CNN

    Ouvir notícia

    Quando o presidente do Haiti foi brutalmente assassinado em seu quarto no mês passado, apenas uma testemunha estava lá para ver. Ela o conhecia melhor do que ninguém.

    Martine Moise, a primeira-dama do Haiti, foi encontrada sangrando no chão ao lado do corpo de seu marido, Jovenel Moise, em 7 de julho. Mas ela sobreviveu ao misterioso ataque – e agora está lutando em busca de trazer os assassinos à Justiça.

    Em uma entrevista no sul da Flórida (EUA) no domingo (1), a Sra. Moise – ainda de luto profundo, seu braço enfaixado do pulso ao ombro – descreveu detalhes arrepiantes do ataque à CNN e exigiu a ajuda do mundo para resolver o assassinato.

    “Alguém deu a ordem e alguém pagou o dinheiro. Essas são as pessoas que estamos procurando. Quero a ajuda do Conselho de Segurança das Nações Unidas para encontrar essas pessoas”, disse ela.

    A Sra. Moise é a única testemunha ocular do assassinato de seu marido. Ela também é a única vítima conhecida, seu cotovelo e antebraço se espatifaram em uma chuva de balas quando os agressores entraram na suíte presidencial.

    Ela soube, pela primeira vez que algo estava errado naquela noite, quando ela e o marido ouviram tiros do lado de fora de sua casa por volta da 1h. Assim que perceberam que os atiradores haviam entrado na casa, eles tentaram se esconder no chão atrás da cama, disse ela.

    Mesmo assim, porém, Moise não acreditou no que estava para acontecer. “Na ocasião, eu nem pensava que eles conseguiriam entrar na sala onde estávamos, porque tínhamos cerca de 30 ou 50 seguranças (na casa)”, disse ela.

    Primeira-dama do Haiti, Martine Moise
    Primeira-dama do Haiti, Martine Moise, retorna ao país após atentado que tirou a vida do presidente Jovenel Moise
    Foto: Reprodução/Reuters

    Mesmo assim, eles entraram, em uma falha de segurança maciça que as autoridades haitianas ainda não explicaram. Pelo menos dois chefes de segurança estão atualmente na prisão, incluindo o chefe da segurança presidencial Dimitri Herard e o coordenador de segurança do palácio, Jean Laguel Civil.

    De onde ela estava deitada no chão, com o braço quebrado e sangrando em vários lugares, Moise diz que podia ver apenas os sapatos dos intrusos. Ela estimou que cerca de uma dúzia de homens entraram na sala, falando espanhol, procurando por algo específico.

    “Eles vieram à sala para encontrar algo, porque eu os ouvi dizer, ‘No es eso, no eso – eso es’ (em espanhol: ‘Não é isso, não é isso – é isso’). O que significa encontraram o que procuravam.”
    Só então eles voltaram sua atenção para o presidente no chão e fizeram um telefonema fatal, ela lembrou com uma calma devastadora.

    “Ele ainda estava vivo. Disseram que ele era alto, magro e negro, e talvez a pessoa no telefone tenha confirmado para o atirador que era ele. Então atiraram nele no chão.”

    Seu marido teria sido baleado 12 vezes, com buracos de bala encontrados em seu rosto, torso, pernas e braços, de acordo com um relatório inicial dos investigadores.

    Os agressores não se dirigiram diretamente ao presidente e Moise não disse nada a eles, momentos antes de sua execução, segundo sua esposa.

    “Assim que atiraram no presidente, pensei: ‘Acabou para nós dois’. E fechei os olhos, sabe, não pensei em mais nada. Pensei: ‘Acabou. Este é o nosso último dia’ “, disse ela.
    Mas os atacantes partiram sem mais derramamento de sangue. Moise acredita que eles pensaram que ela estivesse morta.

    Mesmo depois do ataque, os seguranças encarregados de proteger a primeira família do Haiti nunca compareceram. Foi uma empregada que acabou encontrando a Sra. Moise no quarto ensanguentado, e a quem ela pediu para trazer uma das gravatas do marido para servir de torniquete para seu braço, disse ela.

    Uma equipe da Polícia Nacional acabou chegando para levá-la embora, primeiro para um hospital local de que ela mal se lembra e depois de avião para um hospital de Miami com seus filhos.
    Ao sair de casa no início da manhã escura, Moise disse que ficou surpresa com a ausência de qualquer um dos guardas habituais no terreno do complexo. Dezenas de guardas costumam ficar na casa, diz ela, e seus dormitórios ficam, na verdade, no porão da casa, a fim de garantir rotações de turno contínuas.

    “Os guardas não iriam embora sem uma ordem. Talvez eles tenham recebido uma ordem para sair – é o que eu acho”, disse ela. “Tenho pensado muito sobre como isso pode ter acontecido.”
    “Teria sido 50 contra 28, tínhamos mais segurança do que eles … Acredito que o presidente morreu com a esperança de que sua equipe de segurança viesse”, disse ela.

    O presidente do Haiti, Jovenel Moise
    O presidente do Haiti, Jovenel Moise, foi assassinado em casa nesta semana
    Foto: Riccardo Savi/Getty Images for Concordia Summit

    As autoridades haitianas disseram anteriormente que nenhum guarda ficou ferido quando os agressores arrombaram o portão principal, cruzaram o complexo, arrombaram a porta da frente e procuraram o quarto do presidente.

    O que os seguranças presidenciais sabem, viram ou fazem são questões centrais na investigação em andamento.

    Pelo menos 24 policiais estão sob investigação, de acordo com o chefe de polícia do Haiti, Leon Charles. Doze foram presos e quatro foram acusados de trabalhar em estreita colaboração com o grupo de supostos mercenários colombianos suspeitos de realizar o ataque, segundo a porta-voz da Polícia Nacional, Marie Michele Vernier.

    Mas, como a CNN relatou anteriormente, os investigadores judiciais não foram autorizados a se encontrar ou receber depoimentos de nenhum dos guardas que testemunharam o ataque.

    As autoridades haitianas não têm escassez de suspeitos na trama do assassinato – pelo menos 44 pessoas estão agora sob custódia, incluindo 18 colombianos e pelo menos três cidadãos norte-americanos. Mas, apesar das prisões de um pastor que mora na Flórida e de um ex-funcionário do Ministério da Justiça local acusado de coordenar partes do ataque, nenhum líder ou motivo claro ainda apareceu. Nenhum dos suspeitos foi formalmente acusado.

    Falando calma e precisamente em crioulo haitiano, francês e inglês alternadamente, a primeira-dama foi composta e cuidadosa – uma mulher transformada da paciente de olhos vazios do hospital mostrada em fotos tuitadas por seu relato oficial nos dias após o assassinato.

    Pouca emoção cruzou seu rosto quando ela contou aquela noite sangrenta – além de uma breve explosão de risos irônicos com a sugestão de que os mentores do assassinato estão entre as dezenas de suspeitos identificados até agora na investigação das autoridades haitianas.

    Polícia tentar conter haitianos perto de delegacia
    Polícia tentar conter haitianos perto de delegacia
    Foto: Valerie Baeriswyl/AFP/Getty Images

    Os verdadeiros mentores ainda estão em liberdade, acredita a Sra. Moise. “As pessoas que eles prenderam são as pessoas que puxaram o gatilho. Eles não puxariam o gatilho sem nenhuma ordem. Então, os personagens principais de que precisamos são as pessoas que pagaram por isso. E as pessoas que deram a ordem.”

    Ela não tem certeza se as autoridades locais sozinhas são capazes de descobrir a verdade. O que o povo haitiano precisa, disse ela, é de uma investigação independente conduzida pela ONU e, potencialmente, para que um dia o caso chegue ao Tribunal Penal Internacional de Haia.

    Agentes do governo dos Estados Unidos e da Colômbia já estão apoiando a investigação em andamento sobre o assassinato, e seu envolvimento é amplamente citado na capital, Porto Príncipe, como a chave para sua credibilidade.

    No entanto, a investigação é opaca, e várias fontes próximas a ela disseram à CNN que eles estão preocupados com repetidas violações de protocolo, falhas em proteger os investigadores de ameaças de morte e batalhas pelo acesso às principais evidências.

    “Planejar por meses a morte de um presidente e ninguém ao redor dele sabe disso é algo terrível. Isso me mostrou que os sistemas de segurança e inteligência em meu país precisam ser trabalhados. Se essas pessoas estivessem lá por meses e tivéssemos um trabalho de inteligência, o presidente saberia “, disse Moise.

    Também há mais forças nefastas em jogo do que incompetência, ela acredita.

    “Há pessoas poderosas no Haiti. E por causa de seu poder, não tenho certeza de que a investigação atual possa encontrar respostas”, disse ela.

    Seu falecido marido era uma figura controversa, acusada por líderes da sociedade civil de tentar consolidar o poder recusando-se a realizar eleições, enfraquecendo as barreiras democráticas e fechando os olhos para a violência das gangues.

    Haiti
    O presidente do Haiti, Jovenel Moise, foi morto em um ataque em sua residência
    Foto: Joseph Odelyn/AP

    Ele também fez inimigos perigosos entre os poderosos oligarcas do país ao tentar encerrar ou reescrever contratos lucrativos com o Estado, disse sua esposa.

    Falando no funeral do presidente na cidade de Cap Haitien, no norte do país, na semana passada, a primeira-dama alertou que “raptores” sedentos de sangue ainda estavam em liberdade no Haiti, na esperança de assustar os próximos candidatos a reformadores.

    “É um crime querer libertar o estado das garras de oligarcas corruptos? Isso é um grande crime?” ela disse.

    “Jovenel nos mostrou o caminho, ele abriu nossos olhos, então não vamos permitir que o sangue de nosso presidente seja derramado em vão”, ela acrescentou – uma das várias declarações que alimentaram rumores de que ela poderia um dia concorrer ao cargo.

    Moise evita perguntas sobre suas próprias ambições presidenciais com a graça de uma política veterana, mas ela não se esquiva de tópicos politicamente carregados. Ela argumentou, por exemplo, que o governo interino deve se apressar em realizar novas eleições, bem como o referendo constitucional defendido por seu marido, que confere maiores poderes à presidência.

    Os líderes da sociedade civil rebatem que as pesquisas não serão livres nem justas no atual clima de insegurança, que tem visto sequestros e guerras de gangues generalizados em Porto Príncipe. No entanto, as eleições estão marcadas para o final de setembro.

    “Acho que com as eleições que se aproximam, com a constituição que também está mudando, teremos um país melhor”, disse Moise à CNN. “Não em cinco anos, provavelmente não em 10. Mas temos esperança.”

    Para o futuro imediato, ela insiste que seu foco está em seus filhos, sua recuperação e garantir que a comunidade internacional que tantas vezes intervém nos assuntos do Haiti agora conceda ao país caribenho uma investigação independente de assassinato de classe mundial.

    Embora diminuída por sua nova comitiva de fortes agentes de segurança privada americanos e enfrentando uma série assustadora de procedimentos médicos para restaurar o uso de seu braço danificado, ela está pronta para lutar.

    “Isso é o que a esperança dá a você. Você luta”, disse ela suavemente. “Vou perguntar e perguntar e perguntar até eu conseguir.”

    (Texto traduzido, leia original em inglês aqui)

    Mais Recentes da CNN